Bom dia ADVFN - Ameaça de novas variantes do coronavírus no mundo e pacto entre Poderes no Brasil na agenda - (24/03/2021)

LinkedIn

Esse é o Bom dia, Investidor!  24 de Março de 2021, com tudo o que você precisa saber antes da Bolsa abrir!

advfn img
As Bolsas mundiais, as Bolsas mundiais operam com cautela com novas restrições na Europa e aumento de novos casos de variantes da covid.

Na Ásia, as principais bolsas asiáticas fecharam em baixa. Com preocupações sobre a recuperação mundial da pandemia. Entre as maiores perdas estão as do índice Hang Seng, de Hong Kong, que recuou 2,03%. No Japão, o índice Nikkei 225 caiu 2,04%. Listadas em Hong Kong, as ações do Shanghai Fosun Pharmaceutical Group em especial tiveram quedas de 4,83%, após Hong Kong e Macau suspenderem a vacinação com imunizantes fabricados pela alemã BioNTech, que desenvolveu seu produto, chamado de Cominarty, em parceria com a americana Pfizer. A Fosun Pharma é a parceira regional de Pfizer e BioNTech para o desenvolvimento e distribuição da vacina na China. A queda no valor das ações veio após a empresa notificar sobre uma falha no empacotamento do lote 210102 da vacina, fabricado na Alemanha. As ações da gigante de tecnologia chinesa Tencent caíram 0,8% em Hong Kong, após um reportagem da agência internacional de notícias Reuters afirmar que um dos fundadores da empresa, Pony Ma, se reuniu com autoridades antitruste da China para discutir a compliance em seu grupo.

Na Europa, as bolsas europeias operam em baixa. As bolsas europeias são impactadas pela ressurgência de infecções de Covid, que levou a França e a Alemanha a estenderem a validade de medidas de lockdown. Mundialmente, há aumento no número de novos casos há cinco semanas, sendo que na semana passada a alta mundial foi de 8%. Na Europa, a alta foi de 12%, e no sudeste da Ásia, de 49%. Nesta quarta, ações do setor de varejo lideraram as perdas, o único setor que não apresentou quedas foi o de tecnologia. O otimismo global vem sucumbindo às dúvidas sobre o andamento da reabertura econômica. O chefe da Organização Mundial da Saúde chamou os aumentos recentes de mortes e casos de “tendências verdadeiramente preocupantes”. Essas preocupações estão aumentando os efeitos em cascata do rebalanceamento de portfólio, típico de final do trimestre em todos os mercados.

Nos Estados Unidosos índices futuros mantêm tendência de alta neste momento. O governo dos EUA planeja mais medidas para estimular o crescimento. Os títulos do Tesouro se beneficiaram das garantias mais recentes do banco central de apoio continuado.  Powell disse avaliar que a recuperação da economia “progrediu mais rapidamente do que o esperado, e parece estar se fortalecendo”. Mas ações listadas nos Estados Unidos de setores geralmente associados à perspectiva de recuperação da economia tiveram perdas, com preocupações com a ressurgência mundial do coronavírus. Na segunda (22), a Organização Mundial de Saúde alertou que a maior parte das regiões do globo está passando pelo aumento de casos de Covid, com a propagação de novas variantes altamente contagiosas.

==> Acompanhe os mercados mundiais pela ADVFN (aqui)

Os futuros internacionais de petróleo WTI (NYMEX:CL\M21) estão sendo negociados a US$59,31, alta de  2,74%. O Brent (NYMEX:BZ) também opera em alta de 2,71%, negociado a US$ 62,44.

Bitcoin (COIN:BTCUSD) é negociado a US$ 56.680,95.  O ouro (COMEX:GC\M21) é negociado a US$ 1.733,45 por onça-troy.

⇒ Bitcoin – Acompanhe o Mundo Cripto na ADVFN

Minério de ferro: Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com alta de 2,78%, cotados a 1053 iuanes, equivalente hoje a US$ 161,5.

Coronavírus

O mundo registra 123.984.240 de casos de coronavírus e 2.728.551 mortes, confirmadas pela Universidade Johns Hopkins.

O Brasil vacinou mais de  12.403.415 pessoas contra a COVID-19.

