Investidores avaliam com cautela as consequências do acordo EUA-China

LinkedIn

ÁSIA: Os mercados asiáticos fecharam majoritariamente em alta na sessão desta quinta-feira, depois que os Estados Unidos e a China assinaram um acordo comercial parcial na quarta-feira, que adota medidas para erradicar várias práticas de Pequim, incluindo roubo de propriedade intelectual e transferências forçadas de tecnologia de empresas americanas em troca do acesso ao mercado chinês. O acordo também detalha um aumento de US $ 200 bilhões nas compras chinesas de mercadorias dos EUA ao longo de dois anos.

Em resumo, o pacto facilita algumas sanções contra a China. Em troca, Pequim concordou em intensificar as compras de produtos agrícolas dos EUA e outros bens.

Ainda assim, o acordo é uma “trégua provisória e longe de uma resolução duradoura”, alertam analistas e que há mais perguntas do que respostas em relação aos mecanismos de monitoramento do acordo comercial.

O Nikkei do Japão subiu 0,07%, enquanto o índice Topix recuou ligeiramente.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi registrou um ganho de 0,77%, com as ações da gigante eletrônica Samsung Electronics avançando 2,88% e a Hyundai Motor saltando 3,04%.

O índice Hang Seng de Hong Kong subiu 0,38%, mas os mercados do continente chinês relutaram em subir. O composto de Xangai caiu 0,52%, enquanto o composto de Shenzhen caiu 0,15%.

No início desta semana, os dados mostraram que as importações chinesas dos EUA se recuperaram em novembro e dezembro.

O índice australiano ASX 200 subiu 0,67%, para 7.041,80 pontos, com a maioria dos setores terminando em alta. O subíndice financeiro altamente ponderado subiu 1,07%. Entre as mineradoras,

EUROPA: As bolsas europeias operam entre ligeiras altas e baixas na manhã de quinta-feira, com investidores reagindo com cautela ante assinatura do acordo comercial parcial entre os EUA e a China.

O pan-europeu Stoxx 600 reduz os ganhos iniciais e ronda em torno da linha plana no meio da manhã, com ações de recursos básicos, que possuem forte exposição à China, liderando os ganhos, enquanto os de automóveis caem.

Entre as mineradoras listadas em Londres, Anglo American sobe 0,9%, Antofagasta e BHP sobem 1,1% cada, enquanto Rio Tinto adiciona 0,2%.

As tensões comerciais também aumentaram entre a China e a Holanda, depois que o embaixador de Pequim alertou o governo holandês contra o fornecedor holandês de equipamentos de semicondutores ASML de enviar seus produtos para a China.

A inflação alemã subiu em dezembro, em linha com as previsões, impulsionados por um aumento nos preços de energia e alimentos. O índice de preços ao consumidor aumentou 0,5% em relação a novembro e 1,5% em relação ao mesmo mês do ano anterior, disse Destatis. Ambos os aumentos estavam de acordo com as previsões dos economistas.

O índice de inflação harmonizado da União Europeia cresceu 0,6% em relação a novembro e 1,5% em comparação com dezembro anterior. Em 2019, os preços ao consumidor na Alemanha aumentaram 1,4% em comparação com o ano anterior, enquanto cresceram 1,8% em 2018.

EUA: Os futuros dos índices de ações dos EUA avançam nesta quinta-feira de manhã, à frente de outro lote de balanços corporativos.

As bolsas dos EUA devolveram a maior parte dos ganhos no fim da sessão de quarta-feira, depois da tão aguardada cerimônia na Casa Branca, onde o presidente Donald Trump e o vice-primeiro-ministro chinês Liu He assinaram o acordo comercial de “primeira fase”. Pelo acordo, a China deverá comprar US $ 200 bilhões em produtos norte-americanos nos próximos dois anos.

Como resultado do acordo, as exportações dos EUA para a China devem, em teoria, subir para US $ 263 bilhões em 2020 e US $ 309 bilhões em 2021. Ambos os números representariam uma aceleração recorde das exportações dos EUA para a China.

Apesar da assinatura, alguns analistas acreditam que novas tarifas ainda podem ser impostas e que a incerteza comercial poderá surgir em outro lugar, inclusive na Europa.

Enquanto isso, o assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que haverá mais cortes de impostos neste ano. As notícias podem aumentar o apetite por ações.

Em outros lugares, os investidores também estão monitorando os ganhos corporativos do Morgan Stanley, New York Mellon Bank, Charles Schwab e  CSX, nesta quinta-feira.

O calendário de dados está repleto, com as solicitações de seguro desemprego, vendas no varejo, preços de importação e números de manufatura do Fed da Filadélfia às 10h30 da manhã. Também sairá inventários de negócios e pesquisas da Associação Nacional de Construtores de Casas às 12h00.

ÍNDICES FUTUROS – 7h00:

Dow: +0,24%

SP500: +0,28%

NASDAQ: +0,36%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

Deixe um comentário