Qualicorp aprova redução de capital e distribuição de R$ 980 milhões a acionistas

LinkedIn

Investing.com – A Qualicorp (BOV:QUAL3), em reunião de seu Conselho de Administração, aprovou a redução do capital social da companhia, sem o cancelamento de ações e com o pagamento aos acionistas de um total de R$ 980 milhões. Assim, o capital da gestora de planos de saúde será reduzido de R$ 1,886 bilhão para R$ 886,467 milhões. A restituição deve ser realizada até o dia 30 de dezembro deste ano.

As ações da companhia operam com ganhos de 0,43% a R$ 23,09.

A decisão do colegiado foi justificada por considerar que o atual valor do capital era excessivo para consecução do objeto social da companhia. Desta forma, o total a ser pago aos acionistas, representa o equivalente a pouco mais de 15% do valor atual de mercado da Qualicorp, que, com o fechamento de ontem, era estimado em R$ 6,5 bilhões.

Deste total, o atual presidente, e fundador da companhia, José Seripieri Filho, ficará com R$ 196 milhões, sendo que ele detém 20% da companhia. Além disso, a XP Gestão de Recursos receberá R$ 95,5 milhões devido a seus 9,7% de participação.

Agora, a proposta será encaminhada apara aprovação da assembleia geral extraordinária (AGE), que foi convocada para 5 de agosto.

Em estudo divulgado no final de junho, o BTG Pactual já estimava que após a emissão bilionária de debêntures, a Qualicorp se encaminhava para uma redução de capital, mas o esperado pelo banco era de cerca de R$ 700 milhões.

Para os analistas, com a operação, a companhia ainda é vista com uma posição de caixa saudável, de certa de R$ 450 milhões até o final do ano, com 0,8x dívida líquida/Ebitda, ficando um pouco acima da alavancagem líquida de 2016.

Eles entendem que a redução do capital é um dos principais catalisadores, que deve agora se encaminhar para uma reestruturação societária que possibilitaria o pagamento de juros sobre capital próprio, possivelmente reduzindo sua alíquota de imposto de renda. Apesar disso, o BTG se mantém Neutro com o papel devido à sua dinâmica de lucros ainda fraca e às perspectivas de crescimento relativamente limitadas.

Deixe um comentário