Economática: Vendas têm crescimento no primeiro semestre de 2020 com relação a 2019. O lucro recua em 82% devido à alta do dólar

LinkedIn

O levantamento feito pela economática considera todas as empresas que apresentaram seus resultados, são 218 empresas não financeiras de capital aberto brasileiras que apresentaram seus resultados à CVM.

Na amostra foram excluídas seis empresas que devido ao alto nível de variação do lucro entre 2020 e 2019 distorceria a amostra geral.

As empresas que não fazem parte da amostra na contagem do resultado apresentado na imagem a seguir são Petrobras, Vale, Braskem, Oi Brasil, Azul linhas aéreas e Suzano.

A receita das 218 empresas no primeiro semestre de 2020 é de R$ 785,8 bilhões, valor 7,0 % superior ao do mesmo período de 2019.

O lucro bruto no ano de 2020 é superior em 8,3%, com aumento de 6,5% do CPV.

O lucro EBIT registra queda de 4,45 % devido à alta das despesas e receitas operacionais das 218 empresas.

O resultado financeiro no primeiro semestre de 2020 é de R$ 56,2 bilhões contra R$ 20,9 bilhões no ano de 2019, crescimento de 168,6%. Devemos lembrar que uma das principais componentes das despesas financeiras é o crescimento das dívidas contraídas em moeda estrangeira. No primeiro semestre de 2020 o dólar ptax venda teve valorização de 35,83%, o que influencia pesadamente no resultado financeiro das empresas, já que muitas delas têm suas dívidas tomadas em moeda estrangeira.

Devido ao alto valor do resultado financeiro, que é negativo, o lucro das empresas no primeiro semestre de 2020 é de R$ 8,8 bilhões contra R$ 49,1 bilhões no ano de 2019, queda de 82,0%.

A dívida bruta das empresas no fechamento do primeiro semestre é de R$ 1,00 trilhão, crescimento de 30,2% com relação ao ano de 2019.

O caixa das empresas da amostra registra crescimento de 60%, fechando 2020 com R$ 394,4 bilhões.

A margem bruta no primeiro semestre de 2020 é de 26,44%, crescimento de 0,33 pontos percentuais (p.p.) com relação ao ano de 2019.

A margem Ebit registra queda de 1,22 p.p. em 2020 com relação ao ano de 2019.

A margem líquida em 2020 é de 1,13%, que é 5,57 p.p. menor comparada com o ano de 2019.

Calculamos a rentabilidade sobre o patrimônio acumulado a 12 meses no ano de 2020 e verificamos que este indicador tem queda de 4,58 p.p. com relação ao ano de 2019.

Análise do lucro setorialmente considerando também o setor financeiro

O lucro líquido acumulado por 218 empresas não financeiras no primeiro semestre de 2020 é de R$ 8,85 bilhões, valor 82,0% inferior ao do primeiro semestre de 2019 quando as mesmas empresas lucraram R$ 49,1 bilhões.

O setor com maior lucro no primeiro semestre de 2020 com 33 empresas é o de energia elétrica, que em 2020 registra R$ 17,1 bilhões de lucro, que é um valor 7,17% inferior ao do ano de 2019.

Os setores de telecomunicações e alimentos & bebidas registram lucro de mais de R$ 2,0 bilhões.

Dos 20 setores não financeiros analisados somente três têm crescimento de lucratividade entre o primeiro semestre de 2019 e 2020, são os setores de  construção & materiais de construção, máquinas industriais e agro negócio & pesca.

Os restantes 17 setores registram queda de lucratividade entre 2020 e 2019.

Nove dos vinte setores registram prejuízo, sendo o setor de transporte & logística com o maior prejuízo nominal de R$ 3,86 bilhões, seguido pelo setor de veículos & autopeças com prejuízo de R$ 3,72 bilhões.

Na análise também adicionamos os setores financeiros e verificamos que o setor de bancos & outras instituições financeiras têm recuo de 25,35% no primeiro semestre de 2020 com relação a 2019. As 26 instituições registram lucro de R$ 16,67 bilhões contra R$ 22,3 bilhões no ano de 2019.

Oito empresas de seguros & corretoras de seguros no primeiro semestre de 2020 registram lucro de R$ 1,25 bilhões contra R$ 1,94 bilhões no ano de 2019, queda de 35,5%.

O resultado consolidado das 252 empresas não financeiras e financeiras, sem as seis empresas listadas no início deste relatório, tem lucro de R$ 26,7 bilhões no primeiro semestre de 2020 contra R$ 73,4 bilhões em 2019, queda de 63,54%.

Se considerarmos todas as empresas da amostra, inclusive as seis excluídas inicialmente o primeiro semestre de 2020, registramos prejuízo de R$ 58,7 bilhões contra lucro de R$ 89,9 bilhões em 2019.

As seis empresas excluídas da amostra inicial têm prejuízo acumulado de R$ 85,5 bilhões no primeiro semestre de 2020 contra lucro de R$ 16,5 bilhões no ano de 2019.

O impacto do resultado financeiro no lucro líquido por setor

Na tabela abaixo listamos todos os 20 setores não financeiros e o impacto que cada um deles sofreu devido ao resultado financeiro.

A tabela está ordenada pelos setores com maior nível de resultado financeiro negativo no primeiro semestre de 2020.

O setor de alimentos & bebidas no primeiro semestre de 2020 registra receita com vendas de R$ 214,2 bilhões, valor 25,5% superior ao do ano de 2019 e lucro EBIT de R$ 22,8 bilhões, que é 43,3 % superior ao do ano de 2019. O resultado financeiro no primeiro semestre de 2019 foi de -R$ 5,9 bilhões, já no primeiro semestre de 2020 o resultado financeiro é 3 vezes superior atingindo -R$ 11,8 bilhões. O setor registra um lucro de R$ 2,5 bilhões, que é 68,4% inferior ao do ano de 2019. Um dos fatores principais na redução do lucro é ao resultado financeiro negativo da empresa devido à variação cambial.

Na tabela encontramos todos os 20 setores com o detalhamento de receita com vendas, lucro ebit, resultado financeiro e lucro líquido.

Fonte Economática

Deixe um comentário