BRF e CAIQ firmam acordo de cooperação para pesquisa de alimentação animal; BRF expande Qualy

LinkedIn

A BRF firmou um Acordo de Cooperação com a Chinese Academy of Inspection and Quarantine (CAIQ) para promover e implementar projetos nas áreas de pesquisas de métodos laboratoriais para alimentos, rações e sanidade animal.

O comunicado foi feito pela empresa (BOV:BRFS3) nesta quinta-feira (19).

O acordo também prevê o estudo de pesquisas de tendências e metodologias de análises que proporcionam alertas e reduções de riscos de food safety, além da cooperação em rastreabilidade, legislações e biossegurança.

A CAIQ é uma instituição pública chinesa, estabelecida por meio da consolidação de duas grandes organizações: a Plant Quarantine Institute of Ministry of Agriculture e a China Import and Export Commodity Inspection Technology Institute. Atualmente, conta com cerca de 400 funcionários, entre cientistas, acadêmicos e especialistas em ciências e tecnologia, além de uma equipe de 300 pessoas que trabalham na realização de pesquisas em todo o mundo.

BRF expande a marca Qualy

Após superar a crise, a BRF quer aproveitar o prestígio das marcas Sadia, Perdigão e Qualy para recuperar o protagonismo no mercado brasileiro de alimentos. Ainda amargando perda de participação de mercado no país, um efeito colateral da covid-19 – fábricas relevantes chegaram a fechar temporariamente -, a empresa intensificou os lançamentos de produtos.

Na estratégia, a BRF vai estrear em novas categorias. A Qualy, líder disparada em margarinas, debutará em manteiga, requeijão e pão de queijo. Os itens, que devem chegar às gôndolas ainda neste ano, marcam o perfil da expansão desenhada pelo executivo Sidney Manzaro. Produtos não necessariamente ligados às cadeias de aves e suínos vão ganhar espaço – neste ano, a BRF também lançou vegetais congelados.

Ao todo, a BRF já lançou 91 produtos em 2020. Até o fim do ano, a lista chegará a 137, o que inclui a entrada nas categorias de pão de queijo, requeijão e manteiga – uma outra empresa fabricará o produto para a BRF, que não conta com fábricas de processamento de leite.

Na gestão de marcas, o vice-presidente da BRF apostou em campanhas para rejuvenescer a Sadia. De acordo com dados da consultoria Kantar mencionados pelo executivo, a marca evoluiu na preferência dos consumidores, de 27,2% no ano passado para 28,1%. A marca Sadia também é “Top of Mind” na categoria, segundo a última pesquisa do Datafolha. Em margarina, a Qualy também é a mais conhecida pelo consumidor.

( Com informações do Valor )

Lucro líquido de R$ 216,8 milhões, queda de 26,3% no 3T20

BRF divulgou lucro líquido de R$ 216,8 milhões, queda de 26,3% na comparação anual. A piora dos resultados da BRF no exterior, reflexo do aumento dos custos de produção e de embargos sauditas que insistem em atrapalhar os negócios, nublou o sólido desempenho da operação no Brasil e reduziu o lucro da empresa dona das marcas Sadia e Perdigão no terceiro trimestre.

A empresa salientou que o resultado na comparação ano a ano é afetada pela maior geração de créditos tributários no terceiro trimestre de 2019 e pelos gastos associados ao combate dos efeitos da covid-19, de R$ 145 milhões e maiores despesas financeiras líquidas.

→ A BRF S/A surgiu da fusão da Sadia e Perdigão e é uma das maiores empresas de alimentos do mundo com mais de 30 marcas em seu portfólio. A possui R$ 14,5 bilhões de valor de mercado. Confira a Análise completa da empresa com informações exclusivas.

Deixe um comentário