Taxa de desemprego na Grã-Bretanha atingiu seu maior nível em quase cinco anos

LinkedIn

A taxa de desemprego na Grã-Bretanha atingiu seu maior nível em quase cinco anos nos três meses até novembro, quando os casos de coronavírus começaram a aumentar pela segunda vez e a maior parte do país voltou a um bloqueio parcial.

As demissões atingiram um recorde histórico, levando a taxa de desemprego para 5,0%, a maior desde meados de 2016, de acordo com dados oficiais, embora o aumento tenha sido um pouco mais fraco do que as previsões dos economistas.

Houve alguns sinais de uma recuperação limitada em dezembro, quando as medidas de bloqueio diminuíram, embora uma deterioração seja provável no início de 2021, pois um bloqueio mais severo fechou escolas e a maioria dos negócios não essenciais ao público.

Os dados fiscais de dezembro mostraram um aumento de 52.000 no número de funcionários nas folhas de pagamento das empresas em relação a novembro, mas havia 828.000 trabalhadores a menos nas folhas de pagamento do que em fevereiro.

Economistas disseram que os dados mostram que o mercado de trabalho está se segurando melhor do que muitos analistas temiam.

O desemprego foi mantido baixo pelo Programa de Retenção de Empregos do governo, que sustentava 2,4 milhões de empregos em 31 de outubro, ante um pico de 8,9 milhões em maio.

O programa é a medida de apoio econômico COVID-19 mais cara da Grã-Bretanha, custando 46,4 bilhões de libras (US$ 63 bilhões) até meados de dezembro, e deve terminar em 30 de abril.

“Esta crise já dura muito mais tempo do que qualquer um de nós esperava – e cada emprego perdido como resultado é uma tragédia”, disse o ministro das Finanças, Sunak, após os dados de terça-feira. “Estamos jogando tudo o que temos para apoiar empresas, indivíduos e famílias.”

Tej Parikh, economista-chefe do Instituto de Diretores, pediu a Sunak que estendesse o apoio aos empregos em seu orçamento de 3 de março.

“O último bloqueio só terá adicionado mais pressão sobre as empresas com balanços patrimoniais problemáticos, o que significa que mais empregos serão perdidos nos próximos meses”, disse Parikh.

O número de pessoas empregadas caiu 88.000 nos três meses até o final de novembro, a menor queda desde o início da pandemia e menos do que a queda de 100.000 prevista por economistas em uma pesquisa da Reuters.

O governador do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, disse neste mês que acreditava que a taxa de desemprego subjacente era mais alta, já que a definição oficial exclui pessoas sem trabalho que adiaram temporariamente sua procura de emprego devido à pandemia.

Os dados mostraram que o crescimento dos salários aumentou 3,6% ao ano, o maior aumento em mais de um ano.

Mas o ONS disse que o aumento reflete em grande parte como o impacto dos cortes de empregos e da perda de salários recaiu sobre os trabalhadores em setores de baixa remuneração e sobre os trabalhadores de meio período. O crescimento salarial subjacente foi inferior a 2%, disse.

(Com informações da Reuters)

Deixe um comentário