Confira os Indicadores Econômicos desta quinta-feira (25/05/2020)

LinkedIn

EUROPA

Na Alemanha, os consumidores estão se recuperando do choque do coronavírus, graças à rápida reabertura da economia e apoio da sociedade. As expectativas econômicas e de renda, bem como a propensão a comprar, estão aumentando. Como resultado, o GfK previu um valor de -9,6 pontos em julho de 2020, 9 pontos a mais do que seu nível em junho deste ano (revisado para -18,6 pontos). Os consumidores estão cada vez mais despertando do estado de choque que levou a uma queda sem precedentes no sentimento até abril.

No Reino Unido, a Pesquisa Mensal de Comércio da CBI, realizada entre 27 de maio e 12 de junho, revelou que os varejistas esperam que os volumes de vendas caiam em um ritmo um pouco mais rápido no ano até julho, refletindo, principalmente, o crescimento mais lento das mercearias e o declínio nas vendas de varejistas especializados em alimentos e bebidas.

As vendas no varejo caíram acentuadamente no ano até junho, embora em um ritmo mais lento que no mês passado (saldo de -37%, de -50%). Nenhuma melhora adicional é esperada no próximo mês, com o ritmo de declínio sendo mais acentuado no ano até julho (saldo de -48%). O volume de pedidos feitos aos fornecedores caiu a uma taxa mais lenta no ano até junho (saldo de -42%, de -56%), e espera-se que caia a uma taxa similar no próximo mês (-44%).

O crescimento nos volumes de vendas pela internet aumentou (saldo de + 50%, de + 27%), e as vendas on-line devem crescer em um ritmo ainda mais rápido no próximo mês (+ 56%). As vendas foram consideradas ruins para a época do ano (saldo de -34%, de -48%) e devem permanecer ruins no próximo mês (-41%). O volume de estoques em relação às vendas esperadas caiu em junho (+ 24% de + 45%). Os níveis relativos de estoque deverão aumentar no próximo mês (+ 38%).

Depois da COVID-19, a pergunta aos varejistas sobre quais questões que apresentam desafios operacionais para reiniciar seus negócios mostrou que 62% citaram a falta de demanda dos clientes, seguida por ausências da força de trabalho devido ao fechamento de escolas (61%) e dificuldades de transporte (35%), e pressões de custo (38%).

ESTADOS UNIDOS

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego nos Estados Unidos ficaram em 1,48 milhão para a semana fechada em 20 de junho, queda de 60 mil em relação ao nível revisado da semana anterior. Os dados do Departamento do Trabalho, apresentados nesta quinta-feira, ficaram acima das estimativas dos analistas, que esperavam por 1,3 milhão.

A influência nas solicitações ocorre quando os Estados Unidos estão novamente enfrentando um pico da doença COVID-19, com o Texas no foco.

O nível da semana anterior foi revisado em 32 mil de 1,508 milhão para 1,540 milhão. A média móvel de quatro semanas foi de 1.620.750, uma redução de 160.750 em relação à média revisada da semana anterior. A média da semana anterior foi revisada em 8.000, de 1.773.500 para 1.781.500.

O avanço da taxa de desemprego, com base nos pedidos do benefício e com ajuste sazonal, estava em 13,4% na semana encerrada em 13 de junho, uma redução 0,5 ponto percentual da taxa revisada da semana anterior. A taxa da semana anterior foi revisada em 0,2% 14,1% a 13,9%.

A média móvel de quatro semanas era de 20.421.250, uma redução de 329.750 em relação à média revisada da semana anterior. A média da semana anterior foi revisada em 63.750, de 20.814.750 para 20.751.000.

Nos Estados Unidos, os pedidos de bens duráveis subiram 15,8% mensalmente, para US $ 194,4 bilhões em maio, depois de um declínio de 17,7% em abril, informou o Census. Essa leitura foi superior à expectativa do mercado, com aumento de 10,6%. Excluindo o transporte, os novos pedidos aumentaram 4,0%. Excluindo a defesa, os novos pedidos aumentaram 15,5%. Os equipamentos de transporte, também depois de duas reduções mensais consecutivas, lideraram o aumento, US $ 20,9 bilhões ou 80,7%, para US $ 46,9 bilhões.

Nos Estados Unidos, o produto interno bruto real (PIB) diminuiu a uma taxa anual de 5,0% no primeiro trimestre de 2020, de acordo com a “terceira” estimativa divulgada pelo Departamento de Análises Econômicas. No quarto trimestre, o PIB real aumentou 2,1%.

A estimativa do PIB divulgada hoje é baseada em dados mais completos do que os disponíveis para a “segunda” estimativa emitida no mês passado. Na segunda estimativa, a queda do PIB real também foi de 5,0%. Com a terceira estimativa, uma revisão em alta do investimento fixo não residencial, foi compensada por revisões em baixa do investimento em estoques privados, despesas de consumo pessoal (PCE) e exportações.

A renda interna bruta real (GDI) caiu 4,4% no primeiro trimestre, em contraste com um aumento de 3,1% no quarto trimestre. A média do PIB real e do GDI real, uma medida suplementar da atividade econômica dos Estados Unidos que pesa igualmente o PIB e o GDI, diminuiu 4,7% no primeiro trimestre, em contraste com um aumento de 2,6% no quarto trimestre.

