Copom inicia primeira reunião do ano para definir juros básicos

LinkedIn

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) promove hoje (19) a primeira parte da reunião para definir a taxa básica de juros, a Selic. Amanhã (20), após a segunda parte da reunião, será anunciada a taxa ao final do dia.

Terminou às 12h42 a reunião, encontro havia começado às 10h06. Participaram o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e oito diretores da instituição. À tarde, ocorre a reunião de Análise de Conjuntura, também no âmbito do Copom.

Na quarta-feira, 20, eles têm mais uma rodada de discussões antes de decidirem o novo patamar da Selic (a taxa básica de juros), atualmente em 2,00% ao ano.

De um total de 58 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, todas esperam pela manutenção da Selic em 2,00% ao ano. Para o fim de 2021, as casas esperam desde uma Selic estável em 2,00% até um aumento dos juros a 4,75% ao ano. A mediana é de 3,50%.

Meta de inflação

A Selic representa o principal instrumento do governo para controlar a inflação, garantindo que ela fique dentro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para 2021, a meta está em 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior, 5,25%.

Para 2022, a meta é 3,5%, também com intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Até alguns meses atrás, as instituições financeiras projetavam inflação abaixo do centro de meta. A situação, no entanto, mudou com a recente alta no preço dos alimentos. Os analistas consultados no boletim Focus agora projetam que a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) terminará o ano em 3,43%. Para 2022, a estimativa está em 3,5%.

Controle da demanda

O Banco Central atua diariamente por meio de operações de mercado aberto – comprando e vendendo títulos públicos federais – para manter a taxa de juros próxima ao valor definido na reunião.

A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada em negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia.

Ao manter a Selic no mesmo patamar, o Copom considera que as alterações anteriores nos juros básicos foram suficientes para chegar à meta de inflação, objetivo que deve ser perseguido pelo BC.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo.

Quando o Copom aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Veja também: 
Balança comercial brasileira registrou déficit de US$ 2,634 bilhões
IBC-Br sobe 0,59% em novembro atingindo sétimo mês consecutivo de alta
IPC-S desacelera ficando 0,27 ponto abaixo da taxa registrada na última divulgação

(Com informações da Agencia Brasil)

Deixe um comentário