Omega Geração compra 50% de parques eólicos da EDF na Bahia

LinkedIn

A empresa de energia renovável Omega Geração (BOV:OMGE3) anunciou neste domingo um acordo vinculante para aquisição de fatia de 50% em parques eólicos da francesa EDF Renewables na Bahia, além de negociações para possível compra de novos projetos.

O negócio pelos complexos Ventos da Bahia 1 e 2, que totalizam 182,6 megawatts em capacidade, foi avaliado em 661,7 milhões de reais, incluindo dívidas, sendo que a Omega pagará 55% do valor em caixa e o restante envolve assunção do endividamento de longo prazo dos ativos, disse a empresa em comunicado.

⇒ O que a Lei do Gás pode interferir nos seus investimentos?

Em paralelo, a companhia informou que tem realizado due diligence com exclusividade de um portfólio de projetos eólicos com 265 megawatts em capacidade, em avaliação com prazo até dezembro, período durante o qual pode apresentar uma oferta vinculante pelos ativos.

Essa eventual nova operação ocorreria “após a entrada em operação dos projetos a atingimento de marcos relacionados à conclusão das atividades de construção”, acrescentou a Omega.

A empresa também disse que sua parceira Omega Desenvolvimento está “em negociações avançadas que podem levar à implantação de projetos eólicos de aproximadamente 200 megawatts de capacidade”.

As companhias pertencem ao mesmo grupo, e a Omega Geração tem acordo para avaliar a possível aquisição dos ativos do braço de desenvolvimento à medida que estes vão entrando em operação.

Os movimentos da Omega vêm na sequência da compra de parques eólicos operacionais da Eletrobras por 1,5 bilhão de reais, incluindo dívidas, anunciada no fim de julho. As usinas, no Rio Grande do Sul, somam 582,8 megawatts em capacidade.

Além da transação recém informada, a Omega já havia fechado negócio antes por uma fatia da EDF no complexo solar Pirapora.

“A transação confirma o sucesso da nossa parceria com a EDF Renewables, que tem tudo para prosperar nos próximos anos e criar valor às empresas”, disse o CEO da Omega Geração, Antonio Bastos Filho, em nota.

A Omega possui atualmente usinas eólicas, solares e pequenas hidrelétricas com cerca de 1,19 gigawatt em capacidade. Com a compra das usinas da Eletrobras, que deve ser concluída até o final do ano, chegará a 1,7 gigawatt.

Com a compra anunciada neste domingo a companhia se aproxima de 1,8 gigawatt, enquanto os negócios no radar poderiam eventualmente levá-la a ultrapassar 2 gigawatts.

Prejuízo líquido de R$ 31,98 milhões no 2T20

O prejuízo líquido atribuído aos controladores da Omega Geração cresceu 27% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, para R$ 31,98 milhões. A empresa diz que, devido à sazonalidade de suas atividades e ativos, 60% da produção de energia ocorre no segundo semestre do ano, o que desloca o lucro para esse período.

Omega Geração fará oferta primária

A Omega Geração anunciou na noite do domingo que aprovou a realização de oferta pública primária com esforços restritos de ações ordinárias. Serão colocadas à venda 17,3 milhões de papéis, com a possibilidade de um lote adicional de 6,0 milhões.

O preço por ação será definido em procedimento de “bookbuilding”, mas com base na cotação na B3 na última sexta-feira, R$ 37,42 por ação ordinária, a oferta poderia levantar de R$ 650 milhões a R$ 877 milhões, no caso de incluir o lote adicional de ações.

A oferta ocorrerá no Brasil e nos Estados Unidos e terá como coordenador o banco Itaú BBA.

Deixe um comentário