Com vários mercados fechados, investidores retornam as atividades com cautela

LinkedIn

ÁSIA: As bolsas da Ásia fecharam em baixa na segunda-feira, enquanto a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados costuravam um acordo sobre um corte recorde na produção de petróleo.

Poucas horas antes da reabertura dos mercados, a OPEP, a Rússia e outros produtores de petróleo finalizaram um corte na produção sem precedentes de 9,7 milhões de barris, ou um décimo da oferta global, o maior corte de produção da história, a partir de 1 de maio até 30 de junho, buscando recuperar os preços em queda e encerrar com uma guerra de preços.

No Japão, o Nikkei caiu 2,33%, fechando em 19.043,40 pontos, enquanto o índice Topix caiu 1,69%. O primeiro-ministro Shinzo Abe está enfrentando duras críticas de muitos que acreditam que o governo fez muito pouco e tarde demais, para evitar um grande surto.

O Kospi da Coreia do Sul caiu 1,88%, com as ações da fabricante de chips SK Hynix recundo 3,21%.

Na China continental, o dia também foi de baixa. O índice composto de Xangai caiu 0,49%, enquanto o composto de Shenzhen caiu 0,80%. A China começou, cautelosamente, a reabrir a atividade em regiões como Wuhan e na província de Hubei, centro do surto de coronavírus no país.

No geral, o índice MSCI Asia ex-Japan caiu 0,21%.

Os mercados de Hong Kong, Austrália e alguns outras praças regionais permaneceram fechados na segunda-feira por conta das comemorações da Páscoa.

Os preços do petróleo reduziram os ganhos iniciais, mas permaneceram em território positivo na tarde do pregão asiático. Os contratos futuros do Brent, referência internacional, aumentaram 0,86%, para $ 31,75 por barril. Os contratos futuros de petróleo dos EUA subiram 1,76%, para US $ 23,85 por barril.

Analistas descreveram o acordo como “muito complicado, muito pouco e muito tarde”, depois de semanas de uma guerra de preços prejudicial entre a Arábia Saudita e a Rússia e que os cortes não foram suficientes para compensar a queda da demanda devido a paralisações dos negócios e viagens devido ao coronavírus. A OPEP+ espera que países fora do grupo, incluindo EUA, Canadá e Noruega, também reduzam a produção, em um esforço para sustentar os preços. Embora Trump tenha dito que os EUA reduziriam a produção, ele observou que as forças do mercado desacelerarão naturalmente a produção.

Na China, onde os primeiros casos de coronavírus foram detectados no final do ano passado, um produtor de máscaras disse que está correndo para atender pedidos do exterior enquanto enfrenta inspeções de qualidade mais rigorosas por parte dos reguladores chineses e que os pedidos de países europeus e dos Estados Unidos os manterão em plena capacidade de produção até junho.

A alfândega chinesa anunciou que os ventiladores, máscaras e outros suprimentos exportados para combater o coronavírus estão sendo submetidos à inspeções de qualidade, após reclamações de que produtos abaixo do padrão estavam sendo vendidos no exterior. Reguladores da Austrália, Holanda e outros países reclamaram que máscaras, kits de teste de vírus e outros produtos estavam com defeito ou falharam em atender aos padrões de qualidade.

A pandemia global de coronavírus continuou pesando sobre o sentimento dos investidores, com mais de 1,8 milhão de casos confirmados em todo o mundo e mais de 114.000 pessoas morrendo em todo o mundo, segundo dados compilados pela Universidade John Hopkins. Mas os números certamente subestimam o tamanho real e o custo da pandemia, devido a testes limitados, contagem desigual de mortos e o desejo de alguns governos de minimizar a extensão dos surtos.

EUROPA: A maioria das bolsas na Europa estão fechadas por conta do feriado de Páscoa. O RTI de Moscou cai 1,62%.

Os mercados europeus fecharam em alta na quinta-feira, com os investidores digerindo os últimos dados de desemprego nos EUA e um pacote de estímulo de US $ 2,3 trilhões do Federal Reserve.

