Confira os Indicadores Econômicos desta quarta-feira (24/02/2021)

LinkedIn

Confira os principais indicadores econômicos desta quarta-feira (24/02/2021), em destaque os estoques de petróleo nos Estados Unidos aumentaram 1,285 milhão de barris na semana encerrada no dia 19 deste mês, a 463,042 milhões de barris, informou nesta quarta-feira, 24, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês).

Brasil

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M)  subiu 1,07% em fevereiro, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando o índice registrou taxa de 0,93%. Com este resultado, o índice acumula alta de 2,00% no ano e de 10,18% em 12 meses.

Em fevereiro de 2020, o índice variou 0,35% no mês e acumulava alta de 4,15% em 12 meses. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 1,26% em janeiro para 2,14% em fevereiro. O índice referente à Mão de Obra passou de 0,61% em janeiro para 0,03% em fevereiro.

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) do FGV IBRE subiu 2,2 pontos em fevereiro, para 78 pontos, após quatro meses de perdas consecutivas. Medido em médias móveis trimestrais, o ICC manteve a tendência de queda, com redução de 1,2 ponto.

Em fevereiro, houve melhora tanto da percepção dos consumidores em relação ao momento presente quanto das expectativas para os próximos meses. Ambos, porém, se mantém em patamar desfavorável e em nível inferior ao observado em dezembro. O Índice de Situação Atual (ISA) aumentou 1,4 ponto, para 69,5 pontos enquanto o Índice de Expectativas (IE) subiu 2,7 pontos, para 84,8 pontos.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), a prévia da inflação oficial, ficou em 0,48% em fevereiro, após registrar 0,78% em janeiro. Esse é o maior resultado para um mês de fevereiro desde 2017, quando o índice foi de 0,54%. Em 12 meses, o IPCA-15 acumula alta de 4,57%, acima dos 4,30% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em fevereiro de 2020, a taxa foi de 0,22%. Os dados foram divulgados hoje (24) pelo IBGE

Com alta de 1,11%, os transportes aceleraram em relação ao resultado de janeiro (0,14%) e foi o grupo com maior impacto (0,22 pontos percentuais), puxado pela alta dos preços dos combustíveis (3,34%). O maior impacto individual no índice do mês (0,17 p.p.) veio da gasolina, cujos preços subiram pelo oitavo mês consecutivo (3,52%). Também houve altas nos preços do óleo diesel (2,89%), do etanol (2,36%) e do gás veicular (0,61%).

O déficit em transações correntes totalizou US$7,3 bilhões em janeiro de 2021, ante déficit de US$10,3 bilhões em janeiro de 2020. A redução no déficit decorreu das retrações de US$1,4 bilhão e de US$0,9 bilhão nas despesas líquidas de serviços e de renda primária, respectivamente, além do aumento de US$0,6 bilhão no saldo da balança comercial.

O déficit em transações correntes nos doze meses encerrados em janeiro de 2021 somou US$9,4 bilhões (0,65% do PIB), ante US$52,8 bilhões (2,85% do PIB) em janeiro de 2020 e US$12,5 bilhões (0,87% do PIB) em dezembro de 2020.

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) cresceu 0,99% em janeiro e fechou o mês em R$ 5,059 trilhões. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 24, pelo Tesouro Nacional. No fim de dezembro, o estoque estava em R$ 5,009 trilhões.

A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 42,94 bilhões no mês passado, enquanto houve emissão líquida de R$ 6,81 bilhões. A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 1,16% em janeiro fechou o mês em R$ 4,821 trilhões. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 2,29% menor no mês, somando R$ 237,88 bilhões ao fim de janeiro.

O Tesouro Nacional apresentou nesta quarta-feira, 24, a nova metodologia de cálculo do custo médio das emissões de títulos da Dívida Pública Federal (DPF), que passou de 4,44% ao ano em dezembro para 4,65% ao ano em janeiro. De acordo com o Tesouro, a metodologia de apuração anterior capturava o tempo de permanência de cada emissão em estoque. Com isso, o cálculo acabava atribuindo um peso maior às emissões mais antigas na janela de 12 meses.

Com a mudança de metodologia, o indicador passou a capturar as taxas dos leilões, a variação dos indexadores e o volume das emissões de maneira equânime na janela móvel de 12 meses. Segundo o Tesouro, a nova fórmula produz resultados mais alinhados às condições de mercado no momento da apuração do indicador.

Estados Unidos

As vendas de moradias novas nos Estados Unidos subiram 4,3% entre dezembro e janeiro, para uma taxa anual sazonalmente ajustada de 923 mil unidades, segundo dados com publicados nesta quarta-feira, 24, pelo Departamento do Comércio do país.

A leitura superou previsões de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que estimavam alta menor, de 0,9% no período, com taxa anual 850 mil novas moradias vendidas.

Os estoques de petróleo nos Estados Unidos aumentaram 1,285 milhão de barris na semana encerrada no dia 19 deste mês, a 463,042 milhões de barris, informou nesta quarta-feira, 24, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam queda de 4,9 milhões de barris.

Apesar do avanço surpreendente, os mercados repercutiram o recuo de 2,6 milhões na produção das refinarias, refletindo a paralisação imposta pela tempestade de frio no Texas. Com isso, por volta das 12h55, o barril do WTI para abril subia 2,24%, a US$ 63,04, e o do Brent para mesmo mês se elevava 2,54%, a US$ 67,02

Já os estoques de gasolina aumentaram 12 mil barris, a 257,096 milhões de barris, ante expectativa de perda de 3 milhões barris. Os estoques de destilados tiveram queda de 5,969 milhões de barris, a 152,715 milhões de barris, quando a previsão era de baixa de 4,4 milhões de barris.

Europa

Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha cresceu 0,3% no quarto trimestre de 2020 ante o terceiro trimestre em meio a restrições para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus, segundo dados finais divulgados nesta quarta-feira, 24, pela Destatis, como é conhecida a agência de estatísticas do país.

Na comparação anual, a maior economia da Europa sofreu contração de 3,7% entre outubro e dezembro.

Os resultados vieram acima das estimativas originais e das previsões de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de alta de 0,1% no confronto trimestral e de queda de 3,9% ante um ano antes, em ambos os casos.

Deixe um comentário