Guia destaca ‘colcha de retalhos' das leis tributárias sobre criptomoedas na América Latina

LinkedIn

Pesquisas da exchange da América Latina, Buda, destacaram uma colcha de retalhos de leis, regulamentos confusos e conceitos incomuns que regem a tributação de criptomoeda na região.

A Buda forneceu uma série de diretrizes fiscais descrevendo as medidas que os traders de criptomoedas devem levar em consideração ao procurar cumprir as leis do Chile, Colômbia, Peru e Argentina.

Em vários países da região, existem diferentes interpretações e conceitos sobre que tipo de bem ou ativo é considerado uma criptomoeda.

Definições legais na América Latina

O Chile, por exemplo, considera qualquer criptomoeda como “um ativo digital ou virtual”; A Colômbia como um “bem imaterial”; O Peru como um “ativo móvel”, enquanto na Argentina não há definição oficial no momento.

O guia destaca muitas dúvidas sobre quando os impostos devem ser pagos por possuir ou negociar criptoativos.

No Peru, as autoridades esperam que as pessoas paguem impostos sobre criptomoeda quando recebem pagamentos em criptomoedas por um produto/serviço da profissão do destinatário.

Quando as pessoas devem pagar impostos?

Para o Chile e a Colômbia, é usado um conceito chamado “alienar”, que basicamente significa vender. O termo geralmente é entendido como quando a pessoa não é mais proprietária da criptomoeda, se ela vendeu, trocou ou realizou outros negócios com ela.

Portanto, para ambos os países, as pessoas devem pagar impostos quando as negociam.

Devido à falta de definição oficial do governo argentino em relação à cripto, também não há diretrizes sobre quando os argentinos devem pagar impostos sobre criptomoedas.

Nos países mencionados, as exchanges de criptomoedas locais ou estrangeiras não são responsáveis por tributar em nome do cliente, uma vez que é responsabilidade de cada contribuinte declarar suas obrigações perante as autoridades locais.

O status legal da criptomoeda na região

 

Argentina

Segundo a Constituição Nacional da Argentina , a única autoridade capaz de emitir moeda legal é o Banco Central . As criptas em geral não são moeda estritamente legal, pois não são emitidas pela autoridade monetária do governo e não têm curso legal.

Em 2014, uma declaração do Banco Central acompanhada pelos regulamentos 300 da Unidade de Pesquisa Financeira (FIU) deixou claro que o Bitcoin não é uma moeda legal.

Portanto, eles podem ser considerados dinheiro, mas não moeda legal, uma vez que não são um meio obrigatório para cancelar dívidas ou obrigações.

​​​​​​​A última alteração da Lei do Imposto de Renda (dezembro de 2017) estabelece que os lucros derivados da venda de moeda digital serão considerados como renda e impostos.

Além disso, a Argentina, de acordo com o relatório da Biblioteca do Congresso, é o único país da América Latina que possui uma estrutura reguladora clara para a aplicação de leis sobre carga tributária de criptomoedas.

Recentemente, um novo regulamento do Banco Central para regulamentar as empresas Fintech , estabeleceu que carteiras virtuais ou cartões de pagamento deveriam ter suporte em entidades bancárias. Os regulamentos permitem um período para sua adaptação até o próximo dia 31 de janeiro de 2020.

Brasil

O Brasil é apontado como uma das economias mais permissivas para criptomoedas em todo o mundo. No Brasil, o  Bitcoin é tratado como um ativo financeiro pela Receita Federal e  sujeito a um imposto sobre ganhos de capital de 15%.  Como tal, os bitcoins devem ser apresentados como uma declaração de imposto sobre quanto valem e quanto lucro foi obtido.

​​​​​​​Além disso, a Receita Federal pede determinou que operações com critpomoedas acima de R$ 35 mil podem estar sujeitas a imposto de renda.

Mas, do ponto de vista legal, o Banco Central do Brasil, embora tenha declarado à criptomoeda um ativo a ser incluído em sua balança de pagamentos, ainda não possui uma posição clara. Nesse sentido, em 16 de novembro de 2017, foi emitido o aviso nº 31.379, alertando que as chamadas moedas virtuais não estão sujeitas a suporte ou regulamentação \ supervisão pela entidade governamental.