Brasil  registrou o maior número de mortes diárias pela Covid-19 na terça-feira (23), com a confirmação de 3.251 novas mortes nas últimas 24 horas. O país totaliza 298.676 mortes pela doença do novo coronavírus. O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) contabiliza um total de 82.493 novos casos confirmados, elevando o total de confirmações para 12.130.019 infectados pela Covid-19. Os números da terça elevaram as médias móveis de casos e de mortes para novos patamares recordes. A média móvel de casos subiu para 76.545 confirmações em média por dia, enquanto a média de mortes passou para 2.436 óbitos por dia.

O estado de São Paulo registrou 1.021 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 68.623 mortes. O número de óbitos registradas nas últimas 24 horas é recorde desde o início da pandemia e representa, em média, uma morte a cada 85 segundos.

Foram 20.942 novas infecções pelo coronavírus em todo o estado no mesmo período. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Saúde de São Paulo nesta terça-feira (23). No total, são 2.332.043 casos da doença em São Paulo. O último recorde havia acontecido na terça-feira passada (16) quando 679 mortes foram registradas em 24 horas.

Brasil

A partir das 8h desta quarta-feira (24) ocorre no Palácio da Alvorada uma reunião com as lideranças dos Três Poderes brasileiros: Jair Bolsonaro, presidente da República; Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente do Congresso e do Senado Federal; Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados; e Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal. Participam do encontro, ainda, Augusto Aras, procurador-geral da República, ministros e governadores. A pauta: o combate ao novo coronavírus.

Poderes

O presidente Jair Bolsonaro fez na terça-feira (23) um pronunciamento em cadeia de rádio e TV em que afirmou que o país, em poucos meses, será autossuficiente na produção de vacinas contra a covid-19.“Não sabemos por quanto tempo teremos que enfrentar essa doença, mas a produção nacional vai garantir que possamos vacinar os brasileiros todos os anos, independentemente das variantes que possam surgir”, disse o presidente.Bolsonaro afirmou que até o fim do ano estarão disponíveis mais de 500 milhões de doses para vacinar toda a população que precisa ser imunizada no país. Segundo o Ministério da Saúde, esse público soma 170 milhões de pessoas.“Estamos fazendo e vamos fazer de 2021 o ano da vacinação dos brasileiros. Somos incansáveis na luta contra o coronavírus. Essa é a missão e vamos cumpri-la”, afirmou

O governo federal publicou na terça-feira, 23, edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU) para formalizar a nomeação do médico cardiologista Marcelo Queiroga como ministro da Saúde, no lugar do general Eduardo Pazuello. Queiroga é o quarto titular da pasta na gestão de Jair Bolsonaro. Ele tomou posse ontem, em uma cerimônia reservada no Palácio do Planalto, mesmo antes de ter seu nome confirmado na publicação oficial do governo.

Economia

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que há um avanço na inovação da moeda. Ponderou, contudo, que primeiro é necessário simplificá-la para eventualmente depois torná-la conversível. Sobre a moeda digital, Campos afirmou que o grupo de trabalho está avançando e que um tema importante é se o BC deve ser o único emissor. Ao detalhar a iniciativa, disse também que outros produtos virão a reboque e que está em discussão se o órgão regulador do sistema financeiro deve ser o único custodiante. “Estamos debatendo se deve haver um limite para transações com moedas digitais, como maximizá-la no mercado internacional, se o BC deve ser o único custodiante e como vai enxergar essa custódia”, detalhou Campos Neto. O presidente do BC afirmou ainda que também há uma atenção com a questão da rastreabilidade. Ou seja, se o órgão regulador conseguirá rastrear ou não as transações com moedas digitais. Ele lembrou que outros Bancos Centrais ao redor do mundo também estão debruçados no debate sobre a moeda digital. “Aqui, um cuidado é ter um conceito comum entre os BCs”, disse.O BC criou em agosto de 2020 um grupo de trabalho para tratar da moeda digital. “Não posso falar muito mais em relação ao que vem por aí como moeda digital, que vai criar inovação ao sistema”, concluiu Campos Neto.

