Confira os Indicadores Econômicos desta quarta-feira (05/08/2020)

LinkedIn

ÁSIA

Na China, o índice de Atividade de Negócios do setor de Serviços, com ajuste sazonal, registrou 54,1 pontos em julho ante os 58,4 de junho. Embora abaixo do recorde de mais de 10 anos do mês anterior, o índice novamente sinalizou um aumento acentuado da atividade que estava em linha com a tendência de longo prazo da pesquisa. O resultado estendeu a atual sequência de crescimento para três meses com a economia se recuperando dos efeitos da pandemia de COVID-19. Os dados são do Caixin, o mais tradicional da China.

O crescimento do setor de serviços chinês permaneceu elevado durante julho, com a economia mantendo sua recente recuperação da pandemia da doença de coronavírus 2019 (COVID-19). Embora tenha diminuído em relação às altas de junho, as taxas de crescimento de novos negócios e atividades continuaram fortes, o que ajudou a apoiar a confiança dos negócios. O sentimento sobre os próximos 12 meses foi o mais alto em cinco anos. No entanto, menos positivo, foi outra queda no emprego, pois as empresas procuraram aumentar a produtividade em um momento de custos levemente crescentes, mas diminuíram ainda mais os custos de produção.

EUROPA

Na Europa, o índice da Atividade de Negócios do setor de Serviços da IHS/Markit Eurozone PMI Composto de saída manteve sua recente tendência de alta durante julho, subindo mais de seis pontos no mês, atingindo um nível de 54,9. Isso comparado aos 48,5 pontos de junho e um pouco mais alto do que a leitura anterior do flash (54,8). Além disso, foi a primeira vez que o índice registrou acima da marca de 50,0 sem alterações desde fevereiro e representou a taxa de crescimento mais rápida desde junho de 2018.

Na Alemanha, o índice de Atividades de Negócios do setor de Serviços, ajustado sazonalmente, registrou 55,6 em julho, subindo acentuadamente em relação aos 47,3 de junho e se recuperando ainda mais de um recorde. Os dados são do IHS/Markit.

Na Espanha, o principal índice de Atividades de Negócios do setor de Serviços de julho, ajustado, postou acima da marca de 50,0 sem alterações por um segundo período sucessivo da pesquisa. Em 51,9, o índice também subiu em 50,2 de junho, e seu melhor nível por cinco meses. Os dados são do IHS/Markit.

Na Itália, o índice de Atividades de Negócios do setor de Serviços ficou em 51,6 em julho, passando de 46,4 em junho, para sinalizar a primeira expansão do setor de serviços em cinco meses e um que foi marginal em geral. Os participantes do painel frequentemente associaram o aumento às condições de demanda ligeiramente melhoradas e ao afrouxamento das restrições de bloqueio O indicador recuperou quase 41 pontos depois da baixa sem precedentes de abril. Os dados são do IHS/Markit.

Na França, o índice de Atividades de Negócios do setor de Serviços da IHS Markit, ajustado sazonalmente, ficou em 57,3 em julho, alta de 50,7 em junho. A última leitura apontou a expansão mais rápida da atividade comercial desde abril de 2018.

No Reino Unido, em 56,5 em julho, o índice de Atividade de Negócios do setor de Serviços, sazonalmente ajustado, subiu de 47,1 em junho e sinalizou o ritmo mais rápido de expansão desde julho de 2015. O índice aumentou a cada mês depois de atingir o recorde da pesquisa 13,4 em abril, mas a leitura mais recente foi a primeira a exceder o limite de 50,0 neutro desde o início da pandemia.

Na Europa, em junho de 2020, um mês marcado por algum relaxamento das medidas de contenção de COVID-19 em muitos Estados-Membros, o volume do comércio varejista, ajustado sazonalmente, subiu 5,7% na Zona do Euro e 5,2% na União Europeia, em comparação com maio de 2020, segundo estimativas do Eurostat, o escritório de estatística da União Europeia. No mês de maio de 2020, o volume de comércio a retalho aumentou 20,3% na Zona do Euro e 18,3% na UE. Isso significa que os volumes do comércio varejista em ambas as zonas retornaram aos níveis registrados em fevereiro de 2020, antes do início das medidas de contenção por conta do vírus.

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, o emprego no setor privado aumentou 167 mil entre junho e julho, de acordo com o ADP National Employment Report divulgado hoje. O relatório, que é derivado dos dados reais da folha de pagamento da ADP, mede a mudança no emprego privado não-agrícola total a cada mês, com ajuste sazonal.

