Funcionários da Embraer entram em greve após anúncio de demissões

LinkedIn

Em assembleia realizada na tarde desta 5ª feira (3.set.2020), funcionários da Embraer (BOV:EMBR3) decidiram entrar em greve depois de a empresa ter anunciado a demissão de 900 trabalhadores. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, a medida impede a conclusão do processo de desligamento dos empregados.  

Os trabalhadores da Embraer aprovaram em assembleia, nesta 5ª feira, a deflagração de greve contra as demissões anunciadas pela empresa. Com isso, a Embraer fica proibida de concluir os cortes dos 2.500 trabalhadores [900 demissões somadas a 1.600 desligamentos de funcionários que aderiram a planos de demissão voluntária propostos pela empresa]. A legislação brasileira proíbe a demissão de grevistas”, diz o sindicato em nota.

As demissões foram anunciadas pela empresa nesta 5ª feira. Em comunicado, a Embraer afirmou que a medida foi necessária devido aos impactos da covid-19 na economia global, o que implicou o cancelamento da parceria com a Boeing. “O objetivo é assegurar a sustentabilidade da empresa e sua capacidade de engenharia”, disse a empresa, em nota. 

A fabricante de aeronaves também informou que realizou 3 planos de demissão voluntária que tiveram adesão de cerca de 1.600 colaboradores no Brasil. Ao todo, serão 2.500 desligamentos no país.

Na assembleia, além do pedido de reversão das demissões, os trabalhadores aprovaram proposta de um teto salarial de R$ 50 mil na companhia.

Há 3 salários superiores a R$ 1 milhão por mês na empresa. Um deles chega a R$ 2.170.666,62 e é descrito no documento como sendo de 1 conselheiro. Há ainda o registro de 46 salários superiores a R$ 100 mil e 127 superiores a R$ 50 mil”, reforçou o sindicato.

A assembleia foi convocada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José, que alega que não houve negociação antes da nova rodada de cortes e pediu uma reunião com a empresa.

A entidade informou ainda que tentará reverter os desligamentos que foram acertados nos três programas de demissão voluntária (PDV) abertos pela companhia nos últimos meses.

“Durante o período de PDV, o sindicato recebeu diversas denúncias por parte dos trabalhadores de que gestores da Embraer estariam pressionando aqueles que estavam em licença remunerada para que aderissem ao PDV. O caso está, inclusive, sendo investigado pelo Ministério Público do Trabalho”, informou, em nota.

Prejuízo bilionário no 2T20

A fabricante de aeronaves Embraer encerrou o segundo trimestre com prejuízo líquido atribuído aos sócios da controladora de R$ 1,68 bilhão, comparável a lucro de R$ 26 milhões um ano antes, pressionada principalmente por perdas adicionais no segmento de aviação comercial relacionadas ao acordo desfeito com a Boeing e pelo impacto da pandemia de covid-19 nas entregas de jatos. A companhia reconheceu no período uma série de itens especiais que tiveram impacto negativo de R$ 1,07 bilhão no resultado.

 

fonte Agência Brasil

Comentários

  1. Luiz Brito diz:

    É necessário e urgente que quando os analistas procederem aos exames contábeis das empresas façam comentários, tragam à público situações acerca de salários exorbitantes como esses que são pagos na Embraer, para que os acionistas fiquem sabendo como proceder na hora de investir. Nada contra que o executivo, seja lá quem for, fique até com todo o dinheiro arrecadado na empresa. Contanto que esta não esteja na Bolsa de Valores.

Deixe um comentário