Confira a agenda:
🗓 AGENDA ECONÔMICA 🗓

🇬🇧 Índice de Preços ao Consumidor mensal e anual (04h00) ⭐️
🇩🇪 PMI Industrial mensal (05h30)
🇩🇪 PMI Composto mensal (05h30)
🇩🇪 PMI Serviço mensal (05h30)
🇪🇺 PMI Composto mensal (06h00)
🇪🇺 PMI Industrial mensal (06h00)
🇪🇺 PMI Serviços mensal (06h00)
🇬🇧 PMI Industrial mensal (06h30)
🇬🇧 PMI Composto mensal (06h30)
🇬🇧 PMI serviços mensal (06h30)
🇺🇸 Núcleo de pedidos de bens duráveis mensal (09h30)
🇧🇷 Tesouro Nacional – Leilão de Títulos (10h30) ⭐️
🇺🇸 PMI industrial mensal (10h45)
🇺🇸 PMI composto mensal (10h45) ⭐️
🇺🇸 PMI serviços mensal (10h45)
🇺🇸 Variação de Estoques de Petróleo EIA (11h30) ⭐️
🇪🇺 Confiança do consumidor (12h00)
🇧🇷 Fluxo Cambial semanal (14h30)
🇧🇷 Relatório mensal da dívida pública do Tesouro Nacional (14h30)
🇺🇸 Federal Reserve – Discurso do diretor John Willians (14h35)
🇺🇸 Federal Reserve – Discurso da diretora Mary Daly (16h00)
🇺🇸 Federal Reserve – Discurso do diretor Charles Evans (20h00)

Ibovespa e dólar no último pregão:

Ibovespa:  

Referência do mercado brasileiro, o índice encerrou a terça-feira em queda de -1,49%, fechando a 113.261,80 pontos, na mínima, o Ibovespa ficou em 113.061,89 e na máxima foi a 115.598,66 pontos. O volume financeiro somou R$ 31,8 bilhões.

Em dia de volatilidade e cautela dos mercados globais diante do arrefecimento nas expectativas de uma breve reabertura das economias com as vacinações. O avanço da terceira onda de contaminações na Europa pesou sobre o sentimento, com novos lockdowns e medidas de distanciamento social sendo endurecidas na Alemanha, França e Itália.

O recuo de 6% nos preços do petróleo, acompanhado por declínio nas ações da Petrobras, colaborou novamente para a pressão negativa sobre o índice brasileiro.

Maiores altas do Ibovespa

IRBR3: +5,91% a R$ 6,45
CVCB3: +5,56% a R$ 19,36
MRFG3: +3,98% a R$ 17,00
GNDI3: +1,76% a R$ 85,38
ELET6: +1,68% a R$ 33,89

Maiores baixas do Ibovespa

AZUL4: -6,80% a R$ 36,75
GGBR4: -4,36% a R$ 26,56
CSNA3: -4,29% a R$ 33,50
BRFS3: -4,17% a R$ 24,36
PRIO3: -3,89% a R$ 87,03

Dólar    

dólar comercial: o dólar fechou a terça-feira, estável em -0,04% sendo cotado a R$ 5,516 para venda e a R$ 5,515 para compra, influenciado no fim do dia pela piora no sentimento externo, mas ainda assim o real teve desempenho bem melhor que seus pares, com investidores analisando a sinalização do Banco Central de mais elevações de juros.

O dólar disparou frente às moedas rivais com o investidor buscando proteção diante do sentimento de aversão ao risco diante do recrudescimento da pandemia na Europa, onde Alemanha e França já decidem novas medidas de restrições.

Ifix   

IFIX , o índice fechou o pregão em leve queda de 0,06%, aos 2.813,96 pontos. A mínima do dia para o índice bateu em 2.813,61 pontos, enquanto a máxima foi de 2.820,43 pontos. No acumulado para o mês de março, o índice recua 2,51%. Já no desempenho de 2021, cai 1,96%. A movimentação financeira foi de R$ 213,75 milhões.

FII: Confira as carteiras de Fundos Imobiliários para o mês de março

Fonte: CNN, CNBC, Infomoney, TC, G1, Agência Brasil e BDM, estadão.

Deixe um comentário