Confira os Indicadores Econômicos desta quarta-feira (15/07)

LinkedIn

BRASIL

No Brasil, o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) subiu 1,91% em julho. No mês anterior, o índice havia apresentado taxa de 1,55%. Com este resultado, o índice acumula alta de 6,55% no ano e de 8,57% em 12 meses. Em julho de 2019, o índice subira 0,61% no mês e acumulava elevação de 6,23% em 12 meses.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subiu 2,54% em julho. No mês anterior, o índice havia registrado taxa de 2,35%. Na análise por estágios de processamento, os preços dos Bens Finais variaram de 1,95% em junho para 1,02% em julho. A principal contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de 2,89% para -11,63%. O índice relativo a Bens Finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, subiu 1,45% em julho. No mês anterior, a taxa havia sido 1,10%.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 0,62% em julho, ante 0,21% em junho. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de junho para julho: Materiais e Equipamentos (0,52% para 0,97%), Serviços (0,17% para 0,10%) e Mão de Obra (0,00% para 0,47%).

No Brasil, o saldo da balança comercial no valor de US$ 7,5 bilhões foi o maior na série histórica do mês de junho. O resultado é explicado pela acentuada queda nas importações (19,8% entre os meses de junho de 2019 e 2020) e não por uma melhora nas exportações, que caíram 2,7%. No acumulado do primeiro semestre, o superávit foi de US$ 22,3 bilhões, o menor desde 2016.

Os índices elaborados pelo FGV IBRE, entretanto, mostram uma história diferente para as exportações, que cresceram 13,1% na comparação interanual de volume até junho. Assim o que puxou o valor para baixo foi a queda nos preços em 14,0%. No caso das importações, o recuo no volume de 14,2% e nos preços (-6,5%) levou à retração acentuadas das compras externas, como antes mencionado.

ÁSIA

No Japão, o Banco Central estimou que a economia do país poderá recuar 4,7% no ano fiscal de 2020, apesar dos sinais recentes de recuperação gradual. A estimativa, divulgada em um relatório trimestral, é a mediana das previsões de todos os membros do Conselho de Política do BoJ, que variaram de menos 4,5% a menos 5,7%. A variação representou um agravamento da estimativa de abril de uma contração entre 3,0% e 5,0%.

O banco central pareceu mais otimista em relação ao crescimento no próximo ano fiscal e além, prevendo que a contração poderia ser seguida por uma expansão de 3,3% no ano fiscal de 2021 e de 1,5% em 2022. O ano fiscal japonês termina em março.

As previsões de crescimento dos membros do Conselho de políticas melhoraram para entre 3,0% e 4,0%, de entre 2,8% e 3,9% para 2021, e para 1,3% e 1,6%, entre 0,8% e 1,6% para 2022. Prevê-se que a inflação do consumidor principal caia 0,5% no ano fiscal de 2020, antes de se recuperar 0,3% no fiscal de 2021 e 0,7% no fiscal de 2022.

O BoJ manteve a meta de rentabilidade de títulos do governo a 10 anos em 0,00% e manteve a taxa de juros inalterada em -0,1%, como amplamente esperado. Foram 8 votos a favor e 1 contra.

Na Austrália, o índice Westpac-Melbourne Institute de opinião do consumidor caiu 6,1%, para 87,9 em julho, ante 93,7 em junho. A queda na confiança reverte todos os ganhos impressionante, levando o Índice de volta aos níveis fracos visto em maio, mas ainda deixando 16% acima do extremo de abril baixo de 75. O sentimento foi abalado pelo ressurgimento em de casos de coronavírus no último mês. Depois da média de cerca de 10 por dia até o final de maio e início de junho, o número atingiu cerca de 200 por dia na semana da pesquisa de julho.

EUROPA

No Reino Unido, o Índice de Preços ao Consumidor, incluindo a taxa de inflação de 12 meses dos custos dos moradores (CPIH), foi de 0,8% em junho de 2020, ante 0,7% em maio de 2020. A maior contribuição para a taxa de inflação de 12 meses do CPIH em junho de 2020 veio do lazer e cultura (0,32 pontos percentuais). O aumento dos preços de jogos e roupas resultou nas maiores contribuições ascendentes para a variação da taxa de inflação nos últimos 12 meses do CPIH entre maio e junho de 2020. A queda dos preços dos alimentos resultou em uma contribuição descendente parcialmente compensadora para a mudança. Os dados são do Governo Britânico.

No Reino Unido, a taxa básica de inflação da produção para os produtos que saem do portão da fábrica foi negativa em 0,8% no ano até junho de 2020, acima dos 1,2% negativos em maio de 2020. O preço dos materiais e combustíveis utilizados no processo de fabricação apresentou um crescimento negativo de 6,4% no ano até junho de 2020, acima do crescimento negativo de 9,4% em maio de 2020. Os derivados de petróleo deram a maior contribuição positiva para a mudança na taxa anual de inflação do produto. Os dados são do Governo Britânico.

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, a Atividade Empresarial aumentou nos Estados de Nova York pela primeira vez em vários meses, de acordo com as empresas que responderam a Pesquisa de Fabricação do Empire State 2020. A manchete das condições gerais de negócios subiu para 17,2, sua primeira leitura positiva desde fevereiro. Novos pedidos e remessas também aumentaram e pedidos não atendidos foram menores. Os prazos de entrega foram um pouco mais longos e os estoques caíram. Os níveis de emprego e a semana de trabalho média foram mudaram muito pouco. Os aumentos de preços não foram muito diferentes do mês passado, enquanto os preços de venda caíram. Empresas permaneceram otimista sobre as perspectivas para os próximos seis meses, embora menos do que em junho.

Nos Estados Unidos, o índice de preços para as importações subiu 1,4% em junho, informou o Departamento de Análises Econômicas, depois de um aumento de 0,8% em maio. Os avanços de junho e maio foram impulsionados pelos preços dos combustíveis. Os preços de exportação dos Estados Unidos também aumentaram 1,4% em junho, depois de avançar 0,4% no mês anterior. Os preços das importações aumentaram 1,4% em junho, depois de subir 0,8% no mês anterior. O avanço de junho foi liderado pelo aumento dos preços dos combustíveis e foi o maior aumento mensal desde que o índice subiu 1,4% em março de 2012.

Nos Estados Unidos, a produção industrial aumentou 5,4% em junho, depois da expansão de 1,4% em maio, mostraram os dados publicados pelo Federal Reserve. Essa leitura foi superior à expectativa de mercado de 4,3%. Mais detalhes do relatório revelaram que a produção industrial aumentou 7,2% em junho e a capacidade de utilização melhorou de 65,1% para 68,6%. O Índice do Dólar, que acompanha o desempenho da moeda americana em uma cesta das seis principais moedas, ignorou esses números e foi visto pela última vez perdendo 0,35% no dia a 95,84.

Nos Estados Unidos serão apresentados os Estoques de Petróleo e o Livro Bege do Federal Reserve.

Confira os Indicadores Econômicos desta terça-feira (14/07)

Deixe um comentário