Confira os Indicadores Econômicos desta quarta-feira (23/09/2020)

LinkedIn

ESTADOS UNIDOS

A atividade empresarial dos Estados Unidos caiu em setembro, com os ganhos nas fábricas sendo compensados por um recuo nas indústrias de serviços, sugerindo perda de ímpeto para a economia à medida que o terceiro trimestre chega ao fim e a pandemia de Covid-19 permanece.

A empresa de dados IHS Markit disse nesta quarta-feira que seu índice PMI Composto preliminar, que acompanha os setores de manufatura e serviços, caiu para 54,4 em setembro, ante leitura de 54,6 em agosto.

Um resultado acima de 50 indica crescimento na produção do setor privado. Embora o setor privado continue a se expandir, a queda deste mês reforça as expectativas de uma perda no ímpeto econômico à medida que o impulso do estímulo fiscal norte-americano acaba.

Nos Estados Unidos, os preços das casas subiram 6,5% de julho de 2019 a julho de 2020 e subiram 1,0% para o mês. A Federal Housing Finance Agency – FHFA também revisou sua mudança de preço de 0,9% relatada anteriormente em junho de 2020 para 1,0%.

Para as nove divisões do censo, os preços da casa, ajustados sazonalmente, entre junho de 2020 a julho de 2020 variou da alta de 0,6% na divisão West North Central a alta 2,0% na divisão New England. As mudanças de 12 meses variaram de +5,4% na divisão West South Central a +7,7% em Mountain e nas divisões Leste, Sul e Centro.

A economia dos Estados Unidos se recuperou mais fortemente do que o esperado desde que as empresas começaram a reabrir há alguns meses, mas a recuperação não é ampla ou sustentável, disse a presidente do Federal Reserve de Cleveland, Loretta Mester, nesta quarta-feira.

O vice-chair do Federal Reserve, Richard Clarida, afirmou nesta quarta-feira que as autoridades de política monetária “não irão nem ao menos começar a pensar” em elevar os juros até que a inflação atinja 2%, em comentários com o objetivo de ajudar a consolidar o entendimento do público sobre a nova postura do banco central em relação à política monetária.

“Os juros ficarão no nível atual, que é basicamente zero, até que a inflação observada pelo PCE tenha atingido 2%”, referindo-se à medida preferida de preços do Fed.

A presidente do Federal Reserve de Cleveland, Loretta Mester, nesta quarta-feira, disse que a economia dos Estados Unidos se recuperou mais fortemente do que o esperado desde que as empresas começaram a reabrir há alguns meses, mas a recuperação não é ampla ou sustentável. Muitos setores, incluindo o de viagens e lazer e hotelaria, terão uma recuperação lenta, disse Mester.

O chair do Federal Reserve, Jerome Powell disse que as empresas têm feito apenas um uso “modesto” do programa Main Street –de financiamento a pequenas e médias empresas–, mas o crédito já está amplamente disponível para elas, e o banco central dos EUA não está planejando nenhuma mudança “importante” para torná-lo mais amplamente disponível.

Em seu discurso de abertura como presidente do painel, o deputado democrata Jim Clyburn, da Carolina do Sul, apontou os programas de empréstimo e compra de títulos corporativos do Fed, pedindo que o BC usasse seu poder para ajudar pessoas comuns e pequenas empresas.

Os estoques de petróleo, gasolina e produtos refinados dos EUA recuaram na última semana, apontou a Administração de Informação sobre Energia (AIE). As reservas de petróleo tiveram queda de 1,6 milhão de barris, aquém do esperado; os estoques de gasolina recuaram em 4 milhões de barris, mais do que o previsto; e os de derivados registraram uma surpreendente diminuição de 3,4 milhões de barris.

BRASIL

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas e subiu 3,2 pontos em setembro, para 83,4 pontos, mantendo a tendência de crescimento gradual pelo quinto mês consecutivo. Apesar da sequência de resultados positivos, o ICC segue em patamar inferior ao período pré-pandemia (87,8 pontos em fevereiro).

Em setembro, tanto a satisfação dos consumidores em relação à situação atual quanto às expectativas para os próximos meses melhoraram. O Índice de Situação Atual (ISA) subiu 1,1 ponto, para 72,6 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) avançou 4,4 pontos, para 91,5 pontos, registrando crescimento pelo quinto mês consecutivo, com desaceleração nos últimos meses.