México

Lei do México para regular as empresas de tecnologia financeira (Fintech Act) promulgada em março de 2018 fala sobre “bens virtuais”. Nesse sentido, obriga as empresas financeiras em seu território que operam com criptomoedas a informar seus clientes que ativos virtuais não têm curso legal e, portanto, não têm o apoio do governo federal ou do Banco Central do México.

Além disso, a lei concede ao Banco Central do México amplos poderes para regular ativos virtuais, como autorização ou negação de empresas com ativos virtuais, além de especificar quais têm permissão para operar no país.

Devido à estrita conformidade com os regulamentos AML e KYC , a lei exige que as empresas que lidam com criptomoedas relatem transações para esses ativos que excedam determinados valores.

​​​​​​​Em 2014, o Ministério das Finanças esclareceu que, embora o Bitcoin não fosse um ‘curso legal’, ele poderia ser usado como meio de pagamento e, portanto, estava sujeito às mesmas restrições contra lavagem de dinheiro, metal e dinheiro .

Devido à sua clara estrutura regulatória, o México teve um crescimento significativo nos últimos dois anos, com experimentos tão bem-sucedidos quanto o Ripple e a  MoneyGram e seu sistema de remessa eletrônica baseado no token XRP .

Venezuela

Com o surgimento de sua moeda digital soberana apoiada por reservas de petróleo bruto ( Petro ), o país latino-americano chamou a atenção do mundo por ser pioneiro na implementação da primeira criptomoeda emitida por um governo em dezembro de 2017.

O documento oficial número 3.196 fornece principalmente os detalhes operacionais do petro, incluindo sua emissão, extração e comercialização na Venezuela , de acordo com as regras de compra e venda contidas no Código Civil do país.

Através da Lei do Sistema Integral de Criptoativos publicada sob o número 41.575, o “Petro” foi divulgado aos usuários dentro e fora de suas fronteiras. Três meses depois, o governo venezuelano emitiu outro decreto esclarecendo as funções regulatórias da SUNACRIP em Petro e no mercado de criptomoedas no país. No documento oficial, fica claro que qualquer outra criptomoeda que deseja ser criada dentro do território deve ser admitida e registrada por esta entidade.

​​​​​​​Após as posições políticas encontradas no país sobre poderes públicos, em 8 de março de 2018, a Assembléia Nacional do país declarou que a emissão da criptomoeda nacional era ilegal e inconstitucional, subtraindo a legalidade do projeto. No entanto, após a existência de dois poderes legislativos paralelos “um oficial e um oponente”, as declarações da AN não impediram a implementação da criptomoeda.

Nesse sentido, o governo declarou petro como curso legal para todas as transações envolvendo instituições governamentais, além do duplo uso da contabilidade para empresas, que devem reportar sua receita na criptomoeda.

Chile

As criptomoedas não são proibidas no Chile mas o Banco Central chileno declarou que bancos que integram o sistema financeiro nacional não tem autorização para operar com criptoativos. Contudo não restringiu as operações das exchanges de Bitcoin.

As criptomoedas não tem status legal no país, mas decisões judiciais no país vem considerando o ativo digital como uma propriedade. Do ponto de vista governamental há uma vontade positiva em relação à criação de uma estrutura reguladora que legalize o status de criptomoedas e negócios no país.

Bolívia

Bitcoin é proibido no país desde  2014.

“É ilegal usar qualquer tipo de moeda que não seja emitida e controlada por um governo ou entidade autorizada”. 

Colômbia

Embora não seja totalmente contra criptos, a Superintendência Financeira (SF) da Colômbia alertou na circular de 52 de junho de 2017 que o Bitcoin não é moeda no país, portanto, não pode ser considerado suscetível ao cancelamento de dívidas.

Segundo a agência, as criptomoedas não têm valor de acordo com as leis do mercado de capitais e, portanto, também não são reconhecidas como garantia. Nesse sentido, proíbe criptomoedas para instituições financeiras controladas pelo Banco Central.

Apesar do exposto, um esboço foi apresentado com as especificações para regular exchanges de criptomoedas em abril de 2019, mas não houve avanços importantes desde então e o Bitcoin continua em um ‘limbo’ regulatório no país que não ‘gosta’ do  BTC mas não proibe as negociações com criptoativos.

