Pedidos semanais de seguro-desemprego nos EUA totalizaram 900.000, ficando abaixo da estimativa

LinkedIn

O número de americanos que entraram com novos pedidos de seguro-desemprego diminuiu modestamente na semana passada, com a pandemia de COVID-19 se espalhando pelo país, aumentando o risco de um segundo mês consecutivo de perda de empregos.

Os pedidos iniciais de subsídio de desemprego estadual totalizaram 900.000 ajustados sazonalmente para a semana encerrada em 16 de janeiro, em comparação com 926.000 na semana anterior, disse o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira, economistas  previam 910 mil inscrições na última semana.

As infecções descontroladas por coronavírus estão interrompendo as operações em empresas como restaurantes, academias e outros estabelecimentos onde as multidões tendem a se reunir, reduzindo as horas de muitos trabalhadores e empurrando outros para fora do emprego.

Os consumidores também estão se acomodando em casa, levando a um enfraquecimento da demanda. O vírus infectou mais de 24 milhões de pessoas, com o número de mortos ultrapassando 400.000 desde o início da pandemia nos Estados Unidos.

Parte da elevação nos sinistros reflete as pessoas que se inscreveram novamente para receber benefícios após a recente renovação do governo de um suplemento de desemprego de US$ 300 até 14 de março como parte do último alívio da pandemia. Os programas financiados pelo governo para os autônomos, trabalhadores temporários e outros que não se qualificam para os programas de desemprego estaduais, bem como aqueles que esgotaram seus benefícios, também foram estendidos no estímulo fiscal de quase US$ 900 bilhões.

Os dados de sinistros também são difíceis de ajustar para as flutuações sazonais no início do ano, uma tarefa que se tornou ainda mais difícil devido ao choque causado pelo coronavírus.

No entanto, dados recentes mostraram que a recuperação do mercado de trabalho estagnou.

Os dados de sinistros cobriram a semana em que o governo pesquisou os estabelecimentos para o componente da folha de pagamento não-agrícola do relatório de empregos de janeiro.

“Neste ponto, pensamos que é uma questão em aberto se as folhas de pagamento não-agrícolas voltarão para a coluna positiva em uma base ajustada sazonalmente neste mês”, disse Lou Crandall, economista-chefe da Wrightson ICAP em Jersey City.

A economia cortou 140.000 empregos em dezembro, a primeira perda de empregos desde abril, quando as autoridades de todo o país aplicaram medidas de permanência em casa para reduzir a propagação do vírus. As vendas no varejo caíram pelo terceiro mês consecutivo em dezembro.

Embora os pedidos de auxílio-desemprego tenham caído de um recorde de 6,867 milhões em março, eles permanecem acima do pico de 665.000 durante a Grande Recessão de 2007-09.

A economia recuperou 12,4 milhões dos 22,2 milhões de empregos perdidos em março e abril. Os economistas dizem que pode levar vários anos para o mercado de trabalho se recuperar da pandemia.

Veja também:
BCE decide manter taxa de juros inalteradas
BC do Japão deixa inalterada sua política monetária e melhora projeção econômica para o próximo ano fiscal
Destaques de Wall Street: United Airlines, Travelers, Corteva, Baidu e outros destaques desta quinta-feira

(Com informações da CNBC)

Deixe um comentário