Houve melhora da confiança em todas as faixas de renda, principalmente nas faixas intermediárias. Para os consumidores de menor poder aquisitivo, a piora relacionada à falta de perspectivas sobre a situação financeira familiar impede um aumento da confiança.

IPC-S de 22 de setembro de 2020 subiu 0,70%, ficando 0,12 ponto percentual (p.p) acima da taxa registrada na última divulgação.

Nesta apuração, cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Educação, Leitura e Recreação (1,16% para 2,21%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item passagem aérea, cuja taxa passou de 16,11% para 26,97%.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) subiu 0,45% em setembro, 0,22 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de agosto (0,23%) e maior resultado para um mês de setembro desde 2012, quando o IPCA-15 foi de 0,48%. O IPCA-E, que é o IPCA-15 acumulado no trimestre, foi para 0,98%, acima da taxa de 0,26% registrada em igual período de 2019. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 1,35% e, em 12 meses, de 2,65%, acima dos 2,28% registrados nos 12 meses anteriores. Em setembro de 2019, a taxa foi de 0,09%.

O Brasil registrou superávit em transações correntes pelo quinto mês seguido em agosto, de 3,721 bilhões de dólares, levando o déficit em 12 meses a cair a 1,64% do Produto Interno Bruto (PIB), menor patamar desde junho de 2018 (-1,50%).

Já os investimentos diretos no país (IDP) alcançaram 1,43 bilhão de dólares em agosto, ante expectativa de 1,35 bilhão de dólares.

Para setembro, o BC projetou um novo superávit em transações correntes de 3,7 bilhões de dólares e IDP de 2 bilhões de dólares.

Na comparação com o ano passado, a pandemia de coronavírus tem feito o Brasil registrar melhores dados no saldo da balança comercial, com as importações sofrendo um baque mais forte que as exportações.

EUROPA

Na Europa, a prévia do índice Composto de Saída da Zona do Euro para setembro está em 50,1, mínima de três meses, ante agosto: 51,9; o índice de Atividade de Serviços da Zona do Euro está em 47,6, mínima de quatro meses, ante agosto: 50,5; o índice de Manufatura para a Eurozona de saída para setembro está em 56,8, ante agosto: 55,6; e o índice de Fabricação para setembro está em 53,7, máxima de 25 meses, ante agosto: 51,7.

A atividade comercial estagnou na Zona do Euro em setembro, embora com tendências gradualmente divergentes por setor e país. O crescimento mais rápido da indústria, liderado pela Alemanha, foi compensado por uma nova desaceleração no setor de Serviços, que costumava estar associada ao ressurgimento do coronavírus.

O crescimento da produção manufatureira acelerou em setembro para o mais rápido desde fevereiro de 2018, impulsionado pelo maior aumento no volume de novos pedidos visto pelo IHS Markit Eurozone (PMI e PIB) neste período. Mas o setor de serviços, quase estagnado em agosto, registrou a maior contração da produção desde maio, embora com a taxa de declínio muito mais fraca do que a observada durante o auge da pandemia.

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da Alemanha, que engloba os setores industrial e de serviços, caiu de 54,4 em agosto para 53,7 em setembro, atingindo o menor nível em três meses, segundo dados preliminares divulgados nesta quarta-feira pela IHS Markit.

Apenas o PMI de serviços alemão recuou de 52,5 em agosto para 49,1 em setembro, também o menor patamar em três meses.

Por outro lado, o PMI industrial da Alemanha subiu de 52,2 para 56,6 no mesmo período, atingindo o maior nível em 26 meses. Neste caso, a projeção era de ganho bem menor, a 52,6.

O índice de confiança do consumidor da Alemanha caiu de -0,2 ponto em agosto para -1,8 ponto em setembro, segundo projeção divulgada nesta sexta-feira pelo instituto alemão GfK. A leitura de agosto foi ligeiramente revisada para cima, de -0,3 ponto originalmente.

A França, por sua vez, viu a atividade empresarial se deteriorar pela primeira vez em quatro meses, com a queda na produção do setor de serviços mais do que compensando um aumento modesto na produção industrial.

Em outros lugares, a atividade de negócios caiu pelo segundo mês consecutivo após o breve retorno ao crescimento de julho, com o ritmo de declínio acelerando à medida que uma taxa elevada de contração nos serviços foi acompanhada por um crescimento mais lento da produção industrial.

