Boletim Focus: Selic no fim de 2021 passa de 3,00% para 3,25%

LinkedIn

As instituições financeiras consultadas pelo Banco Central do Brasil revisaram os indicadores nas projeções do Boletim Focus desta segunda-feira (11/01/2021).

Confira as principais projeções:

Taxa Selic

Os economistas do mercado financeiro alteraram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2021. O Relatório de Mercado Focus trouxe nesta segunda-feira, 11, que a mediana das previsões para a Selic neste ano foi de 3,00% para 3,25% ao ano. Há um mês, estava em 3,00%.

No caso de 2022, a projeção foi de 4,50% para 4,75% ao ano, igual a um mês antes. Para 2023, seguiu em 6,00%, mesmo patamar de quatro semanas atrás.

Em dezembro/2020, ao manter a Selic em 2,00% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central preparou o terreno para possível elevação dos juros em 2021. O motivo é que as projeções de inflação estão se aproximando das metas perseguidas pelo BC nos próximos anos. A avaliação é de que a instituição poderá acabar com o chamado “forward guidance” (ou prescrição futura, na tradução do inglês).

Adotado em agosto, o “forward guidance” é uma indicação técnica do BC de que não pretende elevar os juros se a inflação seguir sob controle e o risco fiscal não se alterar. O problema é que, nos últimos meses, a inflação ao consumidor está mais salgada, puxada por aumentos de preços em itens como alimentos e energia. Ao avaliar o cenário, o BC afirmou que “em breve, as condições para a manutenção do forward guidance podem não mais ser satisfeitas”. Na prática, se retirar esta mensagem técnica de suas comunicações, o BC ficará mais livre para elevar os juros se achar necessário.

No grupo dos analistas que mais acertam as projeções de médio prazo no Focus (Top 5), a mediana da taxa básica em 2021 foi de 3,00% para 2,88% ao ano, ante 3,13% de um mês antes. A projeção para o fim de 2022 no Top 5 permaneceu em 4,00%. Há um mês, estava no mesmo patamar. No caso de 2023, seguiu em 4,75%, igual a quatro semanas antes.

IPCA 

Os economistas alteraram levemente a previsão para o IPCA – o índice oficial de preços – em 2020. No Relatório a mediana para o IPCA no ano passado foi de alta de 4,38% para 4,37%, há um mês, estava em 4,35%. A projeção para o índice em 2021 foi de 3,32% para 3,34%, quatro semanas atrás, estava em 3,34%.

O relatório Focus trouxe ainda a projeção para o IPCA em 2022, que seguiu em 3,50%, no caso de 2023, a expectativa permaneceu em 3,25%., há quatro semanas, essas projeções eram de 3,50% e 3,25%, nesta ordem.

A projeção dos economistas para a inflação está acima do centro da meta de 2020, de 4,00%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,50% a 5,50%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). A meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%), enquanto o parâmetro para 2023 é inflação de 3,25%, com margem de 1,5 ponto (de 1,75% a 4,75%).

Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2020 foi de 4,34% para 4,31%. Para 2021, a estimativa do Top 5 passou de 3,41% para 3,74%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 4,34% e 3,41%, respectivamente.

 No caso de 2022, a mediana do IPCA no Top 5 foi de 3,52% para 3,63%, ante 3,52% de um mês atrás. A projeção para 2023 no Top 5 seguiu em 3,50%, igual a quatro semanas antes.

A projeção mediana para o IPCA de 2020 atualizada com base nos últimos cinco dias úteis foi de 4,38% para 4,36%, conforme o Relatório Focus. Houve 49 respostas para esta estimativa no período. Há um mês, o porcentual calculado estava em 4,37%. No caso de 2021, a expectativa do IPCA dos últimos cinco dias úteis foi de 3,34% para 3,35%. Há um mês, estava em 3,34%. A atualização no Focus foi feita por 49 instituições.

Para os outros meses, o economistas alteraram a previsão para o IPCA em dezembro de 2020, de alta de 1,22% para avanço de 1,21%. Um mês antes, o porcentual projetado indicava alta de 1,19%.

Para janeiro de 2021, a projeção no Focus foi de alta de 0,30% para 0,23% e, para fevereiro de 2021, seguiu em alta de 0,38%. Há um mês, os porcentuais indicavam elevações de 0,37% e 0,39%, nesta ordem. No Focus agora divulgado, a inflação suavizada para os próximos 12 meses foi de alta de 3,56% para 3,39% de uma semana para outra – há um mês, estava em 3,99%.

PIB

O mercado financeiro alterou levemente suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. Conforme o Relatório, a expectativa para a economia no ano passado passou de retração de 4,36% para queda de 4,37%. Há quatro semanas, a estimativa era de baixa de 4,41%. Para 2021, o mercado financeiro também alterou levemente a previsão do Produto Interno Bruto (PIB), de alta de 3,40% para 3,41%. Quatro semanas atrás, estava em 3,50%.

No Focus divulgado hoje, a projeção para a produção industrial de 2020 passou de baixa de 5,00% para queda de 4,94%, há um mês, estava em baixa de 5,00%. No caso de 2021, a estimativa de crescimento da produção industrial seguiu em 4,78%, ante 5,00% de quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2020 passou de 64,60% para 63,75%. Há um mês, estava em 65,70%. Para 2021, a expectativa foi de 66,30% para 64,95%, ante 67,01% de um mês atrás.

Déficit primário

O Relatório trouxe a manutenção na projeção para o resultado primário do governo em 2020. A relação entre o déficit primário e o PIB no ano passado seguiu em 10,60%. No caso de 2021, permaneceu em 3,00%, há um mês, os porcentuais estavam em 11,50% e 2,90%, respectivamente.

Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2020 foi de 15,00% para 14,95%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2021, seguiu em 7,00%, há quatro semanas, estas relações estavam em 15,20% e 7,00%, nesta ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Os avanços nas projeções nos últimos meses refletem a expectativa de que, com o aumento das despesas do governo durante a pandemia do novo coronavírus, o País terá um cenário fiscal ainda mais difícil.

Balança comercial

Os economistas alteraram a projeção para a balança comercial em 2021 na pesquisa Focus, de superávit comercial de US$ 55,10 bilhões para US$ 55,00 bilhões. Um mês atrás, a previsão era de US$ 56,50 bilhões. Para 2022, a estimativa de superávit foi de US$ 48,90 bilhões para US$ 50,00 bilhões. Há um mês, estava em US$ 49,45 bilhões.

No caso da conta corrente do balanço de pagamentos, a previsão contida no Focus para 2020 foi de déficit de US$ 4,60 bilhões para US$ 4,50 bilhões, ante US$ 4,45 bilhões de um mês antes. Para 2021, a projeção de rombo seguiu em US$ 16,00 bilhões. Um mês atrás, o rombo projetado era de US$ 17,00 bilhões.

Para os analistas consultados semanalmente pelo Banco Central, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será suficiente para cobrir o resultado deficitário nestes anos. A mediana das previsões para o IDP em 2020 seguiu em US$ 40,00 bilhões. Há um mês, estava em US$ 41,30 bilhões. Para 2021, a expectativa permaneceu em US$ 60,00 bilhões, igual a um mês antes.

Câmbio 

O Relatório mostrou manutenção no cenário para o dólar em 2021, a mediana das expectativas para o câmbio no fim do ano seguiu em R$ 5,00, ante R$ 5,03 de um mês atrás. Já para 2022, a projeção dos economistas do mercado financeiro para o câmbio permaneceu em R$ 4,90, ante R$ 4,95 de quatro pesquisas atrás.

 (Com informações do BC e Estadão)

Deixe um comentário