Confira os Indicadores Econômicos de hoje (01/07)

LinkedIn

 

BRASIL

No Brasil, os preços da indústria subiram 1,22% em maio frente ao mês anterior, maior resultado desde maio de 2019, quando registrou 1,39%. Os dados são do Índice de Preços ao Produtor (IPP), divulgado hoje pelo IBGE. É o décimo aumento consecutivo do indicador, que mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação. Com o resultado de maio, o acumulado no ano atinge 3,37%. Já nos últimos 12 meses a inflação da indústria foi de 4,60%.

O gerente da pesquisa, Alexandre Brandão, explica que a desaceleração na queda do preço do petróleo e o aumento no preço dos alimentos foram os fatores que mais influenciaram o índice de maio. “Em abril, tivemos uma queda muito grande em refino de petróleo (-20,61%) e em maio continuou havendo uma queda, mas foi muito menor (-5,78%), enquanto os outros setores não apresentaram muita diferença entre esses dois meses. Alimentos, que é o setor mais importante, já vinha de um aumento de preços e agora aumentou mais. Então esses dois movimentos levaram o índice a 1,22%”, analisa. Em abril, o índice geral foi 0,11%.

No Brasil, o IPC-S de 30 de junho de 2020 subiu 0,36%, ficando 0,27 ponto percentual (p.p) acima da taxa registrada na última divulgação. Com este resultado, o indicador acumula alta de 0,55% no ano e 2,22% nos últimos 12 meses.

Nesta apuração, sete das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Transportes (0,32% para 1,05%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item gasolina, cuja taxa passou de 0,69% para 3,28%.

No Brasil, o Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) subiu 14,9 pontos em junho, para 80,4 pontos, após avançar 9,8 pontos no mês anterior. O índice se mantém em patamar historicamente baixo mas com a alta do bimestre maio-junho recupera 61% das perdas do bimestre março-abril.

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pela FGV IBRE: Indústria, Serviços, Comércio e Construção.

No Brasil, a pesquisa contratada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com 402 executivos de indústrias de médio (50 a 249 empregados) e grande porte (250 ou mais empregados), em todos os estados, mostra que cerca de sete (69%) em cada dez empresas perderam faturamento recentemente por causa da pandemia provocada pelo novo coronavírus.

Dos executivos que responderam à pesquisa, feita por telefone entre 18 e 26 de junho, 16% disseram que o faturamento ficou igual, e 14% afirmaram que aumentou. Não é apresentado cruzamento sobre a situação do faturamento das empresas e os subsetores da indústria.

Conforme o levantamento, a queda do faturamento foi indicada proporcionalmente mais entre executivos de grandes empresas (76%) do que entre entrevistados das médias empresas (68%).

EUROPA

Na Europa, em linha com o contínuo alívio das restrições globais à doença por coronavírus (COVID-19) à atividade econômica, a forte desaceleração da economia industrial da Zona do Euro continuou a diminuir em junho. O índice PMI de Manufatura do IHS Markit Eurozone, ajustado sazonalmente, foi reforçado para uma alta de 47,4 em quatro meses, ante 39,4 em maio e uma melhoria na leitura anterior do flash. Com um aumento de 08 pontos desde maio, o PMI se recuperou ainda mais do que em abril. No entanto, o índice principal registrou agora menos de 50,0 por 17 meses consecutivos e permanece consistente com o setor enfrentando desafios operacionais.

No Reino Unido, os preços da habitação caíram 1,4% no mês de junho, depois de considerar os efeitos sazonais, depois de uma queda de 1,7% em maio. Com ajuste sazonal, os preços das casas em junho ficaram 3,2% inferiores aos de abril. O crescimento anual dos preços da habitação desacelerou para -0,1%, ante 1,8% em maio. É a primeira vez que o crescimento anual dos preços da habitação está em território negativo desde dezembro de 2012. Os dados são da Sociedade Nacional dos Corretores de Imóveis do Reino Unido.

