Petrobras: presidente afirma que estatal cumprirá meta de venda de 8 refinarias em 2021

LinkedIn

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou que mesmo com os atrasos causados pela pandemia de covid-19, a empresa vai cumprir a meta de fechar 2021 com oito das suas 13 refinarias vendidas, como determinou o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O comunicado foi feito pelo presidente da companhia (BOV:PETR3) (BOV:PETR4) nesta segunda-feira.

Segundo o executivo, das refinarias postas à venda, seis estão com processo adiantado – e, no início de 2021, será a vez de receber propostas vinculantes para as duas unidades com processo mais atrasado, Renest (PE) e Regap (MG).

“Vamos receber as ofertas vinculantes da Repar (PR) e da Refap (RS) no dia 10 de dezembro, seis refinarias estão com a venda avançada e duas vão ter ofertas vinculantes no início do ano que vem”, disse Castello Branco, confirmando que as oito unidades serão vendidas até o final de 2021, como acordado com o Cade.

De acordo com a diretora de Refino e Gás Natural, Anelise Lara, nas próximas semanas será assinado o contrato de venda da Rlam (BA), e em nove meses o ativo será entregue ao novo dono. A Petrobras vai criar uma estatal para cada refinaria para facilitar a venda, informou Lara.

De acordo com o diretor de Comercialização e Logística, André Chiarini, após a venda das refinarias, a Petrobras poderá aumentar as exportações de petróleo bruto, mas a tendência é de que os novos donos das unidades adquiram a commodity no mercado interno, da Petrobras ou dos outros agentes. “Não faz sentido econômico importar petróleo, mas podemos também aumentar exportação”, disse Chiarini.

O aumento nos desinvestimentos da Petrobras apresentado no Plano Estratégico da empresa para o período 2021-2025 não deve se repetir, avaliou o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, que disse hoje não ver necessidade de aumentar ativos para venda. “Não vemos necessidade de aumentar ativos para desinvestimentos”, disse Castelo Branco a jornalistas durante coletiva para explicar o Plano Estratégico 2021-2025.

O Plano aumentou em US$ 5 bilhões o valor da venda de ativos em relação ao plano anterior, que previa o total de US$ 20 bilhões a US$ 30 bilhões, que evoluiu para US$ 25 bilhões a US$ 35 bilhões no novo plano, com a entrada do campo de Marlim, na bacia de Campos, e outros ativos, como gasodutos.

Segundo Castello Branco, até o final do ano que vem a Petrobras vai vender as oito refinarias que colocou à venda em 2019, como foi determinado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Com a venda, a capacidade de refino da estatal cai dos atuais 2,2 milhões de barris de petróleo por dia para 1,5 milhão de b/d.

Presente na entrevista, o diretor de Exploração e Produção, Carlos Oliveira, informou que na área de produção a queda após os desinvestimentos será de 80 mil barris por dia. Ele disse também que já recebeu propostas vinculantes para o Pólo de Urucu, incluído no programa de desinvestimentos da Petrobras, mas que ainda está em fase de avaliação.

O Polo Urucu compreende uma série de concessões de produção no estado do Amazonas (Araracanga, Arara Azul, Carapanaúba, Cupiúba, Leste do Urucu, Rio Urucu, Sudoeste Urucu), nos municípios de Tefé e Coari, em uma área de aproximadamente 350 quilômetros quadrados.

Desinvestimentos

O aumento nos desinvestimentos da Petrobras apresentado no Plano Estratégico da empresa para o período 2021-2025 não deve se repetir, avaliou o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, que disse não ver necessidade de aumentar ativos para venda. “Não vemos necessidade de aumentar ativos para desinvestimentos”, disse Castelo Branco a jornalistas durante coletiva para explicar o Plano Estratégico 2021-2025.

O Plano aumentou em US$ 5 bilhões o valor da venda de ativos em relação ao plano anterior, que previa o total de US$ 20 bilhões a US$ 30 bilhões, que evoluiu para US$ 25 bilhões a US$ 35 bilhões no novo plano, com a entrada do campo de Marlim, na bacia de Campos, e outros ativos, como gasodutos.

Segundo Castello Branco, até o final do ano que vem a Petrobras vai vender as oito refinarias que colocou à venda em 2019, como foi determinado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Com a venda, a capacidade de refino da estatal cai dos atuais 2,2 milhões de barris de petróleo por dia para 1,5 milhão de b/d.

Presente na entrevista, o diretor de Exploração e Produção, Carlos Oliveira, informou que na área de produção a queda após os desinvestimentos será de 80 mil barris por dia. Ele disse também que já recebeu propostas vinculantes para o Pólo de Urucu, incluído no programa de desinvestimentos da Petrobras, mas que ainda está em fase de avaliação.

O Polo Urucu compreende uma série de concessões de produção no estado do Amazonas (Araracanga, Arara Azul, Carapanaúba, Cupiúba, Leste do Urucu, Rio Urucu, Sudoeste Urucu), nos municípios de Tefé e Coari, em uma área de aproximadamente 350 quilômetros quadrados.

Prejuízo de R$ 1,5 bilhão; lucro líquido de R$ 3,2 bilhões excluindo itens não recorrentes

Petrobras registrou o terceiro resultado negativo seguido, com prejuízo de R$ 1,55 bilhão no terceiro trimestre deste ano, revertendo lucro de R$ 9,09 bilhões apurado no mesmo intervalo do ano anterior. Excluindo itens não recorrentes, a empresa garantiu que poderia ter registrado lucro líquido de R$ 3,2 bilhões.

“No 3T20 diversos itens não recorrentes impactaram negativamente os resultados. Destacamos a aprovação da adesão aos programas de anistia tributária afetando tanto o lucro líquido quanto o Ebitda ajustado e o prêmio pago na recompra de títulos, que afetou apenas o lucro líquido”, informou a companhia, em seu comunicado de resultados.

Deixe um comentário