Ouro para abril fecha em queda de 1,45%, cotado a US$ 1.772,80

LinkedIn

O ouro estendeu sua queda para a quinta sessão, caindo para uma baixa de mais de dois meses nesta quarta-feira, com as apostas por uma recuperação econômica impulsionando o dólar e os rendimentos de referência do Tesouro.

Os investidores também aguardaram pistas de política das atas da reunião de janeiro do Federal Reserve dos EUA.

O ouro à vista caiu 0,9% para US$ 1.778,61 por onça, tendo atingido seu nível mais baixo desde 30 de novembro quando chegou a US$ 1.773,32. O contrato de ouro para abril fechou em queda de 1,45%, cotado a US$ 1.772,80 a onça-troy.

“A economia dos EUA deve se recuperar lentamente”, disse David Meger, diretor de comércio de metais da High Ridge Futures.

O otimismo em relação à pandemia está sendo notada em um dólar ligeiramente firme e nos rendimentos de 10 anos, que atingiram o valor mais alto desde fevereiro de 2020, acrescentou Meger.

O otimismo crescente para um plano de estímulo de US$ 1,9 trilhão e as expectativas de inflação crescentes apoiaram os rendimentos de referência do Tesouro, que por sua vez empurraram o dólar para um pico de mais de uma semana. A inflação de equilíbrio, uma medida da inflação esperada, está no seu nível mais alto desde agosto de 2014 em 2,2%.

Embora o ouro seja considerado um hedge de inflação provavelmente estimulado por estímulos generalizados, rendimentos mais altos desafiaram esse status, uma vez que aumentam o custo de oportunidade de manter ouro não produtivo.

O ouro pode voltar à preferência assim que outras moedas começarem a ter desempenho superior ao dólar americano no final deste ano, disse o analista da OANDA Craig Erlam.

A platina do catalisador automotivo caiu 1,8% para US$ 1.239,20 a onça, o paládio caiu 0,6% para US$ 2.369,00, enquanto a prata caiu 0,7% para US$ 27,03.

(Com informações da CNBC)

Deixe um comentário