Qual é o papel que você procura na Bolsa? Talvez a Suzano (SUZB3) tenha o que você precisa

LinkedIn

Dizem que todo mundo tem que fazer três coisas na vida:

  • Plantar uma árvore
  • Escrever um livro
  • Ter um filho

Independente se você está em dia com esse legado, mas, se a Suzano (BOV:SUZB3) fosse uma pessoa, ela já teria cumprido com essas três realizações da vida humana. Afinal, essa é uma empresa de celulose e papel, ou seja, tem tudo a ver com árvores e também com a sustentabilidade do negócio e suas folhas em branco de papel permitem escrever diversas histórias em vários países. Para completar, em vez de um “filho”, a Suzano tem mais de 35 mil colaboradores.

Ainda que você nunca tenha entrado a fundo para descobrir mais sobre as operações da Suzano, ela está mais presente na sua vida do que você imagina. Já teve filho? Com certeza ele precisou de fralda um dia e, quando cresceu, a escola pediu papel sulfite para desenhar. Se prefere bichinhos de quatro patas, então com certeza já precisou de tapete descartável para pets.

Já escreveu um livro, uma revista ou teve de fazer alguma publicação que exigisse um papel diferenciado? A Suzano possivelmente estava lá com você. Precisou de papel-toalha para deixar a batata frita mais sequinha? Lá estava a Suzano, inclusive quando você precisou usar o banheiro após a agitação da gordura toda na barriga.

Além de papel higiênico, canudos, fraldas e embalagens que usamos por aqui, a Suzano marca presença também internacionalmente. Suas 11 fábricas localizadas principalmente na região Nordeste do Brasil atendem mais de 80 países. Segundo estimativa da Suzano, seus produtos chegam a cerca de 2 bilhões de pessoas ao redor do mundo. Para fazer a empresa conseguir se comunicar ainda melhor em tantas línguas, ela possui escritórios comerciais na América do Norte, Europa e Ásia. E seu sistema de transporte inclui a poeira das estradas, os trilhos de trem e os mares, através de portos e navios.

Tudo verde

Por ter como matéria-prima o meio vegetal, a Suzano consegue não apenas utilizar, mas também reutilizar muita coisa, criando processos cada vez mais sustentáveis. Por falar nisso, essa é uma empresa que compõe a carteira de diversos índices de sustentabilidade empresarial, como é o caso do ISE da B3 e do Índice Dow Jones de Sustentabilidade dos Mercados Emergentes. Para entrar nesse último, a competição foi acirrada, já que contou com 780 empresas avaliadas. Somente 10 companhias brasileiras entraram no índice em 2021, incluindo a Suzano.

Para fazer parte de um grupo assim, é importante saber que a Suzano é a maior produtora global de celulose de eucalipto, e essa árvore tem um potencial enorme de uso e aplicação. Ela substitui, por exemplo, o uso de árvores nativas nesse mercado. Só a Suzano possui 1,3 milhão de hectares de áreas florestais, sendo 570 mil de áreas plantadas e o restante preservado.

Graças à aquisição da FuturaGene, em 2010, que realizou a pesquisa e o desenvolvimento genético do eucalipto, a Suzano conseguiu ser a pioneira no mundo a usar o eucalipto geneticamente modificado. Segundo Paloma Brum, analista de investimentos da Toro, esse é um grande atrativo, já que a utilização de técnicas de clonagem e práticas silviculturais permitem que o eucalipto cresça mais rapidamente do que os seus pares internacionais.

Unindo isso à fusão estratégica com a concorrente de celulose Fibria, em 2019, temos uma empresa com capacidade produtiva altíssima. Não apenas isso, conforme explica a analista, a empresa tem uma autossuficiência energética das unidades produtivas, em decorrência do aproveitamento da energia gerada na fase de produção da celulose. Com a sinergia realizada com a Fibria, isso vai ainda mais longe.

Porém, não é só a celulose que pode ser aproveitada da madeira do eucalipto. Nela também está presente a chamada lignina, um componente que pode substituir o uso de materiais fósseis e gerar biocombustíveis. De acordo com a Suzano, existem pelo menos 24 linhas de pesquisa em andamento para novos projetos na empresa e a atuação já começou em algumas frentes, como a produção de tecido a partir de fibras de madeira e de eletrônicos e cosméticos também usando a matéria-prima da companhia.

O papel da Suzano

Até aqui deu para entender um pouco de tudo o que a empresa faz, mas vamos agora a outro ponto que também interessa muito saber: qual é o papel da Suzano na Bolsa?

O papel dela leva o ticker SUZB3 e, para facilitar, vamos a um gráfico histórico das cotações:

Capturar

Fonte: Análise Gráfica da Empresa em Tempo Real – ADVFN. 

Obs.: a última cotação data de 11 de fevereiro de 2021.

=> Veja a cotação atualizada de SUZB3.

=> Crie gráficos personalizados com dados desse papel, conforme o estudo que você desejar.

Olhando o gráfico, percebemos que ele começa a partir de novembro de 2017, porém essa empresa não é novata, fez sua Oferta Pública de Ações em 2012, mas em novembro de 2017 mudou de segmento, indo para o Novo Mercado.

Digamos que, quando a empresa fez isso, se você tivesse investido R$ 10 mil nela, um ano depois já teria acumulado R$ 23.300. Em 2019 teria regredido um pouco, a R$ 22 mil. Em 2020 já seriam R$ 32.200.

Apesar disso, como revela Paloma Brum, durante o ano de 2020 o preço do papel e da celulose apresentou um ciclo de baixa, principalmente devido à entrada de novos ofertantes, que apareceram no mercado nos anos de 2018 e 2019 com a alta da commodity. Devido aos preços mínimos, a maior parte das empresas vem operando com margens negativas.

Porém, a China, que importa mais de 40% do papel e celulose mundial, inclusive da Suzano, divulgou um PIB positivo no fim de 2020, enquanto todos os países estavam assolados economicamente pela pandemia.

O que também coloca a empresa com destaque no setor é o fato de a Austrália, um grande exportador da China, estar prestes a enfrentar adversidades climáticas e assim impactar sua produção. Com isso, outros fornecedores, como é o caso da Suzano, tendem a exportar ainda mais.

Ainda em se tratando da China, segundo Paloma Brum, em 2021 o país inicia a proibição da importação de papéis recicláveis, que é um produto substituto do papel e celulose, causando um aumento na demanda pela commodity.

O que também privilegia a Suzano é o desempenho positivo da demanda por papéis sanitários na América do Norte e na Europa, que atingiram um patamar superior à média histórica, e os novos hábitos de consumo, que influenciam a performance dos papéis para embalagens, algo que a Suzano também faz.

Portanto, a companhia se mostra muito bem posicionada, apesar de ser preciso ficar atento ao preço da celulose no mercado global e também à concorrência, que é bastante acirrada nesse setor. Vale sempre investir naquilo que jamais trará retorno negativo: na informação. Para isso, conte com a ADVFN.

E conte para a gente: o papel da Suzano na sua vida vai muito além daquele que você usa no dia a dia? Vale a pena escrever sua história financeira nesse papel? Conta sua opinião aqui nos comentários e não deixe de compartilhar esse conteúdo com seus amigos!

Deixe um comentário