Carrefour (CRFB3): a trajetória

LinkedIn

Alguns momentos memoráveis são justamente aqueles que incluem muita comida, como o fim de ano com a família, o inesquecível jantar na casa da sogra e do sogro, aquele churrasquinho com os colegas, a comida caseira da casa da vó… E, quando se fala em comida, é claro que existe um supermercado por trás disso. Um deles é o Carrefour (BOV:CRFB3), que também detém as unidades Atacadão e, mais recentemente, incorporou as Makro.

No Brasil, a rede de supermercados atua desde 1975, porém faz parte de algo muito maior e mais antigo: o Grupo Carrefour, que começou na França, em 1960, e hoje está presente em mais de 30 países. O nome, inclusive, é francês: Carrefour significa “cruzamento”, pelo fato de a primeira loja ter sido inaugurada em um cruzamento de avenidas. Além disso, as cores da logo são justamente as mesmas da bandeira francesa.

Atualmente, a operação brasileira conta com 699 unidades, mas não vende apenas comida. Além de hipermercados e supermercados, que são mais conhecidos, o Carrefour também possui drogarias e postos de gasolina. Até o terceiro trimestre de 2020, o número de unidades em cada segmento estava assim distribuído:

CapturarFonte: dados da empresa – balanço 3T20.

Os Hipermercados estão estrategicamente posicionados entre as principais regiões econômicas do Brasil e cada unidade possui mais de 40 mil itens, sendo os produtos alimentares responsáveis por cerca de 2/3 das vendas e os itens não alimentares por aproximadamente 1/3 das vendas.

Já os Supermercados possuem uma área menor, porém ainda assim com mais de 19 mil produtos disponíveis em cada unidade. As Drogarias ficam instaladas nas galerias dos Hiper e Supermercados do Carrefour e contam também com descontos em medicamentos participantes dos programas de benefícios promovidos pelos laboratórios.

Em se tratando das Lojas de Conveniência, elas são ainda mais compactas que os Supermercados, ofertando até 4.500 produtos, e estão presentes em áreas residenciais com um grande acumulado populacional.

E, para aqueles com família grande ou que possuem comércio e desejam comprar mais em conta o que precisa para seu negócio, o Carrefour também vende por atacado. A sua marca Atacadão, vale dizer, é a maior companhia atacadista do país e algumas de suas unidades também passou a realizar entregas das compras no modelo business to business (de empresa – no caso, o Carrefour – para empresa).

A partir de 2020, o Carrefour passou também a operar Postos de Gasolina, com presença em 13 estados do Brasil.

Passa no crédito, por favor

Outro serviço que o Carrefour oferece é o financeiro. Em 2012, foi realizada uma parceria com o Itaú Unibanco para promover o Banco Carrefour, porém desde 1989 a rede disponibiliza seu cartão de crédito próprio e em 2017 passou a ofertar também um para a rede Atacadão. Além de crédito ao cliente, o Banco Carrefour permite realizar os seguros dos produtos vendidos.

De acordo com a empresa: “Esse segmento nos auxilia nas operações de varejo com soluções de pagamento, ofertas diferenciadas de crédito e descontos em produtos de forma a alavancar as nossas vendas, tráfego e fidelização de clientes. Em 31 de dezembro de 2018, tínhamos aproximadamente 6,4 milhões de contas de cartões de crédito Carrefour e 1,6 milhões de cartão Atacadão, totalizando 8 milhões de cartões”.

Por meio desses cartões, 24% das vendas totais das lojas de varejo foram realizadas em 2018, e outras 23% só no e-commerce. Com o Atacadão, apesar de recente na rede, 10% das vendas totais foram passadas no cartão.

No período da pandemia, o nível de inadimplência aumentou e, consequentemente, isso incidiu sobre os números do banco. De acordo com relatório da empresa, “A carteira em atraso acima de 30 dias (Over 30) e 90 dias (Over 90) apresenta ligeiro crescimento, influenciada pela inadimplência e um menor crescimento da carteira, absorvendo os efeitos da Covid”.

