Mercados recuam após alerta da Apple

LinkedIn

ÁSIA: As bolsas na Ásia caíram no fechamento de terça-feira, com o surto de coronavírus continuando a preocupar as empresas em meio às expectativas de desaceleração. A Apple disse que não cumprirá sua meta de lucro, enquanto a China adia ou cancela grandes eventos, incluindo o salão do automóvel de Pequim.

A China disse na terça-feira que aceitará pedidos de isenção de tarifas sobre produtos de empresas americanas a partir de 2 de março, de acordo com um relatório da Reuters. Isso se aplicaria a 696 produtos americanos, incluindo carne de porco, soja, petróleo bruto e gás natural liquefeito.

Na China continental, as ações subiram no fechamento. O composto de Xangai subiu 0,05%, em 2.984,97 pontos. O índice de referência de Xangai saltou mais de 2% na segunda-feira, depois que o banco central lançou mais medidas para apoiar a economia.

O Salão do Automóvel da China, um dos maiores eventos internacionais do setor, foi adiado e muitos eventos esportivos e de entretenimento foram adiados ou cancelados para evitar viagens que possam espalhar o vírus. O número de mortos pelo surto aumentou para 1.868 e o total de casos confirmados, para 72.436.

A China registrou 1.886 novos casos de vírus e mais 98 mortes em sua atualização na terça-feira.

O índice Hang Seng de Hong Kong caiu 1,54%. Na Coreia do Sul, o Kospi caiu 1,48%.

O Nikkei do Japão caiu 1,40%, após perdas no dia anterior, enquanto o Topix caiu 1,31%, com a gigante Softbank caindo 4,89%.

O ASX 200 da Austrália caiu 0,16%, fechando em 7.113,70 pontos. As mineradoras tiveram um dia de recuperação. BHP subiu 1%, Fortescue Metals avançou 1.1% e Rio Tinto adicionou 0,6%.

No geral, o índice da MSCI da Ásia-Pacífico, exceto Japão, caiu mais de 1%.

Os fornecedores da Apple na Ásia caíram depois que a gigante da tecnologia alertou que pode não cumprir sua previsão de receita trimestral por causa da menor oferta mundial de iPhone e da menor demanda chinesa devido interrupções do surto de coronavírus.

A Apple fabrica a maioria de seus iPhones e produtos na China. A epidemia levou a empresa a interromper temporariamente a produção e fechar as lojas de varejo na China. Algumas lojas da Apple reabriram na China com horários reduzidos na semana passada.

No Japão, Alps Alpine caiu 2,89%, Murata Manufacturing caiu 3,41% e Taiyo Yuden caiu 5,66%. Em Hong Kong, Sunny Optical  mergulhou 4,85% e a Aac Tech tropeçou quase 4%. Na Coreia do Sul, SK Hynix caiuu 2,86% e a Samsung Electronics caiu 2,76%. Em Taiwan, a Hon Hai Precision Industry, maior fornecedor da Apple, caiu 0,60%.

Segundo analistas, essa notícia inesperada confirma temores de que o surto de vírus tenha impactado drasticamente o fornecimento de iPhone, com um impacto em cascata de demanda em todo o mundo” e que o impacto é “claramente pior do que se temia”.

O surto, iniciou na China mas desde então se espalha globalmente e deve impactar também outras empresas. De fato, poderia atingir até cinco milhões de empresas em todo o mundo, mostrou um novo estudo. Quase metade (49%) das empresas com subsidiárias em regiões impactadas está sediada em Hong Kong, enquanto os EUA respondem por 19%, o Japão 12% e a Alemanha 5%. O impacto das empresas da China e do mundo reduziu as previsões de crescimento econômico para o ano.

Singapura, uma dos países mais atingidos pelo surto fora da China, deve divulgar seu orçamento na terça-feira. Espera-se que o país do Sudeste Asiático ofereça facilitações, amenizando o impacto econômico do surto que atingiu as empresas e o turismo.

EUROPA: As bolsas europeias operam em baixa na manhã de terça-feira, após um fraco desempenho da Ásia, com o alerta da Apple afetando ações dos fornecedores de eletrônicos.

O pan-europeu Stoxx 600 cai 0,4% no meio da manhã, com ações do setor de recursos básicos liderando as perdas, enquanto as concessionárias resistiram à tendência descendente. Entre as mineradoras listadas em Londres, Anglo American cai 1,6%, Antofagasta e BHP recuam 2,1% cada, enquanto Rio Tinto cai 1,4%.

No setor de fabricação de chips, as ações da Dialog Semiconductor despencam 5,05% e as da ASM International recuam 4,45%, enquanto AMS cai 2,47%.

As expectativas econômicas alemãs caíram em fevereiro em uma queda mais severa do que os analistas previram, disse o instituto de pesquisa econômica da ZEW na terça-feira. A medida das expectativas econômicas caiu para 8,7 pontos em fevereiro, ante 26,7 pontos em janeiro. O resultado é muito pior do que a previsão dos economistas de 21,0 pontos. “Os temidos efeitos negativos da epidemia de coronavírus na China no comércio mundial estão causando um declínio considerável do Indicador de Sentimento Econômico da ZEW para a Alemanha”, disse o instituto, alertando que a economia alemã está “bastante frágil” no momento.

EUA: Os futuros dos índices de ações dos EUA caem na terça-feira de manhã, depois que a Apple anunciou na segunda-feira que não espera atender às previsões de receita do segundo trimestre.

Wall Street permaneceu fechado na segunda-feira por conta de um feriado.

Na agenda econômica, os números de manufatura do Empire State para fevereiro e a pesquisa da Associação Nacional de Construtores de Casas (NAHB) para fevereiro serão divulgados durante a manhã.

O presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, deve fazer observações sobre a maior economia do mundo em um evento em St. Paul, Minnesota.

ÍNDICES FUTUROS – 8h00:

Dow: -0,51%

SP500: -0,40%

NASDAQ: -0,70%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

Deixe um comentário