No Reino Unido, o índice PMI de Manufatura do IHS Markit / CIPS, com ajuste sazonal, subiu para 50,1 em junho, acima dos 40,7 em maio e inalterado em relação à estimativa instantânea. Embora o aumento de 9,4 pontos mês a mês no PMI tenha batido o recorde de maio (8,1), a leitura estava apenas ligeiramente acima da marca neutra de 50,0, indicando uma estabilização.

Na Alemanha, as vendas no varejo ficaram em alta de 13,9% em relação ao mês anterior (em termos reais, calendário e sazonalmente ajustado, provisório), alta de 13,4% em relação ao mês anterior (em termos nominais, calendário e dessazonalizados, provisório), alta de 3,8% no mesmo mês do ano anterior (em termos reais, provisórios), alta de 4,6% no mesmo mês do ano anterior (em termos nominais, provisórios). Os dados provisórios no comércio varejista em maio de 2020, em termos reais, 3,8% e em termos nominais, 4,6% superior a maio de 2019. O número de dias abertos para a venda foi de 24 em maio de 2020 e 25 de maio de 2019. Os números são do Destatis.

Na Espanha, o índice PMI de Manufatura do IHS Markit manteve sua recente tendência de alta durante junho, atingindo um nível de 49,0, de 38,3 em maio.

Na Itália, o índice PMI de Manufatura do IHS Markit Itália ficou em 47,5 em junho, para assinalar a 21ª primeira deterioração sucessiva na saúde do setor manufatureiro italiano. A figura de 45,4 em maio, no entanto, para indicar a taxa mais baixa de declínio por quatro meses.

Na França, o índice PMI de Manufatura do IHS Markit subiu para 52,3 em junho, ante 40,6 em maio. A leitura indicou a primeira melhoria nas condições operacionais desde janeiro, após três meses de declínio grave devido à crise do coronavírus.

Na Alemanha, o índice PMI de Manufatura do IHS Markit aumentou acentuadamente de 36,6 em maio para uma alta de três meses em 45,2. No entanto, o índice ainda estava abaixo o nível 50,0 que separa o crescimento da contração, como foi o caso desde o início de 2019.

Na Alemanha, o número de pessoas desempregadas subiu menos do que o esperado em junho, mostraram dados na quarta-feira, acalmando os temores de que a pandemia de coronavírus estivesse corroendo o mercado de trabalho na maior economia da Europa. O Ministério do Trabalho disse que 69 mil pessoas estavam desempregadas, em termos dessazonalizados, elevando a taxa de desemprego para 6,4%, ante 6,3% no mês anterior. Isso significava que 2.943 milhões de pessoas estavam desempregadas em junho.

 

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, o emprego no setor privado aumentou em 2.369 milhões de maio a junho, de acordo com o relatório da empresa de processamento ADP National Employment Report. As contratações para pequenas empresas aumentaram no mês de junho.

O total realmente representou um declínio em relação ao mês anterior, que sofreu uma revisão dramática para 3.065 milhões. A ADP disse inicialmente que em maio houve uma perda de 2.76 milhões. No entanto, o Departamento do Trabalho, dois dias depois, registrou um ganho de 2.5 milhões em maio, número que era muito melhor do que a estimativa de Wall Street de uma perda de 8 milhões.

Durante o mês, as contratações foram especialmente fortes no setor de lazer e hospitalidade, que sofreu o maior impacto, pois as medidas destinadas a conter a disseminação do coronavírus significaram o fechamento da maioria dos bares e restaurantes do país. O setor adicionou 961.000, de longe o maior ganho em qualquer setor.

Além dos grandes ganhos em hospitalidade, a construção – outro setor atingido – adicionou 394.000 e a fabricação aumentou 88.000. O setor de bens no total registrou um ganho líquido de 457.000 posições.

Nos Estados Unidos, os cortes de empregos anunciados pelos empregadores norte-americanos atingiram 1.238.364 no segundo trimestre, o maior total trimestral já registrado, de acordo com um relatório mensal divulgado pela empresa global de outplacement e coaching de negócios e coaching Challenger, Gray & Christmas, Inc.