O PIB em dólar atual diminuiu 3,4%, ou US $ 189,4 bilhões, no primeiro trimestre, para um nível de US $ 21,54 trilhões. No quarto trimestre, o PIB aumentou 3,5%, ou US $ 186,6 bilhões.

O índice de preços para compras domésticas brutas aumentou 1,7% no primeiro trimestre, comparado com um aumento de 1,4% no quarto trimestre. O índice de preços do PCE aumentou 1,3%, comparado a um aumento de 1,4%. Excluindo os preços de alimentos e energia, o índice de preços do PCE aumentou 1,7%, comparado a um aumento de 1,3%.

Nos Estados Unidos, o Census anunciou as seguintes estatísticas de comércio internacional, inventários por atacado e varejo para maio de 2020:

O déficit comercial internacional foi de US $ 74,3 bilhões em maio, alta de US $ 3,6 bilhões em comparação a US $ 70,7 bilhões em abril. As exportações de produtos para maio foram de US $ 90,1 bilhões, US $ 5,5 bilhões a menos do que as exportações de abril. As importações de bens para maio foram de US $ 164,4 bilhões, US $ 1,9 bilhão a menos do que as importações de abril.

Os estoques atacadistas de maio, ajustados pelas variações sazonais, mas não pelas variações de preço, foram estimados em US $ 642,2 bilhões no final do mês, queda de 1,2% (± 0,2%) em relação a abril de 2020 e queda de 4,3% (± 0,9%) de maio de 2019. A alteração percentual de março de 2020 a abril de 2020 foi revisada de 0,3% (± 0,2%) para 0,2% (± 0,2%).

Os estoques de varejo de maio, ajustados pelas variações sazonais, mas não pelas variações de preço, foram estimados em US $ 604,5 bilhões no final do mês, queda de 6,1% (± 0,2%) em relação a abril de 2020 e queda de 9,5% (± 0,5%) em relação ao final do mês de maio de 2019. A alteração percentual de março de 2020 a abril de 2020 foi revisada de 3,7% (± 0,2%) para diminuir 3,8% (± 0,2%).

BRASIL

No Brasil, a influência do resultado de -26,08% no preço das passagens aéreas, a prévia da inflação de junho ficou em 0,02%, o menor resultado para o mês desde 2006, quando a taxa tinha sido de -0,15%. O grupo dos Transportes (-0,71%) representou o maior impacto negativo, contribuindo com -0,14 ponto percentual no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), divulgado hoje (25) pelo IBGE.

Em 12 meses, o índice alcançou 1,92%, abaixo dos 1,96% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Com o resultado, o IPCA-E (IPCA-15 acumulado trimestralmente) ficou em -0,58%, menor taxa nesse indicador desde setembro de 1998.

Todas as áreas pesquisadas tiveram deflação nos preços das passagens aéreas, desde -34,37% em Belém até -15,85% em Fortaleza. Ainda no grupo dos Transportes, os combustíveis (-0,34%) caíram pelo quarto mês seguido. Após ter registrado -8,51% em maio, a gasolina teve variação negativa de 0,17%. Também registraram quedas de preços o óleo diesel (-4,39%) e o etanol (-0,49%), enquanto o gás veicular teve alta de 0,84%, contra -1,21% em maio.

No Brasil, o Índice de Confiança da Construção (ICST), da Fundação Getulio Vargas, apresentou em junho a maior variação positiva da série histórica, 9,1 pontos, ao atingir 77,1 pontos. Apesar da melhora da confiança pelo segundo mês consecutivo, apenas recupera 43% das perdas ocorridas entre março e abril.

Neste mês, o avanço do ICST decorre da melhora da percepção dos empresários em relação à situação atual e do pessimismo em relação aos próximos meses. O Índice de Expectativas (IE-CST) subiu 13,5 pontos para 83,2 pontos. Apesar de novamente apresentar a maior variação mensal da série histórica, o IE-CST ainda se encontra 21,0 pontos abaixo do valor observado em janeiro (104,2 pontos). Os indicadores de demanda prevista e tendência dos negócios apresentaram alta semelhante (13,5 pontos e 13,6 pontos, respectivamente), e permanecem em nível parecido: 83,1 pontos e 83,5 pontos.

No Brasil, o Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) variou 0,32% em junho, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando o índice registrou taxa de 0,21%. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 0,45% em maio para 0,68% em junho. O índice referente à Mão de Obra não variou pelo terceiro mês consecutivo.

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, a taxa correspondente a Materiais e Equipamentos subiu 0,81%, contra 0,56% no mês anterior. Três dos quatro subgrupos componentes apresentaram acréscimo em suas taxas de variação, destacando-se materiais para instalação, cuja taxa passou de 0,89% para 2,29%.

ÁSIA

No Japão, o índice de atividade industrial foi de 93,5, queda de 6,4% em relação ao mês anterior e queda de 11,8% no ano. O índice de atividade de construção em abril de 2020 foi de 108,2, estável (0,0%) m/m e está em 94,3% no ano. A queda é de 3,2% no comparativo anual. Os dados são do Governo do Japão.

Deixe um comentário