Nos Estados Unidos, o Census Bureau e o Departamento de Análises Econômicas anunciaram hoje que o déficit de bens e serviços foi de US $ 50,7 bilhões em junho, uma queda de US $ 4,1 bilhões em relação a US $ 54,8 bilhões em maio.

As exportações de junho foram de US $ 158,3 bilhões, US $ 13,6 bilhões a mais que as exportações de maio. As importações de junho foram de US $ 208,9 bilhões, US $ 9,5 bilhões a mais do que as importações de maio. A queda de junho no déficit de bens e serviços refletiu uma redução no déficit de bens de US $ 4,0 bilhões para US $ 72,2 bilhões e um aumento no excedente de serviços de US $ 0,1 bilhão para US $ 21,5 bilhões.

No acumulado do ano, o déficit de bens e serviços caiu US $ 23,1 bilhões, ou 7,8%, em relação ao mesmo período de 2019. As exportações recuaram US $ 199,1 bilhões ou 15,7%. As importações caíram US $ 222,3 bilhões, ou 14,2%.

Nos Estados Unidos, o índice da Atividade de Negócios do setor de Serviços, da IHS Markit, registrou 50,0 no início do terceiro trimestre, 47,9 em junho e melhorando a estimativa ‘flash’ de 49.6, para sinalizar uma estabilização. Os dados mais recentes encerraram uma sequência de cinco meses de contração, com o índice de Atividade Empresarial subindo pela terceira vez consecutiva no mês desde o recorde mínimo de abril (26,7).

Nos Estados Unidos, a atividade econômica no setor de Serviços (formalmente não industrial) cresceu em julho pelo segundo mês consecutivo, dizem os executivos de compras e suprimentos do país no mais recente relatório ISM. O PMI de Serviços registrou 58,1%, 1 ponto percentual a mais que em junho leitura de 57,1%. Essa leitura representa um crescimento no setor de serviços pelo segundo mês consecutivo após a contração em abril e maio, precedido por um período de expansão de 122 meses.

Nos Estados Unidos foram apresentados os Estoques de Petróleo.

BRASIL

No Brasil, o índice de Atividade de Negócios do setor de Serviços – IHS Markit fortaleceu em julho registrando 42,5, acima do valor de 35,9 observado em junho. Apesar de o índice ter atingido um recorde de alta de cinco meses, e ter obtido a melhor leitura na sequência atual de contração, o grau de queda da atividade foi, mais uma vez, considerável.

O setor brasileiro de serviços permaneceu preso numa profunda recessão em julho, já que a pandemia do coronavírus continuou a pesar fortemente na demanda e na atividade do mercado. Os volumes de novos trabalhos e de atividade de negócios caíram acentuadamente, com a carência de negócios levando as empresas a reduzirem novamente o número de funcionários ao longo do mês. O clima de negócios difícil também levou a uma pressão contínua sobre a lucratividade. Ao mesmo tempo em que os provedores de serviços continuaram a reduzir os seus preços cobrados, as despesas operacionais cresceram acentuadamente.

No Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) de julho subiu 0,50%, ficando 0,17 ponto percentual (p.p.) acima de junho quando o índice registrou taxa de 0,33%. Com este resultado, o indicador acumula alta de 1,66% no ano e 3,08% nos últimos 12 meses.

Em julho o IPC-BR variou 0,49%. A taxa do indicador nos últimos 12 meses ficou em 2,40%, nível abaixo do registrado pelo IPC-C1.

Nesta apuração, quatro das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação: Habitação (0,07% para 0,90%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,11% para 0,54%), Transportes (1,03% para 1,12%) e Despesas Diversas (0,10% para 0,25%). Nestas classes de despesa, vale destacar o comportamento dos itens: tarifa de eletricidade residencial (-0,88% para 2,33%), artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,64% para 0,52%), serviço de reparo em automóvel (0,12% para 0,94%) e conserto de bicicleta (0,51% para 1,57%).

Em contrapartida, os grupos Alimentação (0,53% para 0,13%), Comunicação (0,72% para 0,40%), Educação, Leitura e Recreação (-0,37% para -0,61%) e Vestuário (-0,10% para -0,25%) apresentaram recuo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, vale citar os itens: hortaliças e legumes (-3,07% para -12,48%), combo de telefonia, internet e tv por assinatura (2,12% para 1,02%), cursos formais (-1,05% para -1,55%) e roupas (-0,14% para -0,40%).

Fonte Último Instante

Deixe um comentário