Na França, na prévia para setembro, o índice Composto de Saída está em 48,5, mínima de quatro meses, ante agosto: 51,6; o índice de atividade de Serviços está em 47,5, ante a alta de 51,5 em agosto, com a mínima de quatro meses; o índice de Produção Industrial está em 53,0 em setembro, ante os 52,3 de agosto, com alta de dois meses; o índice de Manufatura está em 50,9 para setembro, na máxima de dois meses ante os 49,8 de agosto. Os dados são do IHS/Markit.

índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto do Reino Unido, que engloba os setores industrial e de serviços, caiu de 59,1 em agosto para 55,7 em setembro, atingindo o menor patamar em três meses, segundo dados preliminares divulgados hoje pela IHS Markit em parceria com a CIPS.

O PMI composto acima de 50 mostra que a atividade econômica britânica continua se expandindo este mês, mas o resultado ficou abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam queda do indicador a 56,9.

Apenas o PMI industrial do Reino Unido recuou de 55,2 em agosto para 54,3 em setembro, mas ficou um pouco acima da projeção do mercado, de 54. Já o PMI de serviços britânico diminuiu de 58,8 para 55,1 no mesmo período, tocando o menor nível em três meses. O consenso era de baixa a 56.

A União Europeia está determinada a obter um acordo comercial do Brexit com a Grã-Bretanha, mas será firme e realista com Londres depois que o primeiro-ministro Boris Johnson decidiu romper o acordo de divórcio, disse o negociador-chefe da UE, Michel Barnier, na quarta-feira.


ÁSIA

No Japão, o Índice Geral de Atividade Industrial para julho ficou em 95,1, alta de 1,3% no comparativo mensal. Por setor, o índice da produção extrativa e industrial cresceu 8,8% em termos mensais; o índice de atividade da construção civil aumentou 0,5% em termos homólogos e o terceiro índice de atividade industrial caiu 0,5%.

O índice de atividade da construção civil em julho de 2020 ficou em 103,8, alta de 0,5% em relação ao mês anterior. Embora as moradias particulares e embutidas tenham diminuído, as obras de engenharia civil e particular aumentaram. Os dados são do Governo do Japão.

No Japão, a prévia do índice de Saída Composto para setembro está em 45,5, alta ante o final de agosto: 45,2; o de Negócios de Serviços está em alta a 45,6 ante o final de agosto: 45,0; o índice de Manufatura de Saída está em 45,2, queda ante o final de agosto: 45,8. Os dados são do Jibun Bank.

O presidente do banco central do Japão, Haruhiko Kuroda, disse que a autoridade monetária está pronta para prorrogar seus programas destinados a aliviar tensões de financiamento corporativo que expiram no início do próximo ano, já que a pandemia de coronavírus está mantendo as perspectivas econômicas altamente incertas.

Ele também reiterou a resolução do Banco do Japão de trabalhar em estreita colaboração com o governo na luta contra os obstáculos à recuperação do Japão, como as consequências das tensões sino-americanas e do protecionismo.

O Banco do Japão aumentou as compras de dívida corporativa e criou um mecanismo de empréstimo para injetar dinheiro nas empresas atingidas pela Covid-19 como parte dos esforços para amortecer o golpe econômico da pandemia. Ambos os programas terminam em março do próximo ano, a menos que a diretoria do banco central vote para estender o prazo.

Na Austrália, a prévia do índice de Saída Composto para setembro está em 50,5, a máxima de dois meses e acima do final de agosto: 49,4; o índice de atividade empresarial de Serviços está em 50,0, máxima de dois meses e acima do final de agosto: 49,0; o índice de Produção de Fabricação para setembro está em  53,6, máxima de dois meses, mas acima do final de agosto: 52,5;  e o de Fabricação está em 55,5 em setembro, máxima de 29 meses e acima de agosto: 53,6. Os dados são do IHS/Markit.

Na Austrália, a estimativa, ajustada sazonalmente, das vendas no varejo caiu 4,2% (menos US $ 1.276,3 milhões) entre julho de 2020 e agosto de 2020. Em termos, ajustados sazonalmente, o faturamento australiano aumentou 6,9% em agosto de 2020 em comparação com agosto de 2019. Isso se compara a um movimento anual de 12,0% em julho de 2020. Victoria liderou as quedas em 12,6% em relação a julho de 2020. Excluindo Victoria, o resto da Austrália caiu 1,5% de julho de 2020 a agosto de 2020. Os números são do Governo Australiano.

Deixe um comentário