Confira os Indicadores Econômicos desta sexta-feira (07/08/2020)

LinkedIn

ÁSIA

Na China, a balança comercial para julho, em termos de yuan, chegou a CNY 442,23 bilhões, contra os CNY 264,99 bilhões esperados e CNY 328,94 bilhões no último trimestre. O resultado em dólares ficou em US $ 62,33 bilhões, passando de US $ 46,2 bilhões em junho. Os dados divulgados são da Administração Aduaneira Chinesa.

As exportações de julho subiram 10,4%, ante a alta de 2,3% esperados e alta de 4,3% no último trimestre. As importações subiram 1,6%, ante a queda de 0,7% esperados e ante a alta de 6,2%.

As importações contraíram 1,4% em relação ao ano anterior, pior do que as previsões dos analistas em termos de dólares.

O aumento nas exportações ocorre depois de um mês melhor do que o esperado em junho, quando as exportações voltaram a um crescimento menor em 0,5%. No entanto, as importações recuaram após um crescimento de 2,7% em junho, mostrou a Bloomberg.

Os cálculos do South China Morning Post, com base nos dados alfandegários, mostraram que as exportações da China para os Estados Unidos aumentaram 12,5% em julho, enquanto as importações dos Estados Unidos aumentaram 3,6%, apesar da pressão de Pequim para fazer compras astronômicas de produtos americanos.

No Japão, os gastos das famílias japonesas caíram 1,2% em junho em relação ao ano anterior, pelo nono mês consecutivo, mas mostraram sinais de recuperação de quedas registradas devido à pandemia de coronavírus, mostraram dados do Governo nesta sexta-feira. O declínio foi reduzido significativamente em comparação com uma queda de 16,2% em maio, a maior desde que dados comparáveis ​​foram disponibilizados em janeiro de 2001 e uma queda de 11,1% em abril, que também era um recorde na época, segundo o Ministério de Assuntos Internos e Comunicações.

EUROPA

Na Alemanha, em junho de 2020, a produção industrial cresceu 8,9% em relação ao mês anterior, ajustada sazonalmente e por calendário, de acordo com dados provisórios do Departamento Federal de Estatística (Destatis). Em relação a junho de 2019, a queda na produção ajustada do calendário na indústria foi de 11,7%. Em junho de 2020, a produção na indústria, excluindo energia e construção, aumentou 11,1%. Na indústria, a produção de bens intermediários apresentou um aumento de 5,0%. A produção de bens de consumo aumentou 7,3% e a produção de bens de capital 18,3%.

Na Alemanha, a exportação de mercadorias ficou em € 96,1 bilhões e importação em € 80,5 bilhões em junho de 2020. Com base em dados provisórios, o Departamento Federal de Estatística (Destatis) também informou que as exportações caíram 9,4% e as importações 10,0% em na relação com maio de 2020, quando as exportações aumentaram 14,9% e as importações 7,0% após o calendário e com o ajuste sazonal. Para as exportações, esse foi o maior aumento mensal após o calendário e o ajuste sazonal desde o início da série histórica em agosto de 1990.

Na França, em junho de 2020, a produção continuou se recuperando na indústria de transformação (+ 14,4%, após + 22,2% em maio), e em toda a indústria (+ 12,7%, após + 19,9% em maio). Comparado a fevereiro (o último mês antes do início do bloqueio geral), a produção, no entanto, diminuiu na indústria de transformação (12,4%), bem como em toda a indústria (11,0%). Em comparação com junho de 2019, a produção também diminuiu na indústria de transformação (‘12,5%), bem como em toda a indústria (11,7%).

Na França, entre o final de março e o final de junho de 2020, o emprego na folha de pagamento do setor privado caiu 0,6%, ou 119.400 perdas líquidas de empregos, depois de de menos 497.500 no trimestre anterior. Em um ano, o emprego caiu 2,5%, ou seja, menos 480.800 empregos. O resultado retorna a um nível comparável ao do final de junho de 2017. No campo chamado “mercado não agrícola” (indústria, construção e serviços de mercado), o emprego na folha de pagamento foi medido em séries trimestrais desde o final de 1970. No segundo trimestre de 2020, caiu 0,6% nesse campo, depois da queda 2,8% no trimestre anterior, ou seja, -3,4% no semestre.

Na França, no segundo trimestre de 2020, o efeito da crise de saúde Covid-19 e da contenção nos fluxos comerciais intensificou-se claramente: as exportações caíram 28,9% (após – 7,3% no 1º trimestre de 2020) e as importações 20,7% (após – 6,4%). No total, o saldo aumentou € 6,9 bilhões em relação ao trimestre anterior. A forte queda nos preços do petróleo, que atingiu o mínimo em abril, mas também a queda nas necessidades de suprimento de petróleo, levaram a uma clara redução do déficit de energia em € 3,9 bilhões (CAF / FOB).

