NTN-B 2045 cai 34% em 30 dias com crise do coronavírus; mas perda só vale para quem resgatar

LinkedIn

Os títulos do governo vendidos pelo Tesouro Direto prefixados ou corrigidos pela inflação apresentam fortes perdas nos últimos 30 dias encerrados em 20 de março por conta da crise do coronavírus. O motivo é que, na turbulência, os juros desses papéis sobem e os preços dos papéis antigos no mercado caem para se ajustar ao novo cenário. Mas essa oscilação, que ocorre diariamente, só influencia o rendimento dos investidores que tiverem de vender o papel agora. Quem vai ficar com o título até o vencimento receberá exatamente a remuneração acertada na aplicação. Portanto, o investidor não deve se assustar com a oscilação nos últimos 30 dias, que chega a -34,23% na NTN-B com juros pagos no final, ou Tesouro IPCA+, com vencimento em 2045. Apesar da perda no valor de face, o papel continua pagando os mesmos juros mensais mais o IPCA para quem ficar com o título. O mesmo vale para a NTN-B 2035, cujo preço no mercado está 22,15% menor que há 30 dias.

Juros subiram

Essa queda no valor do papel reflete a alta dos juros pagos para quem comprar o título agora. Tanto remuneração da NTN-B para 2035 quanto a da para 2045 passaram de juros reais de 3,24% ao ano mais IPCA em 21 de fevereiro para 4,64% em 20 de março, um salto de 1,4 ponto percentual ao ano no rendimento para os próximos 15 anos e 25 anos, respectivamente. O mesmo efeito ocorre com os títulos prefixados, mas a perda é menor porque o prazo é menor também e o efeito do ajuste dos juros é menor. A LTN, ou Tesouro Prefixado para 2026, teve uma queda de preço de 9,56% em 30 dias.

O único papel que não tem perdas com essa oscilação é a LTF, ou o Tesouro Selic, pois seu juro não é fixo. Ele é calculado a cada dia pela variação do overnight. Ela é usada também nos fundos DI. Seu ganho, porém, deve cair este ano com a decisão do Banco Central de cortar os juros básicos para 3,75% ao ano.

Fundos mostrarão perdas nas cotas

A queda dos preços dos títulos vai ser registrada nos fundos de renda fixa, especialmente os de inflação, que aplicam em NTN-B de prazo mais longo. Mas, assim como com os títulos comprados diretamente, a perda só valerá para quem sacar os recursos. Por isso, é importante que o investidor só aplique nesses papéis o dinheiro que pode ficar por muito tempo. Caso a crise diminua, os juros tendem a cair e os preços desses papéis devem se recuperar. Mas antes disso eles podem cair mais.

Títulos Vencimento 30 dias Fevereiro No ano 12 meses
Prefixado 01/01/2021 0,45 0,35 1,39 9,28
Prefixado 01/01/2022 -1,05 0,59 0,79 11,25
Prefixado 01/01/2023 -3,47 0,41 -1,13 11,51
Prefixado 01/01/2025 -7,26 -0,21 -4,31 12,02
Prefixado 01/01/2026 -9,56
Pré juro semestral 01/01/2021 0,36 0,36 1,28 8,82
Pré juro semestral 01/01/2023 -3,32 0,43 -1,17 10,29
Pré juro semestral 01/01/2025 -6,54 -0,03 -3,92 10,24
Pré juro semestral 01/01/2027 -9,12 -0,58 -6,27 10,18
Pré juro semestral 01/01/2029 -11,8 -0,89 -9,16 8,77
Pré juro semestral 01/01/2031 -15,99
Tesouro Selic 01/03/2021 0,29 0,28 0,89 5,49
Tesouro Selic 01/03/2023 0,25 0,23 0,85 5,46
Tesouro Selic 01/03/2025 0,21 0,25 0,82 5,43
IPCA+ 15/08/2024 -6,24 -0,13 -4,37 8,77
IPCA+ 15/08/2026 -9,19
IPCA+ 15/05/2035 -22,15 -1,7 -18,94 -1,26
IPCA+ 15/05/2045 -34,23 -3,02 -30,25 -7,19
IPCA+ juro sem. 15/08/2020 -1,07 0,23 -0,86 5,53
IPCA+ juro sem. 15/08/2024 -5,59 -0,05 -3,74 8,47
IPCA+ juro sem. 15/08/2026 -7,82 -0,35 -5,31 7,39
IPCA+juro sem. 15/08/2030 -11,62
IPCA+juro sem. 15/05/2035 -15,45 -1,13 -12,59 3,03
IPCA+juro sem. 15/08/2040 -17,89
IPCA+juro sem. 15/05/2045 -19,48 -2,38 -16,65 1,11
IPCA+juro sem. 15/08/2050 -21,31 -2,66 -18,03 0,54
IPCA+juro sem. 15/05/2055 -22,51

 

Deixe um comentário