A Nike define novas metas de diversidade para 2025

LinkedIn

A Nike (NYSE:NKE) traçou um roteiro de cinco anos para a criação de uma força de trabalho mais diversificada e inclusiva, anunciou a empresa na quinta-feira (11), à medida que a América corporativa está cada vez mais sendo responsabilizada por seus valores e pelas ações que os acompanham.

Pela primeira vez, disse a Nike, ela também vinculará sua remuneração executiva ao progresso da empresa no aprofundamento da diversidade e inclusão em toda a sua força de trabalho, protegendo o planeta e promovendo a fabricação ética. Não ofereceu mais detalhes, mas disse que a compensação estaria vinculada ao alcance da empresa de suas metas para 2025.

Ao descrever o progresso que a Nike fez em 2020, a fabricante de tênis disse que aumentou a representação das mulheres globalmente em seus negócios para 49,5%, de 48% em 2015. Representação de minorias raciais e étnicas, entretanto, aumentou 20% ano passado, em comparação com 15,9% em 2015. A Nike também destacou o fato de que sua classe de estagiários em 2020 foi a mais diversificada de todos os tempos, com 55% de seus 310 estagiários sendo mulheres e 49% representando minorias raciais e étnicas.

Em 2025, disse a Nike, a meta é atingir 50% de representação de mulheres em sua força de trabalho corporativa global (o que não inclui funcionários de lojas de varejo e depósitos) e 45% de representação de mulheres em cargos de liderança (nível de VP e acima). Também está almejando uma representação de 35% das minorias raciais e étnicas em sua força de trabalho nos Estados Unidos.

A Nike também disse que vai investir US$ 125 milhões nos próximos cinco anos para apoiar empresas que trabalham para “nivelar o campo de jogo” e enfrentar as desigualdades raciais.

No ano passado, após o assassinato de George Floyd por um policial em Minneapolis, a Nike foi uma das várias corporações que apoiou um movimento de justiça social e se comprometeu a servir comunidades com uma força de trabalho mais diversificada. Em junho, anunciou um compromisso de US$ 140 milhões em nome das marcas Nike e Jordan, e do ex-astro da NBA Michael Jordan, para apoiar empresas que ajudem a educar e promover os negros americanos.

A Nike tem enfrentado sua cota de críticas nos últimos anos, no entanto, pela forma como trata mulheres e funcionários negros.

No final de julho de 2018, anunciou aumentos salariais para mais de 7.000 trabalhadores e prometeu mudar e como estava concedendo bônus anuais a sua equipe global, em uma tentativa de resolver as preocupações sobre equidade salarial e cultura corporativa.

Um ano depois, começou a revisar termos de novos contratos de apoio a atletas durante a gravidez, depois de ser criticada por cortar salários de algumas estrelas femininas com filhos.

A Nike disse que seus dados de igualdade de remuneração de 2020 revelaram que para cada US$ 1 ganho pelos homens em todo o mundo, as mulheres ganhavam US$ 1. E para cada US$ 1 ganho por funcionários brancos nos EUA, funcionários de minorias raciais e étnicas também ganhavam US$ 1, disse.

Em 2025, a Nike se compromete a manter 100% de igualdade salarial em todos os níveis de funcionários, em uma base anual.

A Nike também é negociada na B3 através da BDR (BOV:NIKE34).

Deixe um comentário