O Stoxx 600 fechou em alta de 1,4% na quinta-feira. Sem negociação na sexta-feira, devido ao feriado da Páscoa, o índice referência terminou a semana em alta acima de 7%.

EUA: Os futuros de ações dos EUA operam em baixa na segunda-feira de manhã, depois que a OPEP e outros países produtores de petróleo chegaram a um acordo sobre corte na produção e com os investidores continuando a digerir o impacto do coronavírus.

Após o grupo de países conhecido como OPEP + concordar em reduzir a produção em 9,7 milhões de barris por dia, tornando a maior redução de produção já registrada, o presidente Donald Trump twittou que o acordo “salvará centenas de milhares de empregos no setor de energia nos Estados Unidos”, acrescentando que será ”ótimo para todos”. Os preços do petróleo caíram mais de 40% desde o início de março, depois que a OPEP, lideradas pela Arábia Saudita e a Rússia, não conseguiram chegar a um acordo e depois que a pandemia de coronavírus diminuiu as perspectivas econômicas globais.

As movimentaçoes do domingo ocorreram depois que os mercados de ações dos EUA desfrutaram de uma de suas melhores semanas de todos os tempos. O Dow teve seu sétimo melhor desempenho semanal, alcançando alta de 12,7%. O S&P 500 teve seu maior ganho em uma semana desde 1974, saltando 12,1%.

Os fortes ganhos semanais de Wall Street ocorreram em grande parte por conta de uma aparente melhora nas perspectivas do coronavírus nos EUA, juntamente com outro programa de estímulo no valor de até  US $ 2,3 trilhões do Federal Reserve. Pesou contra, a divulgação de que 6,6 milhões de americanos reivindicaram seguro desemprego nos EUA na semana encerrada em 4 de abril, informou o Departamento do Trabalho na quinta-feira.

Os economistas esperavam um aumento de 5 milhões após recordes nas duas leituras anteriores, de 6,6 milhões e 3,3 milhões. Os economistas preveem que a taxa de desemprego entre os adolescentes saltará neste mês, ante os 4,4% em março e 3,5% em fevereiro.

Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, disse no domingo que estava cautelosamente otimista de que o surto estava desacelerando nos EUA. Ele também disse que parte do país podem começar a reabrir no próximo mês, no entanto, acrescentou que isso não significa que o país inteiro acione o “interruptor” e volte ao normal.

Os casos confirmados nos EUA agora totalizam quase 550.000, mais do que qualquer outro país do mundo, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. O estado de Nova York é responsável por mais de 189.000 desses casos. A contagem de mortes nos EUA causada pelo vírus é superior a 21.000.

Analistas dizem que os esforços para conter a propagação do COVID-19 parecem estar funcionando, mas debatem qual o momento da reabertura da economia e quais os efeitos econômicos da paralisação e incentivam os investidores a permanecerem cautelosos, porém atentos à medida que os eventos se desenrolam.

Ainda segundo analistas, a recente recuperação do mercado, que levou o S&P 500 a recuperar metade de seu movimento negativo de recordes, pode deixar os investidores desapontados quando a temporada de lucros das empresas começar. Johnson & Johnson, JPMorgan Chase e Bank of America estão entre as empresas programadas para reportar ganhos nesta semana. Várias empresas não pagarão dividendos, citando o surto de coronavírus, enquanto outras reduziram suas previsões de lucro.

Não há lançamentos de dados econômicos para segunda-feira.

Apesar da recuperação do mercado na semana passada, as principais médias ainda estão mais de 17% abaixo dos recordes estabelecidos em fevereiro. Tanto o Dow quanto o S&P 500 caíram 16,9% e 13,7%, respectivamente, durante o ano, enquanto a Nasdaq caiu mais de 9% em 2020.

ÍNDICES FUTUROS – 7h50:
Dow: -1,10%
SP500: -1,03%
NASDAQ: -0,88%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

Deixe um comentário