Confira os Indicadores Econômicos desta quinta-feira (04/02/2021)

LinkedIn

Confira os principais indicadores econômicos desta quinta-feira (04/02/2021), em destaque os novos pedidos de produtos feitos nos EUA aumentaram mais do que o esperado em dezembro e os gastos das empresas com equipamentos foram sólidos.

Brasil

Após abrir o ano com o menor estoque da história, o total de veículos nos pátios de montadoras e concessionárias fechou janeiro em volume suficiente a 18 dias de venda, um pouco acima dos 17 dias de dezembro, em giro que considera o ritmo de emplacamentos do mês passado.

No início de janeiro, a Anfavea, entidade que representa as montadoras, anunciou um giro menor, de apenas 12 dias, mas tendo como referência, naquele momento, as vendas de dezembro, um mês tradicionalmente mais aquecido.

índice de preços dos alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) subiu 4,3% em janeiro, na comparação com o mês anterior, alcançando média de 113,3 pontos, na oitava alta consecutiva.

Desta vez, o índice também atingiu o maior nível desde julho de 2014. Além disso, houve uma revisão para cima da média de dezembro, de 107,5 para 108,6, informou a FAO. A alta dos preços foi liderada pelos cereais, açúcar e óleos vegetais, disse a agência de alimentos das Nações Unidas, nesta quinta-feira.

As preocupações com a segurança alimentar levaram a Argentina e a Rússia, grandes produtores e exportadores de grãos, a apertar os controles de vendas externas nos últimos meses.

Estados Unidos

produtividade dos trabalhadores dos EUA caiu em seu ritmo mais vertiginoso desde 1981 no quarto trimestre, mas a tendência permanece sólida, já que a pandemia de COVID-19 pesa sobre os setores menos produtivos, como lazer e hotelaria.

O Departamento do Trabalho disse nesta quinta-feira que a produtividade não agrícola, que mede a produção horária por trabalhador, caiu 4,8% no último trimestre. Esse foi o ritmo de contração mais profundo desde o segundo trimestre de 1981.

Os dados do terceiro trimestre foram revisados ​​para cima para mostrar a produtividade crescendo a um ritmo de 5,1% em vez da taxa de 4,6% relatada anteriormente. A produtividade aumentou 2,6% em 2020 em comparação com 1,7% em 2019.

O número de americanos que entraram com novos pedidos de seguro-desemprego diminuiu na semana passada, sugerindo que o mercado de trabalho estava se estabilizando à medida que as autoridades começaram a afrouxar as restrições às empresas relacionadas à pandemia.

Os pedidos iniciais de subsídio de desemprego do estado totalizaram 779.000 ajustados sazonalmente para a semana encerrada em 30 de janeiro, em comparação com 812.000 na semana anterior, o Departamento do Trabalho disse na quinta-feira. Economistas previam 830 mil inscrições na última semana.

Os pedidos de seguro-desemprego permanecem acima do pico de 665.000 durante a Grande Recessão de 2007-09, mas bem abaixo do recorde de 6,867 milhões em março passado, quando a pandemia atingiu as costas dos Estados Unidos.

Os novos pedidos de produtos feitos nos EUA aumentaram mais do que o esperado em dezembro e os gastos das empresas com equipamentos foram sólidos, apontando para o fortalecimento contínuo da indústria de manufatura no curto prazo.

O Departamento de Comércio disse nesta quinta-feira que os pedidos às fábricas aumentaram 1,1%, após alta de 1,3% em novembro. Economistas previam que as encomendas às fábricas aumentassem 0,7% em dezembro. Os pedidos caíram 6,6% com relação ao ano anterior.

A manufatura, que representa 11,9% da economia dos EUA, foi impulsionada pela forte demanda por bens como eletrônicos e móveis, já que 23,7% da força de trabalho trabalha em casa por causa da pandemia COVID-19.

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, voltou a fazer uma defesa de um pacote fiscal robusto, no quadro atual de pandemia da covid-19.

Durante entrevista à ABC News, Yellen enfatizou nesta quinta-feira, 4, a necessidade de “agir grande” e “com vigor” nos estímulos, ao destacar os grandes problemas econômicos enfrentados pelo país, como o desemprego e o aumento na pobreza.

Yellen afirmou que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está “realmente comprometido” com o tema e deseja um acordo bipartidário. “Ele quer cooperar”, disse.

Europa

As vendas no varejo da zona do euro subiram 2% em dezembro ante novembro, apesar do recrudescimento de medidas de restrição motivadas pela pandemia de covid-19, segundo dados publicados nesta quinta-feira pela agência oficial de estatísticas da União Europeia (UE), a Eurostat.

O resultado superou de longe a expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam alta de 0,5% no período. Na comparação anual, o setor varejista do bloco ampliou as vendas em 0,6% em dezembro.

Banco da Inglaterra (BoE, pela sigla em inglês) manteve sua taxa básica de juros em 0,10% e o tamanho do seu programa de relaxamento quantitativo (QE) em 895 bilhões de libras, como previsto por analistas. Segundo comunicado divulgado após o fim da reunião de política monetária desta quinta-feira, os nove dirigentes do banco central inglês foram unânimes em ambas as decisões.

Ainda no comunicado, o BoE avalia que a perspectiva econômica do Reino Unido continua “incomumente incerta” e depende da evolução da pandemia de covid-19. A campanha de vacinação que está em andamento poderá levar a um relaxamento das atuais medidas de restrição, disse a instituição.

O BoE também disse prever que o PIB britânico encolherá cerca de 4% neste primeiro trimestre, mudando expectativas de novembro de que haveria crescimento, e afirmou estar pronto para tomar medidas adicionais se a perspectiva de inflação piorar.

Ásia

Os futuros do minério de ferro tiveram forte queda nesta quinta-feira, após a brasileira Vale ter divulgado dados fracos de produção anual que mostram a companhia ainda lutando para recuperar plenamente suas operações após um desastre em uma barragem há dois anos e a pandemia de coronavírus.

O minério de ferro na bolsa de commodities chinesa de Dalian encerrou o pregão diurno com alta de 5,3%, a 991 iuanes (153,41 dólares) por tonelada, após dois dias de perdas.

Na bolsa de Cingapura, o material utilizado na fabricação do aço subia 5,2% no meio da sessão, para 154,50 dólares por tonelada.

Deixe um comentário