Mercados iniciam a semana cautelosos frente às incertezas que rondam o Brexit

LinkedIn

ÁSIA: Investidores da Ásia-Pacífico negociaram com cautela na segunda-feira, após desenvolvimentos do Brexit no fim de semana criando mais incertezas quanto à iminente saída do Reino Unido da União Europeia.

No Japão, o Nikkei subiu 0,25%, para 22.548,90 pontos, enquanto o índice Topix subiu 0,41%.

O Kospi da Coreia do Sul subiu 0,2% em 2.064,84  pontos.

O ASX 200 da Austrália fechou quase estável em 6,652.50 pontos. Entre as mineradoras, BHP e Forrescue Metals avançaram 0,4% cada, enquanto Rio Tinto subiu 0,2%. A produtora de petróleo e gás Woodside Petroleum caiu 0,5%.

As ações da China continental negociaram em baixa: o composto de Xangai fechou quase estável, enquanto o Shenzhen Composite caiu 0,11%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng lutou muito e finalmente fechou em alta de 0,02%.

No geral, o índice de ações da MSCI na Ásia exceto Japão subiu 0,28%.

No front das negociações entre os EUA e a China houve “progressos substanciais”, de acordo com o vice-primeiro-ministro chinês Liu He, informou a Reuters. Depois de chegar a um acordo comercial parcial no início deste mês, Pequim e Washington estão trabalhando para firmar um acordo por escrito.

Os dois lados aplicaram tarifas de bilhões de dólares em produtos de um contra o outro, que agitaram os mercados globais, criaram incerteza nos negócios e prejudicaram as perspectivas econômicas em todo o mundo. A China disse na semana passada que sua economia cresceu 6% em relação ao ano anterior no terceiro trimestre, o que se acredita ser o menor ganho do PIB para o país em pelo menos 27,5 anos.

EUROPA: As bolsas europeias operam em alta na segunda-feira de manhã. O pan-europeu Stoxx 600 sobe 0,4% no início da sessão, com bancos e ações ligados às seguradoras avançando, enquanto as ações ligadas à produtos de saúde e eletrodomésticos caem.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, foi forçado a solicitar à UE uma prorrogação do atual prazo de 31 de outubro para o Brexit no sábado depois que um grupo de legisladores inter-partidários aprovou uma emenda forçando um atraso na votação de seu recém-negociado acordo de divórcio por três meses. Johnson, que se opõe a qualquer adiamento.

Resta saber se a UE aceitará o pedido, o que atrasaria o Brexit até 31 de janeiro e abriria portas para uma nova eleição geral no Reino Unido. Alguns líderes europeus relutam em dar mais tempo à Grã-Bretanha, embora uma saída organizada seja amplamente aceita como o cenário menos prejudicial para o Reino Unido e a UE.

O veredicto da UE deve ser dado nesta segunda-feira, enquanto Johnson tentará aprovar seu acordo no parlamento britânico no início desta semana. O governo britânico insistiu no domingo que o país deixará a UE em 31 de outubro, embora o jornal britânico Sunday Times tenha noticiado que a UE atrasaria até fevereiro de 2020 se Johnson não aprovar seu acordo com legisladores britânicos nesta semana.

Analistas do Goldman Sachs disseram que esperam que o acordo acabe sendo aprovado e por esse motivo, a libra sobe para US $ 1,35, embora outros colegas tem sido mais cautelosos. A libra obteve um ganho de 5,8% em outubro mantendo a moeda perto de níveis nunca vistos desde maio.  Enquanto isso, o FTSE 100 sobe 0,19%. As mineradoras registram ganhos consistentes em Londres. Anglo American sobe 3,2%, Antofagasta sobe 3,1%, BHP avança 0,8% e Rio Tinto opera em alta de 1,2%.

EUA: Futuros dos EUA apontam abertura semanal ligeiramente positiva em Wall Street.

As mudanças no pre-market ocorrem quando os investidores continuam monitorando de perto a evolução do comércio global. Na sexta-feira, o vice-primeiro-ministro chinês Liu He disse que Pequim trabalharia com os EUA para resolver as questões comerciais. O principal negociador da China também disse que interromper a guerra comercial seria bom para os dois lados, assim como para a economia global.

Enquanto isso, o presidente Donald Trump tem dito que espera que um acordo comercial entre os EUA e a China seja assinado na reunião da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, no Chile em meados de novembro. As duas superpotências econômicas chegaram a um acordo parcial na semana passada, num esforço de ambos os lados para encerrar uma prolongada disputa que atinge os mercados financeiros e prejudica o crescimento global. Ambos os lados estão trabalhando para um avanço mais abrangente.

Nas notícias corporativas, a Halliburton, Lennox International e PetMed Express estão prontas para informar seus ganhos antes do sinal de abertura. A Cadence Design Systems, Celanese e Zions Bancorp estão entre algumas das empresas que devem divulgar seus últimos números trimestrais após o fechamento do mercado.

Não há relatórios econômicos significantes agendados para esta segunda-feira.

ÍNDICES FUTUROS – 7h50:
Dow: +0,10%
SP500: +0,21%
NASDAQ: +0,27%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

Deixe um comentário