Crise política no Reino Unido e trégua na guerra comercial animam bolsas; Ibovespa sobe e acompanha Bolsonaro na ONU

LinkedIn

Sinais de retomada das negociações entre Estados Unidos e China e uma decisão desfavorável ao primeiro-ministro Boris Johnson no Reino Unido estão influenciando os investidores nos mercados financeiros internacionais. Ontem, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, confirmou a retomada de negociações entre China e Estados Unidos daqui a duas semanas.

Ele também esclareceu que a interrupção da visita da missão chinesas na semana passada ocorreu a pedido das autoridades americanas. Já o presidente Donald Trump voltou a cobrar a retomada das compras de produtos agrícolas americanos pelos chineses e Mnuchin esclareceu que a China se comprometeu em realizar novas compras, e já seguiram relatos de comércio de soja entre os dois países.

Ontem também o Banco Popular da China (PBoC) afirmou ontem ter amplas ferramentas e espaço amplo para estimular a economia chinesa caso haja necessidade.

Já no Reino Unido, a Suprema Corte decidiu que a suspensão do Parlamento britânico pelo premiê Boris Johnson foi um ato ilegal de forma unânime, o que pode colocar em risco seu governo. A decisão também permite que o Parlamento se articule para impedir a saída do país da União Europeia sem um acordo, como defende Johnson, apesar dos riscos para a economia britânica.

As bolsas na Ásia fecharam praticamente estáveis, com o índice Nikkei, do Japão, subindo 0,09%, o Hang Seng, de Hong Kong, 0,22% e o da Bolsa de Xangai, 0,28%. Na Europa, a maior queda é do Financial Times, de Londres, pela crise política que ameaça o primeiro-ministro Boris Johnson. O DAX, de Frankfurt, cai 0,02% enquanto o CAC, de Paris, sobe 0,15%.

Nos EUA, a retomada das conversas com a China faz o Índice Dow Jones subir 0,22% no mercado futuro. O Standard & Poor’s 500 sobe 0,25% e o Nasdaq, 0,28%.

No Brasil, o Índice Bovespa abriu em alta e subia 0,11%, para 104.752 pontos. Banco do Brasil ON sobe 0,30%. O banco anunciou ontem um acordo com o suíço UBS para criar um banco de investimentos e uma corretora para atuação na América do Sul.

Via Varejo, que pretende criar um banco digital, sobe 0,93%. Os bancos também estão em alta o que favorece o Índice Bovespa.

O mercado brasileiro avalia a ata do Copom, divulgada hoje, e que reafirma o comunicado da reunião da semana passada, de que o Banco Central vê espaço para cortar mais os juros, hoje de 5,5% ao ano. Essa expectativa de corte é reforçada pelo IPCA-15, prévia da inflação que saiu hoje também, e que subiu apenas 0,09%.

O mercado acompanha também o discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU, em Nova York, e como ele vai tratar da questão do meio ambiente. A imagem internacional do país e suas relações comerciais podem ser mais afetadas dependendo da reação ao discurso.

No mercado de câmbio, o dólar está em queda de 0,15%, vendido a R$ 4,165 no mercado comercial. Os juros futuros estão em alta, corrigindo um pouco da queda forte dos últimos dias por conta das indicações de redução dos juros pelo Copom.

Deixe um comentário