Embraer sofre ataque cibernético aos sistemas de tecnologia da informação

LinkedIn

A Embraer sofreu um ataque cibernético aos seus sistemas de tecnologia da informação. O ataque resultou na divulgação de dados supostamente atribuídos à companhia na madrugada de 30 de novembro de 2020.

Segundo a Embraer (BOV:EMBR3), o referido ataque cibernético foi identificado em 25 de novembro de 2020, o qual indisponibilizou o acesso a apenas um único ambiente de arquivos da empresa.

Diante do ocorrido, a Embraer deu início de imediato a investigação, com o isolamento de alguns de seus sistemas e consequente impacto temporário em algumas operações.  A empresa afirma ainda que avalia os impactos sobre seus negócios e terceiros, bem como as medidas a serem tomadas.

A fabricante brasileira de aviões disse que continua a operar com o uso de alguns sistemas em regime de contingência, sem impactos relevantes sobre suas atividades.

“A companhia está empreendendo todos os seus esforços para investigar as circunstâncias do ataque, avaliar se existem impactos sobre seus negócios e terceiros, e determinar as medidas a serem tomadas”, destacou no comunicado.

Ações da companhia

As ações da Embraer acumulam queda de 58,95% neste ano. Uma das maiores fabricantes de aeronaves do mundo, vista como inovadora, ela está passando por um martírio neste ano.

Primeiro foi o cancelamento do acordo com a Boeing em abril, um negócio orçado em US$ 4,2 bilhões. A companhia americana, que vem sofrendo com os efeitos da paralisação das atividades do Boeing 737 Max e os efeitos da pandemia, informou que a empresa brasileira não “atendeu condições necessárias”, sem oferecer detalhes.

Fora isso, a Embraer está sentindo os efeitos da pandemia. Assim como outras fabricantes de aeronaves, ela viu as encomendas despencarem, com as companhias aéreas segurando encomendas e recebimento de aviões enquanto a covid-19 não permite o retorno dos voos a patamares normais.

Ela entregou um total de 28 aviões, entre comerciais, executivos e jatos leves, no terceiro trimestre, recuo de 36% em relação ao mesmo período de 2019. A carteira de pedidos firmes caiu 7%, para US$ 15,1 bilhões.

Prejuízo líquido de R$ 797,5 milhões

Embraer registrou um prejuízo líquido de R$ 797,5 milhões auferido no terceiro trimestre deste ano. Com o resultado, o prejuízo acumulado deste ano soma R$ 2,30 bilhões.

Ebitda ajustado – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização –  saiu de R$ 75 milhões no terceiro trimestre do ano passado, para R$ 1 milhão neste ano. Dessa forma, a margem Ebitda do período ficou negativa em 1%.

Deixe um comentário