ÍNDICES: Movimentos das bolsas de ações e moedas

LinkedIn

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta quinta-feira (13/02/20).

ÁSIA – Ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em queda de 0,34% a 27.730 e o índice Shenzhen Composite ficou em queda de 0,77% a 1.771. O índice Xangai ficou em queda de 0,71% a 2.906. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,10% a 3.220. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,14% aos 23.827. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,21% a 7.103. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,24% a 2.232. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,26% aos 41.459. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,15% aos 11.791.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 1% aos US$88,56 a tonelada seca e com 62% de pureza.

Os mercados asiáticos voltaram para o campo negativo nesta quinta-feira. O que se viu foi a China adotando novas estratégias para contar o número de pessoas contaminadas pelo COVID-19. O indicador regional de ações, MSCI Asia Pacific, fechou com alta discreta de 0,09%, com destaque para as quedas das ações relacionadas a bancos e setor de manufaturas. O Japão registrou a primeira vítima fatal pela contaminação. O País está em alerta. Nesta sessão, apenas a Austrália divulgou indicadores.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 seguia em queda de 0,33% aos 429.70 em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em queda de 1,36% aos 7.432; o DAX 30 (Frankfurt) seguia em queda de 0,18% a 13.725; o CAC 40 (Paris) seguia em queda de 0,52% a 6.072; o FTSE-MIB (Milão) seguia em queda de 0,07% aos 24.842; o Ibex 35 (Madri) seguia em queda de 0,79% a 9.862; e o PSI-20 (Lisboa) seguia estável 0,04% a 5.312.

As bolsas europeias acompanham o desempenho asiático nesta reta final de negociação. Além dos temores em relação à disseminação do COVID-19, os investidores também estão atentos para a temporada de balanços corporativos decepcionantes (Airbus; Credit Suisse; Barclays). As moedas estão enlouquecidas.

ESTADOS UNIDOS: O Dow Jones opera em queda de 0,46% aos 29.403 pontos. O S&P opera em queda de 0,33% aos 3.368 pontos. O Nasdaq opera em queda de 0,49% aos 9.678 pontos.

Na bolsa de Nova York, os investidores estão mantendo a cautela e realizando lucros, depois dos recordes de ontem. A atenção é redobrada com o avanço do COVID-19. A divulgação da inflação ao consumidor de janeiro também segue no radar. O índice de dólar, DXY, que ontem também deu uma puxada para cima, opera estável a 99,00.

BRASIL: O Ibovespa também devolve em 1,34% aos 115.108 pontos. O dólar comercial opera em queda de 0,66% aos R$4,321 para a venda.

A bolsa de valores de São Paulo opera em queda nesta sessão, depois da forte alta de ontem. O que se vê também é um dólar recuado, depois de bater a máxima sobre o real. Os números das vendas no varejo de dezembro recuaram, mas ganharam força no ano de 2019. A agenda global está tranquila, o que permite maior concentração nos resultados corporativos. Os destaques nesse setor ficam com o  Banco do Brasil, Suzano, Banco Inter e Duratex. A cautela com o COVID-19 também está no radar, bem como os ruídos de Brasília.

Commodities

O petróleo referência Brent opera em alta de 0,93% a US$56,67 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI segue em alta de 0,64% aos US$51,50 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro segue em alta de 0,45% a US$1.577,80 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

Deixe um comentário