O patamar de inadimplência acima de 30 dias saiu de 13% no primeiro semestre de 2019 para 17% no mesmo período de 2020. Já o atraso acima de 90 dias saltou de 9,4% para 13,1% na mesma base comparativa. No encerramento do terceiro trimestre de 2020, no seu balanço a companhia revelou que, “Considerando o critério local, o Banco Carrefour se tornou o quinto maior banco do país em saldo de carteira concedido por meio de cartões de crédito”.

Carrefour digital

A presença física é marcante, mas também não é apenas por ela que os clientes são atendidos. O Carrefour atua ainda de modo on-line e, como vimos, bastante gente usa inclusive o cartão do Banco Carrefour para comprar por lá.

Em 2016, a empresa começou a vender itens não alimentares e, em 2017, lançou seu marketplace, que conta com mais de 4 mil parceiros vendendo produtos, disponibilizando uma base de mais de 5 milhões de produtos para os clientes.

Em 2018, passou a vender itens alimentícios também pela plataforma on-line, porém limitada ao Estado de São Paulo. Segundo a companhia, no seu relatório do terceiro trimestre de 2020, ela registrou “forte crescimento das vendas do e-commerce alimentar (+202,4% incluindo o serviço de entrega rápida). As vendas de não alimentares também continuaram crescendo (+69,1%), apesar da reabertura da maior parte dos varejistas [no período de pandemia]”.

Grande empresa, grandes tragédias

O Carrefour marca presença na vida das pessoas por meio de seus estabelecimentos físicos e também pelo seu atendimento on-line, como vimos. Entretanto, ele tem estado presente de um modo nada agradável também: nos noticiários que todo mundo assiste.

A empresa é constantemente levada a público devido a grandes tragédias ocorridas em seus estabelecimentos, que vão desde maus-tratos a animais por funcionários até mortes de colaboradores e clientes.

Em 2018, um cão foi envenenado e agredido por um segurança da rede. Em 2020, um promotor de vendas teve um mal súbito e faleceu dentro de uma unidade do Carrefour, tendo seu corpo escondido por guarda-sóis para que os clientes não percebessem, já que a loja continuou operando mesmo com o ocorrido. Já em novembro, um cliente, negro, foi morto por seguranças. Quanto a isso, a empresa divulgou a liberação de um fundo de R$ 25 milhões para promoção da inclusão racial e combate ao racismo e que seguirá orientações de um Comitê Externo de Livre Expressão sobre Diversidade e Inclusão.

Fora isso, o Carrefour enfrenta muitas outras grandes acusações de racismo, xenofobia e descaso com funcionários.

Na bolsa de valores

Na B3, as concorrentes do Carrefour são Pão de Açúcar (PCAR3) e o Grupo Mateus (GMAT3), que realizou sua IPO recentemente. O gráfico a seguir mostra como têm performado as ações CRFB3 negociadas na bolsa de valores brasileira desde 2017, ano em que a companhia lançou sua Oferta Inicial de Ações ao mercado.

carre

Obs.: a última cotação data de 25 de novembro de 2020.

Gostou dessa análise? A ADVFN analisa graficamente em tempo real todas as companhias da bolsa, incluindo Carrefour. Além de gráficos, você pode consultar uma análise completa da empresa e ter informações exclusivas sobre ela.

E quer saber se Carrefour é um investimento que está de acordo com seu perfil de investidor? Com o scanner ADVFN, você tem um raio-x ainda mais completo das empresas, com sugestões de compra de acordo com seu perfil de investimentos. Aproveite!

Comentários

  1. Alcides Paludo diz:

    Excelente relatório.
    Por gentileza, tem como me enviar alguma informação da RJCP3.
    Desde que a empresa faliu, não encontro mais notícias sobre ela. Não sei o que fazer com as ações que fiquei. Se dou saída a preço zero e contabilizo o prejuízo, ou se tenho que aguardar possível ressarcimento.
    Se não puder me informar, sabe me dizer de algum contato onde ou possa me informar?
    Obrigado.

Deixe um comentário