Sanepar (SAPR11) é ação preferida do setor de saneamento do Inter

LinkedIn

Nesta segunda-feira, 16, a Inter Research emitiu um relatório acerca dos resultados do terceiro trimestre da Sanepar. De acordo com ela, mesmo que a “situação hídrica no Paraná ainda seja ponto de atenção, Sanepar segue como preferida do setor”.

Dessa forma, das três companhias de saneamento com capital aberto na B3, a paranaense é a preferida da research.

A Sanepar (SAPR11) possui boas margens e segue evoluindo. Além disso, possui uma boa gestão e atuação em uma região nobre do país. Todavia, a companhia foi impactada negativamente pela situação hídrica.

Isto é, o estado do Paraná sofre com uma grande escassez de chuvas, o que fez com que o Governo decretasse estado de emergência. Ademais, implementou várias medidas, como por exemplo, rodízios de consumo.

Entretanto, na visão da Inter Research, o desconto no preço das ações foi demasiado, por isso, ela vê uma boa oportunidade. Portanto, mantém sua recomendação de compra dos papéis da Sanepar, com um preço-alvo de R$ 33 por unit.

O terceiro trimestre da Sanepar

A situação hídrica no estado do Paraná afetou os resultados da companhia, fazendo com que sua receita operacional líquida caísse 1,6%, totalizando R$ 1,2 bilhões. Dessa forma, devido as medidas de isolamento social e também do racionamento de água na região metropolitana, o volume faturado de água e esgoto caiu.

Entretanto, a empresa segue crescendo. Embora o Estado do Paraná já tenha 100% de cobertura no que se refere à água, ainda há 25% da população sem acesso a esgoto. Dessa forma, a Sanepar possui espaço para crescimento.

Além disso, no trimestre, o número de ligações de água cresceu 2,2%, enquanto as de esgoto 3,7%.

Por fim, a Inter Research destacou a queda da margem EBITDA, mas que também vê melhora nos próximos trimestres. O EBITDA caiu 19%, ficando em R$ 392 milhões com uma margem 7 p.p. abaixo do 3T19, em 34%. Já o lucro operacional caiu 25% a/a, totalizando R$ 301 milhões.

Texto escrito por Diogo Albuquerque, graduando em economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e colaborador do Guia do Investidor.

Deixe um comentário