Selic a 2%: especialista recomenda ‘fugir' de CDBs, LCIs, LCAs e apostar em fundos multimercado; Bitcoin lidera

LinkedIn

O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central cortou a taxa Selic em 0,25 ponto percentual, para 2% ao ano e, com a taxa básica de juros baixa.

Assim, investidores conservadores – aqueles que apostam em renda fixa, podem ter rendimentos ainda menores.

De acordo com o profissional em investimentos e sócio fundador da iHUB Investimentos – escritório afiliado a XP Investimentos – Paulo Cunha, esses investidores podem ser muito afetados.

“A queda de mais 0,25bps na taxa de juros vai afetar principalmente aplicações de renda fixa pós-fixadas que, a partir desta quinta-feira, vão passar a render menos. Por isso, Fundos de Renda Fixa pós fixados, CDBs, LCIs, LCAs indexados ao CDI serão afetados automaticamente, assim como Papéis do Tesouro Indexados a SELIC”, explica.

Fundos Multimercados

Por outro lado, segundo ele, investimentos mais arrojados como Fundos Multimercados e ações tendem a se beneficiar, acredita.

“Único ponto de atenção aí é que esse movimento já era previsto pelo mercado, portanto, a valorização dos ativos de maior risco já “está no preço”, o que significa que não necessariamente esses investimentos vão se valorizar automaticamente a partir desta queda na SELIC”, acrescenta Cunha.

Assim, segunda Cunha, diversificar investimentos pode ser uma decisão importante nesse momento, já que caderneta de poupança, CDBs, LCI, LCA e quaisquer papeis indexados ao CDI terão retorno menores nessa nova realidade.

“É hora de buscar rentabilidades maiores dentro do seu perfil como investidor e reequilibrar sua carteira para não ficar para trás. Ações, fundos de ações e fundos imobiliários podem ser interessantes no longo prazo”, sugere o especialista.

Bitcoin lidera nos Fundos Multimercados

Os fundos brasileiros multimercado que investem em Bitcoin e criptomoedas foram considerados entre os mais rentáveis do Brasil.

Assim, segundo classificação recente do portal Mais Retorno que mapeia fundos e ações no Brasil os fundos multimercado que englobam criptoativos são “campeões” de rentabilidade.

Segundo a publicação entre os três fundos multimercado mais rentáveis do Brasil em 6 meses, dois são de criptomoedas, um da BLP e outro da Hashdex.

No entanto, em primeiro lugar está o Versa Long Biased Fim, que mescla ações, títulos públicos, entre outras posições e registrou rentabilidade de 75,10% no período.

Assim, em segundo lugar ficou o BLP Crypto Assets Fim IE, com 70,83% de valorização e em terceiro o Hashdex Criptoativos Voyager Fim IE, com 52,91% de rentabilidade.

Ambos os fundos não oferecem exposição 100% em criptomoedas e suas carteiras são compostas por outros ativos.

“No passado já tivemos retorno para entrar no ranking mas só agora após 29 meses de fundo conseguimos atingir o número de cotistas necessários para passar o filtro. Pode parecer pouca coisa mas para nós que estamos neste projeto desde Julho de 2017 é uma grande vitória”, destacou Alexandre Vasarhelyi, CFA na BLP Asset.

Por Cassio Gusson

Deixe um comentário