Os cortes de empregos em junho totalizaram 170.219, queda de 57% em relação ao total de 397.016 de maio e aumento de 306% em relação aos 41.977 cortes registrados no mesmo mês do ano passado. Antes do início dos cortes, isso em março, o total mensal foi o mais alto desde fevereiro de 2009, quando foram anunciados 186.350 cortes.

Os cortes no segundo trimestre aumentaram 257% em relação aos 346.683 registrados no primeiro trimestre deste ano e 781% em relação aos 140.577 registrados no mesmo trimestre do ano passado. Esse resultado é 108% superior ao total trimestral recorde anterior de 594.326 cortes que o Challenger acompanhou no terceiro trimestre de 2001.

Até agora, este ano, os empregadores anunciaram 1.585.047 cortes, 379% superior aos 330.987 cortes registrados em janeiro-junho de 2019. Esse resultado é 77% superior ao registrado anteriormente de janeiro-junho em 896.675 rastreados em 2009.

Nos Estados Unidos, o índice PMI de Manufatura do IHS Markit registrou 49,8 em junho, um aumento recorde de 10,8 pontos em relação a 39,8 em maio, para sinalizar a desaceleração geral da fabricação. O último número também foi ligeiramente superior à leitura ‘flash’ lançada anteriormente de 49,6.

Nos Estados Unidos, a atividade econômica no setor de manufatura cresceu em junho, com a economia geral atingindo um segundo mês de crescimento depois de um mês de contração, afirmaram os executivos de suprimentos do país no mais recente relatório ISM. O PMI® de junho registrou 52,6%, um aumento de 9,5 pontos percentuais em relação à leitura de maio de maio de 43,1%. Este valor indica expansão da economia geral pelo segundo mês consecutivo após a contração de abril.

Nos Estados Unidos, os gastos com projetos de construção caíram 2,1% em maio, a uma taxa anual de US $ 1,36 trilhão, com ajuste sazonal, informou o Departamento de Comércio. Os gastos em abril foram revisados para uma queda de 3,5% em relação à estimativa anterior de uma queda de 2,9%. A construção residencial caiu 3,9% em maio, enquanto os gastos com obras públicas aumentaram 1,2%.

 

ÁSIA

Na China, o índice de Gerentes de Compras – PMI de Manufatura da China, sazonalmente ajustado, aumentou de 50,7 em maio para 51,2 em junho, para sinalizar uma segunda melhoria mensal sucessiva na saúde do setor. Embora modesta, a taxa de melhoria foi a mais forte registrada desde dezembro de 2019.

No Japão, o índice Gerente de Compras – PMI do Jibun Bank Manufacturing Compras – um indicador composto sobre o desempenho da fabricação – subiu ligeiramente para 40,1 em junho, de 38,4 em maio. Apesar do aumento, o índice permaneceu visivelmente abaixo da marca de 50,0 de não mudança e, portanto, indicou uma deterioração adicional na saúde do setor produtor de mercadorias.

No Japão, as expectativas de que o Índice de Manufatura Grande de Tankan caia de -8 para -31 ante a leitura anterior, o pior desempenho desde a recessão 2008. No entanto, a percepção é de que a situação entre as grandes empresas japonesas estava caindo na mesma proporção desde o final de 2017.

As projeções do Tankan Large Manufacturing não estão muito ruins, chegando em -24. Isso é comparado à queda de 11 na versão anterior. Novamente, porém, este é o pior resultado desde a última recessão. No entanto, pode ser um sinal de que há otimismo a médio prazo.

Na Austrália, as estimativas preliminares para junho indicam que o índice de commodities aumentou 1,5% (em uma base média mensal) em termos de DSE, depois de aumentar 1,1% em maio (revisado). Os subíndices não rural, rural e de metais básicos aumentaram no mês. Em termos de dólar australiano, o índice diminuiu 3,1% em junho. No ano passado, o índice diminuiu 11,4% em termos de DSE, liderado por preços mais baixos de carvão, minério de ferro, petróleo e GNL. O índice diminuiu 11,2% em dólares australianos. Os dados são do Governo Australiano.

Deixe um comentário