JBS e BRF têm forte queda com noticiário negativo; Marfrig também recua

LinkedIn

Investing.com – A jornada desta quarta-feira é marcada por importantes perdas para os principais grupos frigoríficos brasileiros listados na B3. Entre os motivos para o movimento negativo está o pedido de senadores dos Estados Unidos para investigação de aquisições da JBS (BOV:JBSS3) no país. Além disso, a BRF (BOV:BRFS3) informou que sua planta de Abu Dhabi passa por uma auditoria, o que restringe as vendas para a Arábia Saudita.

Sendo assim, por volta das 13h15, as ações da JBS cediam 3,46% a R$ 29,59, com Marfrig (BOV:MRFG3) recuando 2,09% a R$ 11,23 e BRF 1,08% a R$ 36,81. Já para Minerva (BOV:BEEF3), que não faz parte do Ibovespa, era registrado alta de 1,54% a R$ 10,54.

JBS

O pedido de senadores americanos para iniciar uma investigação sobre aquisições feitas pela JBS foram motivadas pelo envolvimento da companhia brasileira com casos de corrupção no Brasil e na Venezuela.

Em carta, os senadores Marco Rubio e Robert Menendez pedem que o Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (CFIUS, na sigla em inglês) revise a compra de companhias do país pela JBS, incluindo Swift, Smithfied Foods, Pilgrim’s Pride e o braço de suínos da Cargill no país, entre 2007 e 2015.

Os parlamentares alegam que durante os anos dessas compras nos EUA, a JBS se viu envolvida numa ampla rede de atividades ilícitas, citando o caso em que a controladora J&F, em 2017, fez acordo para pagar 3,2 bilhões de dólares por envolvimento num escândalo de corrupção no Brasil.

Em nota, a JBS afirmou que “cooperou totalmente com as autoridades americanas, sempre de maneira transparente em relação aos eventos passados no Brasil”.

BRF

Nesta quarta-feira, a BRF informou que a fábrica da empresa em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, passa por auditoria para atestar o valor agregado na produção local, segundo as regras do Conselho de Cooperação do Golfo.

A nota da companhia segue reportagem publicada pelo Valor Econômico de que a Arábia Saudita restringiu drasticamente as compras de alimentos produzidos naquela fábrica.

“A empresa tem estoque suficiente na região e direciona sua produção a outros mercados do Golfo até que o fluxo comercial seja totalmente restabelecido”, afirmou a BRF, repetindo comentários já publicado pelo Valor.

Conforme a reportagem do Valor, citando uma fonte, oficialmente, os alimentos industrializados à base de frango feitos na unidade foram barrados depois de uma auditoria do governo.

A Arábia Saudita tem essa prerrogativa, segundo o Valor, porque a fábrica, inaugurada em 2014, foi construída com incentivos fiscais do CCG, do qual também fazem parte os Emirados Árabes Unidos, Barein, Omã, Catar e Kuwait.

Com Reuters e com informações do Valor Econômico.

Deixe um comentário