Alpargatas (ALPA4) 1T20: Lucro líquido de 26,4 milhões; Queda de 50%

LinkedIn

A Alpargatas reportou lucro líquido de R$ 26,4 milhões de reais no primeiro trimestre (1T20), queda de 50% em comparação com igual período do ano anterior. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi negativo, no valor de R$ 8,8 milhões de reais. Em 2019, o resultado foi positivo, no valor de R$ 137,3 milhões.

A dona de marcas como Havaianas, Osklen e Mizuno, com valor de mercado hoje de 13,5 bilhões, é negociada na B3 através dos ativos: (BOV:ALPA3) (BOV:ALPA4).

Desconsiderando resultados de reestruturações e da venda da Asaic, unidade de negócios relacionada à marca Topper na Argentina e no mundo, a empresa teve lucro líquido recorrente de 50,6 milhões e Ebtida de R$ 72,2 milhões.

A receita operacional líquida da Alpargatas foi de R$ 747 milhões entre janeiro e março, queda de 9%. Considerando apenas o Brasil, a empresa teve recuo na receita em todas as marcas, queda de 10% para R$ 549,5 milhões. No mercado internacional, o recuo foi de 5%, para R$ 197,5 milhões.

As vendas de janeiro a março caíram 12,8%, ficando em 42 milhões de pares de Havaianas e itens associados. No exterior, o recuo foi de 19,6%, para 5.8 milhões de pares ou peças.

No fim do trimestre, a posição financeira líquida era positiva de R$ 329,5 milhões, devido o lucro das operações e pela extensão do prazo de pagamento de fornecedores.

A posição financeira é resultado do saldo de caixa de R$ 1,43 bilhão e endividamento de R$ 1,1 bilhão, sendo 82% (R$ 907,4 milhões) de dívidas no curto prazo – R$ 580,6 milhões em moeda estrangeira – e R$ 195,7 milhões com vencimento no longo prazo – em moeda nacional.

“Fomos rápidos em captar R$ 0,8 bilhão de linhas adicionais de crédito bancárias, o que nos levou a uma posição final de caixa de R$ 1,4 bilhão”, diz a administração da fabricante de calçados.

“A captação foi com base em um exercício de estresse para saber quanto precisaria ter em caixa para manter a empresa, com todos os seus funcionários, durante um ano sem gerar nenhuma receita”, disse o diretor financeiro e de relações com investidores, Julian Garrido.

A empresa divulgou o resultado do primeiro trimestre no dia 05/05/2020. Confira o release.

+ Confira o calendário de divulgação de resultados do 1T20 das empresas listadas na Bolsa de Valores.

Efeito Coronavírus e Teleconferência

As atividades operacionais não pararam por causa da pandemia.
Com quatro grandes fábricas no Brasil e outras seis menores, a empresa tem 16 mil funcionários no país e outros 2 mil no exterior. Entre o fim de março e meados de abril, a empresa adotou normas e protocolos de saúde na rotina de trabalho.
“No contexto de uma crise humanitária de saúde sem precedentes, com impactos socioeconômicos profundos, a nossa convicção é que estamos posicionados para vencer no novo normal”, afirma a empresa.
A administração da Alpargatas diz que o avanço da covid-19 pelo mundo teve impacto em todas as suas operações no primeiro trimestre, sendo mais sentida no Brasil a partir de março.

A empresa teve de fechar suas lojas no Brasil e no mundo, seguindo as determinações de autoridades de saúde locais por conta da pandemia. Mas tirou proveito do fato de que seu principal produto, as sandálias Havaianas, é vendido também em supermercados e farmácias, que permanecem abertos desde o início da crise.

“A marca Havaianas está em multicanais e isso é importante porque desde o início da crise a gente está com cerca de 60% dos canais de venda funcionando no Brasil e 55% desses canais funcionando fora do Brasil”, disse o presidente do grupo, Roberto Funari.

“A Havaianas é a maior marca global de consumo brasileira e estamos bem preparados para lidar com esse novo contexto. Os fundamentos da empresa são fortes”, afirmou o executivo.

Na Ásia, onde mercados já estão retomando algum grau de normalidade, as vendas subiram 43%, principalmente pelo mercado on-line. No exterior, são 209 lojas da Havaianas.

Além de supermercados, farmácias e outros pontos de vendas de terceiros, as Havaianas são vendidas em 466 lojas próprias no país.

Hoje, cerca de 50 dessas lojas foram reabertas no Brasil, a maioria de franqueados. São ainda 80 unidades próprias da Osklen e seis da Mizuno.

A prioridade da companhia agora é preservar seu capital de giro e sua operação. Para isso, a empresa renegociou prazos de pagamentos com fornecedores, ampliou o número de fornecedores de borracha e outras matérias-primas para conseguir melhores preços. E renegociou com shopping centers valores de aluguéis das lojas próprias e de franquia.

Como foi o desempenho das ações

Em 2020, o papel oscilou entre a mínima de R$ 15,76 e R$ 37,91 na máxima. Até o momento, a empresa desvalorizou 25,60%.
Nos últimos 5 anos, o papel teve um preço médio de R$ 13,50 e atingiu a mínima de R$ 10,46 e a máxima de R$ 16,26. O papel mais líquido (ALPA4) teve retorno de 21,53% frente ao índice Bovespa na média dos últimos 5 anos.
Desconsiderando amortizações, a empresa pagou R$ 0,06 em proventos no valor bruto dos proventos com DATA COM entre 05/05/2019 e 05/05/2020 com Dividend Yield de 0,22%.

Quem é a Alpargatas

A Alpargatas é uma empresa brasileira fabricante de calçados, líder do segmento na América Latina. Dona de marcas como Havaianas, Osklen, Topper Argentina, Dupé e também detém as licenças da Mizuno.

Alpargatas está sediada em São Paulo e possui 13 unidades de produção no Brasil, sendo cinco fábricas e oito satélites. As operações internacionais próprias estão sediadas em: Buenos Aires, Nova York, Madri, Paris, Londres e Bolonha. Na Argentina, a produção é realizada em oito fábricas distribuídas no país.

A companhia apresenta 80% de Tag Along com Free Float de 50,20% no papel ALPA4.

 

Ativos Reais que rendem de 15% a 20%. Até agora, essas chances eram restritas a investidores milionários e institucionais.

Deixe um comentário