AES Tietê ainda trabalha para fechar aquisição de Alto Sertão III junto à Renova

LinkedIn

A elétrica AES Tietê (BOV:TIET11), da norte-americana AES, ainda não tem uma previsão de quando será concluída sua aquisição junto à Renova Energia do complexo eólico Alto Sertão III, anunciada em abril, disseram executivos da companhia em teleconferência com investidores nesta quarta-feira.

“A gente está trabalhando nas condições precedentes, e quanto (tempo) pode levar a gente não sabe ao certo. Em paralelo estamos trabalhando na estrutura de capital adequada para a companhia, caso de fato essa aquisição ocorra. Não tem uma definição ainda”, afirmou a vice-presidente e diretora de relações com Investidores, Clarissa Della Nina.

A AES Tietê fechou acordo com a Renova Energia para a compra do complexo eólico Alto Sertão III, que está com a construção paralisada em estágio avançado, por até R$ 350 milhões e mais assunção de R$ 998 milhões em dívidas do empreendimento.

Dias depois, a Renova, controlada pela estatal mineira Cemig, foi alvo da operação “E o Vento Levou”, da Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público Federal, que investiga possível desvio de recursos da empresa de Minas Gerais por meio de contratos superfaturados da empresa de energia limpa.

Questionada por analistas, a diretora financeira afirmou que não está no radar da companhia neste momento uma mudança no pagamento de dividendos para suportar a aquisição. A AES Tietê tem distribuído 100 por cento do lucro aos acionistas.

“Hoje não estamos avaliando mudar nossa política de pagamento de dividendo”, afirmou.

A executiva destacou que a AES Tietê promoveu recentemente uma reestruturação de suas dívidas, o que significou segundo ela “um avanço bastante importante na estrutura de dívida da companhia”.

Com uma emissão de debêntures de R$ 2,2 bilhões realizada em abril, a AES Tietê deslocou R$ 1,5 bilhão em dívidas que venceriam nos próximos cinco anos para prazos mais longos.

Com isso, o prazo médio das dívidas da companhia passou para seis anos, ante 3,9 anos no final do primeiro trimestre e 4,2 vezes ao fim de 2018.

Deixe um comentário