Confira os Indicadores Econômicos desta segunda-feira (01/02/2021)

LinkedIn

Confira os principais indicadores econômicos desta segunda-feira (01/02/2021), em destaque a atividade manufatureira dos EUA desacelerou ligeiramente em janeiro, enquanto uma medida dos preços pagos pelas fábricas por matérias-primas e outros insumos saltaram para seu nível mais alto em quase 10 anos.

Brasil

O IPC-S de 31 de janeiro de 2021 variou 0,27%, ficando 0,15 ponto percentual (p.p) abaixo da taxa registrada na última divulgação. Com este resultado, o indicador acumula alta de 0,27% no ano e 4,84% nos últimos 12 meses.

Nesta apuração, quatro das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Habitação (-0,23% para -1,16%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de -2,21% para -6,69%.

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) recuou 2,2 pontos em janeiro, para 93,0 pontos. Em médias móveis trimestrais, o ICE mantém a tendência de queda iniciada no mês passado e recua 1,4 ponto no mês. O Índice de Confiança Empresarial (ICE) consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pela FGV IBRE: Indústria, Serviços, Comércio e Construção.

O Índice de Situação Atual Empresarial (ISA-E) cedeu pela segunda vez, agora em 2,7 pontos, para 95,1 pontos. O Índice de Expectativas (IE-E) recuou 0,6 ponto, na quarta queda consecutiva, para 93,7 pontos.

indústria brasileira iniciou 2021 perdendo força, afetada pelo menor crescimento de novas encomendas e produção desde meados do ano passado e por maior cautela das empresas, apontou hoje a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

O IHS Markit informou que seu índice PMI caiu a 56,5 em janeiro, de 61,5 em dezembro. Embora tenha permanecido acima da marca de 50, que separa crescimento de contração, a leitura foi a mais baixa desde junho do ano passado.

Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2021. O Relatório de Mercado Focus trouxe nesta segunda-feira que a mediana das previsões para a Selic neste ano seguiu em 3,50% ao ano, há um mês, estava em 3,00%.

Os economistas alteraram a previsão para o IPCA – o índice oficial de preços – em 2021. O Relatório mostra que a mediana para o IPCA este ano foi de alta de 3,50% para 3,53%. Há um mês, estava em 3,32%, a projeção para o índice em 2022 seguiu em 3,50%, quatro semanas atrás, estava no mesmo patamar.

A projeção mediana para o IPCA de 2021 atualizada com base nos últimos 5 dias úteis seguiu em 3,60%, conforme o Relatório Focus. Houve 40 respostas para esta projeção no período. Há um mês, o porcentual calculado estava em 3,34%. No caso de 2022, a projeção do IPCA dos últimos 5 dias úteis foi de 3,50% para 3,49%. Há um mês, estava em 3,50%. A atualização no Focus foi feita por 39 instituições.

Os economistas alteraram levemente suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2021. Conforme o Relatório, a expectativa para a economia este ano passou de alta de 3,49% para elevação de 3,50%. Há quatro semanas, a estimativa era de 3,40%. Para 2022, o mercado financeiro manteve a previsão do PIB em alta de 2,50%. Quatro semanas atrás, estava no mesmo patamar.

O Relatório trouxe alteração na projeção para o resultado primário do governo em 2021. A relação entre o déficit primário e o PIB este ano foi de 2,80% para 2,75%. No caso de 2022, foi de 2,16% para 2,08%. Há um mês, os porcentuais estavam em 3,00% e 2,11%, respectivamente.

Os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção para a balança comercial em 2021 na pesquisa Focus, em superávit comercial de US$ 55,00 bilhões. Um mês atrás, a previsão era de US$ 55,10 bilhões. Para 2022, a estimativa de superávit foi de US$ 49,30 bilhões para US$ 49,70 bilhões. Há um mês, estava em US$ 48,90 bilhões.

O Relatório de Mercado mostrou leve mudança no cenário para a moeda norte-americana em 2021. A mediana das expectativas para o câmbio no fim período foi de R$ 5,00 para R$ 5,01, ante R$ 5,00 de um mês atrás. Para 2022, a projeção para o câmbio seguiu em R$ 5,00, ante R$ 4,90 de quatro pesquisas atrás.

A balança comercial brasileira iniciou o ano com déficit de US$ 1,125 bilhão em janeiro. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 1º de fevereiro, pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia. No primeiro mês de 2020, o resultado também havia sido negativo, em US$ 1,684 bilhão.

