Petróleo fecha em alta de 0,85%, a US$ 59,34 por barril

LinkedIn

Os preços do petróleo atingiram seu maior pico em um ano nesta sexta-feira, fechando em US$ 60 o barril, apoiados pelas esperanças de renascimento econômico e restrições de oferta pelo grupo de produtores OPEP e seus aliados.

O petróleo também foi apoiado, já que os mercados de ações dos EUA atingiram altas recordes em sinais de progresso em direção a mais estímulos econômicos, enquanto um relatório de empregos observado de perto confirmou que o mercado de trabalho estava se estabilizando.

O petróleo Brent fechou em alta de 0,85%, a US$ 59,34 por barril. O petróleo bruto US West Texas Intermediate fixou-se em 1,1% superior, a US$ 56,85 por barril. O contrato atingiu seu maior nível desde 22 de janeiro, e registrou sua melhor semana desde outubro.

“Brent está de olho no nível de US$ 60 agora que a OPEP+ aliviou com sucesso a maioria das preocupações do lado da oferta e o otimismo na frente de COVID melhora globalmente”, disse Edward Moya, analista de mercado sênior da OANDA em Nova York.

“Os fundamentos permanecem sólidos para o petróleo, mas uma consolidação parece provável devido ao aumento recente.”

O Brent está a caminho de subir mais de 6% esta semana. A última vez que foi negociado a US$ 60 o barril, a pandemia ainda não havia se estabelecido, as economias estavam abertas e as pessoas estavam livres para viajar, o que significa que a demanda por gasolina, diesel e combustível para aviação era muito maior.

O lançamento de vacinas COVID-19, no entanto, está alimentando esperanças de bloqueio sendo facilitado, aumentando a demanda de combustível. Mas mesmo os otimistas da demanda, como a OPEP, não esperam que o consumo de petróleo volte aos níveis anteriores à pandemia até 2022.

O petróleo também ganhou apoio de restrições de oferta por parte dos produtores. A OPEP e seus aliados, conhecidos coletivamente como OPEP +, mantiveram sua política de aperto da oferta em uma reunião na quarta-feira. Os cortes recordes da OPEP + ajudaram a elevar os preços de baixas históricas no ano passado.

Impulsionando ainda mais o mercado, um relatório semanal de oferta mostrou uma queda nos estoques de petróleo dos EUA para o seu nível mais baixo desde março, sugerindo que os cortes de produção pelos produtores OPEP + estão tendo o efeito desejado.

 (Com informações da CNBC)

Deixe um comentário