Balança comercial tem superávit de US$ 1,653 bi na terceira semana de junho, segundo Ministério da Economia

LinkedIn

Na 3ª semana de Junho de 2020, a balança comercial registrou superávit de US$ 1,653 bilhões e corrente de comércio de US$ 6,966 bilhões, resultado de exportações no valor de US$ 4,31 bilhões e importações de US$ 2,656 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 12,225 bilhões e as importações, US$ 7,431 bilhões, com saldo positivo de US$ 4,794 bilhões e corrente de comércio de US$ 19,656 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 96,742 bilhões e as importações, US$ 76,377 bilhões, com saldo positivo de US$ 20,366 bilhões e corrente de comércio de US$ 173,119 bilhões.

Nas exportações, comparadas as médias até a 3ª semana de Junho/2020 (US$ 873,22 milhões) com a de Junho/2019 (US$ 968,74 milhões), houve queda de -9,9%. Em relação às importações houve queda de -22,6% na comparação entre as médias até a 3ª semana de Junho/2020 (US$ 530,78 milhões) com a do mês de Junho/2019 (US$ 685,72 milhões).

Assim, até a 3ª semana de Junho/2020, a média diária da corrente de comércio totalizou 1.403,99 US$ milhões e o saldo, também por média diária, foi de 342,44 US$ milhões. Comparando-se este período com a média de Junho/2019, houve queda de -15,1% na corrente de comércio.

Exportações por Setor e Produtos.

No acumulado até a 3ª semana do mês de Junho/2020, comparando com igual mês do ano anterior, o desempenho dos setores pela média diária foi o seguinte: crescimento de US$ 58,52 milhões (30,2%) em Agropecuária; queda de US$ -50,75 milhões (-24,3%) em Indústria Extrativa e queda de US$ -102,91 milhões (-18,3%) em produtos da Indústria de Transformação.

A combinação destes resultados levou a uma diminuição das exportações. Este movimento de queda nas exportações foi puxado, principalmente, pela diminuição nos seguintes produtos:

• Indústria Extrativa – Óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (-39,3% com queda de US$ -32,64 milhões na média diária); Minério de ferro e seus concentrados (-13,8% com queda de US$ -14,93 milhões na média diária); Minérios de cobre e seus concentrados (-26,1% com queda de US$ -3,38 milhões na média diária); Minérios de alumínio e seus concentrados (-26,3% com queda de US$ -0,22 milhões na média diária) e Outros minérios e concentrados dos metais de base (-1,8% com queda de US$ -0,03 milhões na média diária).

• Indústria de Transformação – Carnes de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas (-36,0% com queda de US$ -11,39 milhões na média diária); Aeronaves e outros equipamentos, incluindo suas partes (-81,4% com queda de US$ -11,37 milhões na média diária); Veículos automóveis de passageiros (-35,7% com queda de US$ -7,48 milhões na média diária); Farelos de soja e outros alimentos para animais (excluídos cereais não moídos), farinhas de carnes e outros animais (-21,8% com queda de US$ -6,73 milhões na média diária) e Produtos semi-acabados, lingotes e outras formas primárias de ferro ou aço (-30,3% com queda de US$ -6,38 milhões na média diária).

Importações por Setor e Produtos.

No acumulado até a 3ª semana do mês de Junho/2020, comparando com igual mês do ano anterior, o desempenho dos setores pela média diária foi o seguinte: queda de US$ -2,27 milhões (-14,2%) em Agropecuária; queda de US$ -1 milhões (-2,1%) em Indústria Extrativa e queda de US$ -150,84 milhões (-24,3%) em produtos da Indústria de Transformação. 685.72 −0.83 −1 −2.27 −150.84 530.78 0 200 400 600 Total − Junho/2019 Var.Abs. Outros Produtos Var.Abs. Indústria Extrativa Var.Abs. Agropecuária Var.Abs. Indústria de Transformação Total − Junho/2020 Comparação Junho/2019 x Junho/2020 − Por Média Diária Total e Variação Absoluta (Var.Abs) por Setor em US$ Milhões na Importação A combinação destes resultados levou a uma diminuição das importações. Este movimento de queda nas importações foi puxado, principalmente, pela diminuição nos seguintes produtos: • Agropecuária – Pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (-52,5% com queda de US$ -1,10 milhões na média diária); Látex, borracha natural, balata, guta-percha, guaiúle, chicle e gomas naturais (-59,0% com queda de US$ -0,78 milhões na média diária); Frutas e nozes não oleaginosas, frescas ou secas (-33,0% com queda de US$ -0,68 milhões na média diária); Milho não moído, exceto milho doce (-96,2% com queda de US$ -0,67 milhões na média diária) e Cevada, não moída ( -32,5% com queda de US$ -0,34 milhões na média diária).

• Indústria Extrativa – Carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (-27,5% com queda de US$ -2,58 milhões na média diária); Gás natural, liquefeito ou não (-20,6% com queda de US$ -1,19 milhões na média diária); Outros minérios e concentrados dos metais de base (-52,4% com queda de US$ -0,92 milhões na média diária); Outros minerais em bruto (-13,1% com queda de US$ -0,11 milhões na média diária) e Minérios de alumínio e seus concentrados (-95,2% com queda de US$ -0,10 milhões na média diária).

• Indústria de Transformação – Óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos (exceto óleos brutos) (-53,5% com queda de US$ -21,58 milhões na média diária); Veículos automóveis de passageiros (-70,5% com queda de US$ -9,95 milhões na média diária); Partes e acessórios dos veículos automotivos (-54,5% com queda de US$ -9,88 milhões na média diária); Torneiras, válvulas e dispositivos semelhantes para canalizações, caldeiras, reservatórios, cubas e outros recipientes (-66,3% com queda de US$ -8,54 milhões na média diária) e Veículos automóveis para transporte de mercadorias e usos especiais (-63,1% com queda de US$ -8,13 milhões na média diária).

 

Fonte Ministério da Economia

Conheça o Telegram ADVFN e fique por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro. 

Deixe um comentário