Bom dia ADVFN - Mercado perde o fôlego após novos recordes em Wall Street

LinkedIn
Esse é o Bom dia, Investidor! 26 de agosto de 2020, com tudo o que você precisa saber antes da Bolsa abrir!
Apesar dos principais índices de Wall Street terem alcançado novos recordes mais uma vez, os mercados parecem não mostrar fôlego para continuar a alta no dia de hoje. O pregão europeu e os futuros americanos abriram sem direção única e com oscilações estreitas.
Os investidores estão mais cautelosos em meio a novos surtos de Covid-19, enquanto aguardam o discurso do presidente do Banco Central norte-americano, o Fed, na quinta-feira.
Na Ásia, as bolsas de Tóquio e de Hong Kong fecharam estáveis, enquanto Xangai caiu mais de 1%.
O petróleo oscila em baixa, um dia após fechar no maior nível em cinco meses em meio à proximidade da temporada de furacões no Golfo do México
Os futuros internacionais de petróleo WTI (NYMEX:CL\V20) estão sendo negociados a US$ 4333, queda de -0,2%. O Brent (NYMEX:BZ\V20) opera estável com leve alta de +0,1%, negociado a US$ 45,90.
Bitcoin (COIN:BTCUSD) é negociado a US$ 11.365. O ouro (COMEX:GC\Q20) é negociado a US$ 1.919 por onça-troy.
Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam em alta de 0,73%, cotados a 828.500 iuanes, equivalente hoje a US$ 120,22.

Acompanhe o preço do Ouro, Petróleo, Bitcoin, bolsas internacionais e muito mais em um único lugar e em tempero real: Monitor ADVFN

Conheça o Telegram ADVFN e fique por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro. 

Coronavírus

O mundo registra 23.914.866 de casos de coronavírus e 819.830 mortes, confirmadas hoje pela Universidade Johns Hopkins.

O Brasil registrou 1.271 novas mortes e 47.134 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas. O total de óbitos desde o início da pandemia chegou a 116.580. O país completou seis meses da confirmação do primeiro caso do coronavírus.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) testou positivo para o covid-19. A informação foi confirmada por sua assessoria de imprensa e pelo próprio senador, pelo Twitter. O filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro afirmou que passa bem e não tem sintomas.

TRENDS ADVFN: Como as pandemias afetaram as bolsas de valores na história

Brasil

O adiamento do plano econômico do ministro Paulo Guedes em meio a divergências com o presidente Jair Bolsonaro sobre o Renda Brasil deu um sinal negativo para o mercado, agravado pela ausência de Paulo Guedes no lançamento do programa Casa Verde Amarela ou o apelido que Bolsonaro deu ao presidente da Caixa, Pedro Guimaraes, “PG2”.

Em meio à difícil equação para conciliar a agenda eleitoral do presidente e a responsabilidade fiscal, tudo vira sinal de fumaça. O medo de que o ministro da Economia esteja sendo fritado acende o sinal de alerta. E a demora na definição das medidas revela o impasse no governo.

Poderes

O plenário do Senado aprovou, em primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria o novo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação), fundo que financia a educação básica…

A Câmara pode votar o Novo Marco do Gás, após o presidente da Casa, Rodrigo Maia, retificar a pauta semanal para incluir a proposta. Outra matéria que pode ser analisada pelos deputados é a Lei de Falências, com regime de urgência aprovado na semana anterior…

O que a Lei do Gás pode interferir nos seus investimentos?

Justiça

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) arquivou uma ação movida pela defesa do ex-presidente Lula contra o procurador Deltan Dallagnol. O ex-presidente vai levar a decisão ao Superior Tribunal de Justiça (STF) e ao Supremo Tribunal Federal (STF)…

Economia

O Senado aprovou hoje o convite para que o ministro da Economia, Paulo Guedes, explique, em audiência pública, suas declarações, dadas após o Senado votar para derrubar o veto que impedia aumento de salários para servidores até 2021. Guedes afirmou que se tratava de “um crime contra o país”…

Agenda Econômica

Mais uma sondagem, desta vez, sobre a confiança na construção civil, será conhecida no Brasil. Também merecem atenção as divulgações do BC sobre o setor externo e o fluxo cambial. No exterior, saem os pedidos de bens duráveis e os estoques semanais de petróleo nos EUA.

🗓 AGENDA ECONÔMICA 🗓 26/08

🇧🇷 INCC Mensal (08h00)
🇺🇸 Pedidos de Bens Duráveis (09h30)
🇺🇸 Variação de estoques de petróleo EIA (11h30) ⭐️
🇧🇷 Fluxo cambial semanal (14:30)
💰🇧🇷💰 RESULTADO TRIMESTRAL 💰🇧🇷💰

🇧🇷 Yduqs (YDUQ) – após o fechamento

 

Aviso ao acionista

Proventos Hoje

Data “Com” – Irani negociada como data “Com”…

Data “Ex” – Nenhuma empresa negociada data “Ex”…

Pagamentos – AES Tietê (TIET), NotreDame (GNDI), Itaú Unibanco (ITUB), Itaúsa (ITSA), Taesa (TAEE) e Energisa (ENGI) agendados para hoje…

Ibovespa e dólar ontem

O Ibovespa recuou 0,18% a 102.117 pontos, pressionado pela Vale e outras exportadoras, como Suzano e JBS, que perdem com valorização do real. Volume financeiro foi de R$ 23,3 bilhões.

Maiores altas do Ibovespa

LREN3 +4,29% R$ 43,79
HGTX3 +3,63% R$ 17,98
RAIL3. +3,26% R$ 23,14
CMIG4 +3,24% R$ 11,15
CSNA3 +3,02% R$ 14,99

Maiores baixas do Ibovespa

BRKM5 -3,43% R$ 23,37
CIEL3 -3,18% R$ 4,87
BPAC11 -2,84% R$ 81,02
JBSS3 -2,69% R$ 23,86
AZUL4 -2,66% R$ 21,96

TRENDS ADVFN: Será que é a hora de investir em ENERGIA?

Dólar

O dólar comercial caiu 1,16%, a R$ 5,5272, com fluxo, petróleo em alta e fraqueza da moeda americana no exterior, além de recomendação de compra pelo Bank of America para o real, que teve o melhor desempenho entre os emergentes.

Na BMF, o dólar futuro de setembro (BMF:DOLU20) caiu -1,83%, a R$ 5,511 e o Índice Bovespa futuro de outubro (BMF:INDV20) fechou em queda de +1,11%, negociado a 102.440.

O dólar futuro caiu pelo segundo pregão, tombando 1,83% para R$5,511. Também ajudou as contas externas, que registrou superávit de US$1,628 bilhão em julho, o primeiro saldo positivo para o mês desde 2006. O ânimo externo com progressos no acordo comercial entre EUA e China e de tratamentos contra a Covid-19 impulsionaram o apetite por risco no mundo.

O DI para janeiro de 2021 subiu a 1,945%, ante 1,930% no ajuste de ontem.

Fonte: CNN, CNBC, Infomoney, TC, A bula do mercado, Agência Brasil e BDM.

Deixe um comentário