Por outro lado, o déficit de fabricação dobrou, o saldo caiu de menos € 9,6 bilhões para menos €18,8 bilhões. A queda nas exportações francesas é generalizada para todos os produtos, mas o colapso das entregas aeronáuticas está pesando particularmente na balança francesa. Ao mesmo tempo, importações maciças de máscaras protetoras contribuem para aumentar o déficit de € 3,7 bilhões.

No Reino Unido, o mini-boom eleva os preços das casas em julho para 1,6% mais que em junho, em uma base mensal. No último trimestre (maio a julho), os preços das casas foram 0,2% inferiores aos dos três meses anteriores (fevereiro a abril). Os preços das casas em julho foram 3,8% maiores que no mesmo mês do ano anterior em £241,604. A incerteza permanece com provável maior pressão descendente sobre os preços no médio prazo, entretanto no ano, a alta é de 1,6%.

Na Itália, em junho de 2020, os dados ajustados sazonalmente, em comparação com maio de 2020, aumentaram 14,4% para os fluxos de saída e 16,1% para os fluxos de entrada. As exportações aumentaram para os países da UE,13,3%, e para países não pertencentes à UE,15,6%. As importações cresceram 14,0% nos países da UE e 19,2% nos países não pertencentes à UE.

Nos últimos três meses, os dados dessazonalizados, em comparação com os três meses anteriores, caíram tanto nas exportações, -24,8%, quanto nas importações, -21,8%. Em junho de 2020, em comparação com o mesmo mês do ano anterior, as exportações e as importações caíram 12,1% e 15,6%, respectivamente.

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, o total de empregos não-agrícolas medido pela folha de pagamento – Payroll – subiu em 1.763 milhão em julho, acima da estimativa de 1.530 milhão, e a taxa de desemprego caiu para 10,2%, informou hoje o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos.

A queda na taxa oficial de desemprego ocorre pelo terceiro mês consecutivo de 11,2% para 11,1% e agora em 10,2%. Os resultados ficaram em linha com as declarações do presidente Donald Trump, que ontem já anunciava que o número seria “grande”. Porém, ainda não foram suficientes para mexer com o mercado financeiro.

“Os resultados melhores no mercado de trabalho refletiram a continuação da retomada da atividade econômica, que havia sido reduzida ante a pandemia de coronavírus e os esforços para conter a propagação”, mostrou o relatório do Departamento do Trabalho.

Para o mês de julho, os ganhos de emprego ocorreram em lazer e hospitalidade, áreas do governo, comércio varejista, serviços profissionais e empresariais, outros serviços e assistência médica.

Com a queda na taxa de desemprego em 0,9 ponto percentual, para 10,2%, o número de pessoas desocupadas ficou em 16,3 milhões, queda em 1,4 milhão. Apesar das quedas nos últimos 3 meses, essas medidas aumentaram 6,7 p.p em 10,6 milhões, respectivamente, desde fevereiro.

A taxa de participação da força de trabalho, de 61,4%, mudou pouco em julho, depois dos aumentos em maio e junho. O emprego total, medido pela pesquisa domiciliar, aumentou 1,4 milhão em julho, para 143,5 milhões. A relação emprego-população subiu 0,5 p.p para 55,1%, mas permanece menor do que em fevereiro (61,1%).

Em julho, o número de pessoas que geralmente trabalharam em período parcial aumentou de 803 mil para 24,0 milhões, enquanto o número que normalmente trabalhava em período integral, em 119,5 milhões, foi pouco alterado.

BRASIL

No Brasil, a inflação de julho ficou em 0,36%, influenciada, principalmente, pelos preços da gasolina e da energia elétrica, os dois itens de maior impacto no mês, e que passaram por reajustes. A taxa é a maior para um mês de julho desde 2016, quando registrou 0,52%. Em comparação com o mês anterior, o aumento foi de 0,10 ponto percentual.

Os dados foram divulgados hoje (7) pelo IBGE e compõem o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No acumulado do ano de 2020, o indicador é de 0,46%, enquanto nos últimos 12 meses é de 2,31%. Em julho de 2019, a taxa havia sido de 0,19%.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, seis apresentaram alta em julho. O maior impacto vem de Transportes, que teve alta de 0,78% e contribuiu com 0,15 p.p. Entre os itens, a gasolina foi o que colaborou com o maior impacto individual (0,16 p.p.) no IPCA do mês, com alta de 3,42%.

Fonte Ultimo Instante

Deixe um comentário