Futuros dos EUA apontam para uma abertura positiva em Wall Street.

LinkedIn

ÁSIA: As bolsas da Ásia fecharam sem direção nesta terça-feira, em meio à preocupações com o estado das negociações comerciais EUA-China.

Segundo fonte do governo, Pequim está pessimista em relação ao acordo comercial. A China está preocupada depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que poderia não haver reversão tarifária. Isso ocorre depois que um relatório da mídia estatal chinesa no fim de semana disse que as negociações comerciais haviam sido “construtivas” após reuniões entre o alto escalão entre Pequim e Washington. As duas potências econômicas tem trabalhado para chegar a um acordo da “fase 1”, que deve ser assinado em breve.

O Nikkei do Japão caiu 0,53%, enquanto o índice Topix recuou 0,23%. Na Coreia do Sul, o Kospi caiu 0,34%.

Na China continental, o dia foi de alta. O Composto de Xangai subiu 0,85%, para 2.933,99 pontos, enquanto o composto de Shenzhen avançou 1,83%. O índice Hang Seng de Hong Kong subiu 1,55%.

O S & P / ASX 200 da Austrália avançou 0,7%, fechando em 6.814,20 pontos. Entre as mineradoras, BHP subiu 0,5%, Fortescue Metals avançou 2,9% e Rio Tinto adicionou 0,8%. A ata da reunião de novembro do Banco Central da Austrália (RBA), mostrou que o banco central manteve a taxa de câmbio inalterada em 0,75%.

No geral, o índice MSCI Asia ex-Japan fechou em alta de 0,48%.

EUROPA: Os mercados europeus negociam em território positivo nesta terça-feira, apesar das incertezas e do pessimismo com as negociações comerciais entre os EUA e a China.

O pan-europeu Stoxx 600 sobe 0,75% no meio da manhã ao atingir o nível mais alto desde maio de 2015 e agora flerta com a máxima histórica. O setor de recursos básicos sobem 1,7%, liderando os ganhos, enquanto o setor de automóveis avançam 1,5%. Entre as mineradoras listadas em Londres, Anglo American sobe 1,7%, Antofagasta sobe 2,2%, enquanto Rio Tinto e BHP avança 2,3% cada.

A campanha política do Reino Unido continua em foco. Na terça-feira, o Partido Trabalhista, da oposição britânica, mirará bilionários “obscenos”, prometendo uma redistribuição radical da riqueza, informou a Reuters.

EUA: Os futuros dos índices de ações dos EUA operam em alta na manhã de terça-feira, após Wall Street terminar em alta na segunda-feira. Fonte do governo informou que a China está pessimista em relação a um acordo comercial com os EUA.

O ex-conselheiro econômico da Casa Branca, Gary Cohn, disse na segunda-feira que acredita que o presidente Trump irá a frente com as tarifas programadas para 15 de dezembro, se ambas as potências não chegarem a um acordo comercial até então.

Enquanto isso, o presidente Trump conversou com o presidente do Fed, Jerome Powell, na segunda-feira. Trump disse no Twitter que “protestou” sobre as taxas do Fed serem “muito altas em relação às taxas de juros de outros países concorrentes”.

Na agenda econômica, haverá a divulgação das licenças de construção e início de habitação às 10h30.

O Comitê Permanente de Inteligência da Câmara estará realizando sua última audiência aberta como parte do processo de impeachment contra o Presidente Trump, a partir das 11h00.

A Home Depot, a Medtronic e a Kohl’s devem reportar seus números.

ÍNDICES FUTUROS – 7h30:
Dow: +0,41%
SP500: +0,32%
NASDAQ: +0,46%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

Deixe um comentário