Equador

Em 2014, a Assembléia Nacional do Equador baniu o Bitcoin e as moedas digitais descentralizadas. Hoje, apresenta um esquema peculiar por meio do chamado Sistema de Dinheiro Eletrônico e da Lei de Empreendedorismo recentemente aprovada, que permite manter o monopólio do estado de emissão e administração de dinheiro eletrônico através do Banco Central do Equador.

Apesar da declaração original da Assembléia Nacional, o Banco Central declarou que a compra e venda de criptomoedas como Bitcoin pela Internet não é proibida, mas esclarece que a criptomoeda não tem curso legal e não é um método de pagamento autorizado para bens e serviços de acordo com o Código Orgânico Monetário e Financeiro.

Costa Rica

Em outubro de 2017, o Banco Central e suas agências descentralizadas emitiram uma declaração declarando expressamente que o Bitcoin e criptomoedas semelhantes não são reconhecidas como moeda legal no país e, portanto, não têm o apoio do Banco Central ou do estado.

No comunicado, o Banco Central e suas agências descentralizadas enfatizaram que de maneira alguma eles regulam ou supervisionam as criptomoedas como meio de pagamento. Além disso, enfatizaram que as transações de criptomoeda não podem ser feitas através do Sistema Nacional de Pagamentos Eletrônicos (SINPE) usado na Costa Rica.

Paraguai

Embora o país guarani ainda não possua uma estrutura legal definida sobre criptomoedas, no final de dezembro passado, o governo anunciou que está começando a revisar a indústria em seu território, seguindo as orientações estipuladas pela Força-Tarefa de Ação Financeira (GAFI) .

De acordo com o Chefe de Combate à Lavagem de Dinheiro (SEPRELAD) do país, as empresas que se qualificam sob o guia do GAFI como ativos virtuais estão sendo obrigadas a se registrar no governo para cumprir estritamente os padrões da AML.

O país também vem trabalhando um um sistema de incentivo para a instação de fábricas de mineração de bitcoin o país, atividade que já ocorre em Hernandarias, próximo a divisa com o Brasil.

El Salvador

Em novembro de 2017, o Banco Central daquele país emitiu uma declaração explícita indicando que atualmente não existe uma estrutura legal ou regulamentar aplicável a criptomoedas ou seus equivalentes. Ele também enfatizou que a captação de recursos com moedas digitais era proibida. Ele esclareceu que o cólon e o dólar dos Estados Unidos são a única moeda legal em seu território.

Uruguai, Honduras, Guatemala e Peru

Nenhum desses países possui regulamentos atuais sobre criptomoedas, além das declarações oficiais dos bancos centrais de seu país, indicando que moedas digitais descentralizadas, como Bitcoin, não possuem curso legal no país, portanto, não possuem endosso oficial de nenhuma tipo.

Contudo em nenhuma destas nações é proíbido operar com Bitcoin e criptomoedas.

Caribe

O Caribe não é um país, mas uma região que engloba diversas ilhas na América Central. Naquela região o Banco Central do Caribe Oriental (BCEB) indicou que planeja o uso experimental de uma criptomoeda regional.

O BCEB é a autoridade monetária de oito economias insulares da União Monetária do Caribe Oriental que usam uma moeda comum conhecida como dólar do Caribe Oriental: Anguila, Antígua e Barbuda, Comunidade de Dominica, Granada, Montserrat, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia e São Vicente e Granadinas.

​​​​​​​Em março de 2018, o ECCB lançou um memorando de entendimento com uma empresa de tecnologia financeira para desenvolver um programa piloto que permitiria emitir uma moeda digital do Banco Central ( CBDC ), com base na tecnologia de contabilidade distribuída e com uma plataforma blockchain .

O projeto piloto do CBDC do ECCB é o primeiro de seu tipo e a moeda seria a primeira blockchain baseada no mundo. O projeto piloto começou em março de 2019 e compreende duas fases: desenvolvimento e teste, por cerca de doze meses, seguidos de implementação e implantação nos países piloto por aproximadamente seis meses.

Não há qualquer proibição para o uso de Bitcoin entre os países que integram a organização.

 

Por Felipe Erazo/Daniel Jimenez

Veja o Ranking das principais criptomoedas

Deixe um comentário