O déficit do primeiro mês de 2021 veio menor do que o estimado por analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast. A mediana era de saldo negativo de US$ 2,09 bilhões, obtido a partir de intervalo de déficit de US$ 3,212 bilhões a saldo positivo de US$ 4,1 bilhões.

 

Europa 

crescimento da manufatura na zona do euro permaneceu resiliente no início do ano, mas o ritmo diminuiu em relação a dezembro, com a renovação das medidas de bloqueio em todo o continente, junto com a escassez de oferta, prejudicando a atividade, mostrou uma pesquisa.

Com as infecções por coronavírus aumentando novamente na Europa, os países forçaram uma vasta parte da indústria de serviços dominante do bloco a fechar suas portas, deixando a manufatura para sustentar a economia, já que as fábricas permaneceram abertas.

desemprego na zona do euro ficou estável em 8,3% da força de trabalho em dezembro, disse o escritório de estatísticas da União Europeia, Eurostat, nesta segunda-feira, apesar dos contínuos bloqueios por coronavírus na maioria dos países da zona do euro.

O resultado veio em linha com a previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, a Eurostat estima que havia 13,671 milhões de desempregados na zona do euro em dezembro de 2020.

índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial do Reino Unido caiu de 57,5 em dezembro para 54,1 em janeiro, atingindo o menor nível em três meses, segundo dados finais publicados nesta segunda-feira pela IHS Markit em parceria com a CIPS.

O índice de gerentes de compras industrial da Alemanha caiu de 58,3 em dezembro para 57,1 em janeiro, atingindo o menor nível em quatro meses, segundo pesquisa final divulgada nesta segunda-feira pela IHS Markit.

As vendas no varejo da Alemanha sofreram acentuada queda de 9,6% em dezembro ante novembro em meio a restrições motivadas por uma segunda onda de contaminação pelo novo coronavírus, segundo dados com ajustes sazonais divulgados nesta segunda-feira, 1, pela agência de estatísticas do país, a Destatis.

Na comparação anual, por outro lado, as vendas no varejo alemão tiveram expansão de 1,5% em dezembro. Em todo o ano de 2020, o setor varejista da Alemanha garantiu alta de 3,9% nas vendas em relação a 2019, informou a Destatis.

A manufatura francesa ganhou ímpeto em janeiro pelo ritmo mais rápido em seis meses, à medida que a demanda dos clientes se firmava e apesar das crescentes perspectivas de um novo bloqueio por coronavírus, revelou uma pesquisa mensal nesta segunda-feira. O resultado também foi ligeiramente melhor do que uma leitura preliminar de 51,5 e trouxe o índice para longe da linha de 50 pontos que divide expansões na atividade de contrações.

Estados Unidos 

atividade manufatureira dos EUA desacelerou ligeiramente em janeiro, enquanto uma medida dos preços pagos pelas fábricas por matérias-primas e outros insumos saltaram para seu nível mais alto em quase 10 anos, fortalecendo as expectativas de que a inflação se recuperará este ano.

O Institute for Supply Management (ISM) disse na segunda-feira que seu índice de atividade fabril nacional caiu para uma leitura de 58,7 no mês passado, de 60,5 em dezembro. Uma leitura acima de 50 indica expansão da indústria, que responde por 11,9% da economia dos EUA. Economistas ouvidos pela Reuters previam o índice em 60 em janeiro. Os dados revisados ​​do ISM remontam a 2012.

A manufatura tem sido impulsionada pela forte demanda por bens, como eletrônicos e móveis, já que 23,7% da força de trabalho trabalha em casa por causa da pandemia de COVID-19. Mas os gastos com bens manufaturados de longa duração caíram pelo segundo mês consecutivo em dezembro, mostraram dados do governo na sexta-feira.

Os gastos com construção nos Estados Unidos atingiram máxima recorde em dezembro, uma vez que as baixas taxas hipotecárias impulsionaram projetos privados.

O Departamento do Comércio informou nesta segunda-feira que os gastos com construção aumentaram 1,0%, para 1,490 trilhão de dólares, nível mais elevado desde o início da série, em 2002.

Ásia

Índice de Gerentes de Compras da indústria chinesa desacelerou de 53,0 em dezembro para 51,5 em janeiro, informaram a IHS Markit e a Caixin neste domingo, 31, pelo horário de Brasília. Quando acima de 50 pontos, o indicador representa expansão da atividade em relação ao mês anterior.

O índice de produção em janeiro foi o menor em nove meses, enquanto o indicador de novos pedidos atingiu o menor nível em sete meses. As empresas consultadas na pesquisa afirmaram que a demanda do mercado continua forte, mas foi impactada pelo ressurgimento da covid-19 no país.

Deixe um comentário