Bitcoin subirá para US$ 20.000, diz CEO da BitMEX

LinkedIn

Para o CEO da Bitmex, tudo depende da posição do FED, que pode hoje confirmar se vai ou não vai “imprimir” cerca de $53 Bilhões de dólares, afim de injetar liquidez no mercado. 

Acabou o dólar nos EUA

Na verdade essa é uma situação pouco comum no mercado interbancário, a intervenção do Banco Central americano em imprimir dinheiro com o intuito de injetar liquidez, não acontecia há 10 anos. Hoje acontecerá uma reunião do colegiado do Fed e cresce a expectativa de que haja algum comentário sobre esse aperto de liquidez.

Além de fazer as “repo” e as compras diretas, o Fed também pode reiniciar o “quantitative easing” e/ou reduzir o juro sobre o excedente de reservas bancárias, que está em 2,1%. Em tese, juros menores nesses depósitos que os bancos fazem junto ao BC estimularia maior colocação de dinheiro junto ao mercado.

A explicação para falta de moeda passa pelo um aumento pontual na demanda em função de empresas que precisam fazer um pagamento trimestral de impostos, mais a liquidação da venda de títulos do Tesouro dos EUA na casa dos US$ 78 bilhões. Também entra na lista um feriado, ontem, no Japão. No entanto, o mercado teria condições de se antecipar a essa demanda maior por dinheiro.

Normalmente, a taxa que se negocia nos chamados “money-markets” é muito próxima à taxa básica fixada pelo Fed, que está entre 2% e 2,25% ao ano. Como faltou dólar (liquidez), essas taxas chegaram a saltar para 8% a 10% ontem e seguiram em alta mesmo depois da atuação do Fed.

Crise mundial?

É a segunda vez que o Fed interfere ao ligar sua máquina de impressão de dólares desde a crise financeira de 2008. Muitos acreditam que esse evento em particular, foi o que levou diretamente o misterioso Satoshi Nakamoto (se era uma única pessoa ou um grupo de desenvolvedores) a criar o Bitcoin.

A Grande Recessão deu origem – ou pelo menos popularizou – a duas principais tendências financeiras: Bitcoin (criptomoedas) e as políticas monetárias heterodoxas de flexibilização quantitativa e taxas de juros negativas.

Desde a recessão, os bancos centrais do mundo injetaram trilhões na economia, através de operações de mercado aberto e redução das taxas de juros, para manter os mercados de ações e os dados econômicos gerais em alta.

De acordo com vários analistas e investidores líderes, a perpetuação desses últimos ajudará dramaticamente os primeiros, com as políticas monetárias heterodoxas agindo como combustível de foguete para a primeira criptomoeda.

Em um tweet em 18 de setembro, Arthur Hayes, CEO da BitMEX, previu que uma nova flexibilização quantitativa (QE) diminuiria ainda mais a fé na moeda fiduciária.

Seu tuite foi publicado um dia após o Fed ter diminuído as taxas de juros de alguns empréstimos que atingiram mais de 10%, ou quatro vezes sua meta. Mais de US$ 53 bilhões foram injetados na economia.

Mesmo se o Fed não “voltar a religião”, o dinheiro continuará a inundar a economia por meio de banqueiros centrais, preparando o terreno para ativos escassos e não soberanos como o Bitcoin.

Vale lembrar que, o órgão monetário que supervisiona o Euro, o BCE, cortou sua taxa de juros para depósitos em 10 BPS (0,1%) para -0,5%. Simultaneamente, o banco central revelou que iniciaria outra rodada de flexibilização quantitativa (QE), prometendo comprar cerca de 20 bilhões de euros (cerca de US $ 22 bilhões) em títulos e “outros ativos financeiros” (não o Bitcoin, com certeza) a cada mês na esperança de que a economia permaneça estimulada.

Além disso, espera-se que o Banco Popular da China (PBoC), mantendo recentemente sua taxa de empréstimos para empréstimos a médio prazo, ative políticas de flexibilização. Ding Shuang, economista-chefe da Grande China e do Norte da Ásia no Standard Chartered, disse à Reuters:

“Todos os outros indicadores mostram que há um forte argumento para reduzir as taxas, incluindo dados reais da atividade econômica ontem, que confirmaram os riscos de queda. No futuro, se uma grande parte do aumento das tarifas nos EUA se tornar efetiva, os riscos negativos serão ainda maiores. ”

Otimismo para o Bitcoin?

Então, por que os bancos centrais dovish vão desencadear uma forte valorização no Bitcoin?

A resposta para essa pergunta, é a crescente inflação e oferta de moeda. Travis Kling, ex-gerente de portfólio de um dos principais fundos de Wall Street que mergulhou no “rabbithole Bitcoin”, escreveu que as políticas acima mencionadas são uma oferta “entre os banqueiros centrais de desvalorizar suas moedas o mais rápido possível”.

Ele escreve que, com a “corrida do mundo inteiro” para ver quem pode desvalorizar sua moeda fiduciária o mais rápido, os ativos com a “Escassez Provável” devem começar a brilhar. Por isso, ele está obviamente se referindo a algo como Bitcoin. Como Kling  disse em um evento recente:

“O Bitcoin é atualmente um ativo de risco. Mas é um ativo de risco com um conjunto específico de características de investimento que só se tornará mais atraente com a política monetária e fiscal mais irresponsável. ”

Vale destacar que há menos de um mês, Hayes também previu que o BTC subiria para US$ 20.000.

Agora ele parece ter mais certeza disso. Junto com ele, o especialista em criptomoedas e o co-fundador da Morgan Creek Digital, Anthony Pompliano, também menciona frequentemente um possível QE pelo Fed como uma das principais razões para o aumento do preço do Bitcoin.

Veja o Ranking das principais criptomoedas

Deixe um comentário