O CEO da Coinbase, Brian Armstrong, possui cerca de US$ 14 bilhões em ações da empresa antes da estreia no mercado

LinkedIn

Quando a Coinbase chegar ao mercado público nas próximas semanas, o CEO Brian Armstrong está prestes a se classificar entre as pessoas mais ricas em tecnologia.

Armstrong, que co-fundou a bolsa de criptomoedas em 2012 depois de trabalhar por um ano na Airbnb (ABNB, AIRB34), possui 39,6 milhões de ações da Coinbase, entre suas participações de Classe A e Classe B. Sua participação é de US$ 13,6 bilhões, com base em um preço médio de participação no mercado privado neste ano de US$ 343,58, de acordo com o prospecto atualizado da empresa.

Ao contrário da maioria dos fundadores de tecnologia, Armstrong poderá vender ações imediatamente após a abertura de capital da Coinbase. Isso porque não há período de restrição como parte da listagem direta da Coinbase, que difere de um IPO porque a empresa não levanta capital novo, mas permite que os acionistas existentes vendam ações no mercado aberto.

Supondo que as negociações privadas da Coinbase sejam indicativas de onde as ações serão abertas, Armstrong se tornará o mais novo membro de um grupo crescente de “decabilionários” de tecnologia. Destacada no topo por Jeff Bezos da Amazon, Elon Musk da Tesla, cofundador da Microsoft Bill Gates e Mark Zuckerberg do Facebook, que valem mais de US$ 100 bilhões, a lista dos mega-ricos em tecnologia se expandiu significativamente nos últimos anos, com avaliações crescentes e novos IPOs.

Eric Yuan, CEO da Zoom Video (ZM, Z1OM34), que abriu o capital de sua empresa de bate-papo por vídeo em 2019, vale mais de US $ 16 bilhões, de acordo com o Índice Bloomberg Billionaires. Os co-fundadores da Atlassian (TEAM, T1AM34), Scott Farquhar e Mike Cannon-Brookes, valem cada um cerca de US$ 14 bilhões, graças ao IPO de sua empresa em 2015 e ao aumento subsequente das ações. O patrimônio líquido de Jack Dorsey aumentou para mais de US$ 13 bilhões, principalmente por causa da alta da Square (SQ). O CEO da Shopify (SHOP), Tobi Lutke, e Evan Spiegel, da Snap (SNAP, S1NA34), valem mais de US$ 10 bilhões.

A maior parte da valorização do patrimônio de Armstrong ocorreu no último ano, quando o valor das ações da Coinbase em negociações privadas aumentou mais de 10 vezes. A empresa obtém a maior parte de sua receita do comércio e armazenamento de bitcoin, que cresceu mais de 700% no ano passado, e ethereum, que cresceu bem mais de 1.000%.

Mas Armstrong também está no meio de controvérsias. Em uma postagem de blog em setembro, Armstrong disse aos funcionários que, em um momento em que as tensões eram altas por causa da pandemia, protestos por justiça racial e uma eleição presidencial acalorada, a Coinbase não seria uma empresa focada no ativismo.

“A razão é que, embora eu ache que esses esforços sejam bem intencionados, eles têm o potencial de destruir muito valor na maioria das empresas, tanto por ser uma distração quanto por criar divisão interna”, escreveu Armstrong. 

Alguns meses depois, o New York Times publicou uma denúncia na Coinbase, detalhando as alegações de funcionários negros de tratamento injusto na empresa, incluindo discriminação salarial. A Coinbase publicou preventivamente uma postagem de blog na tentativa de refutar as afirmações.

Nada disso prejudicou o crescimento da empresa, já que as negociações privadas atingiram níveis recordes nas últimas semanas, antes do anúncio direto. Mas a Coinbase reconhece na seção de fatores de risco de seu prospecto que uma aposta na empresa é, pelo menos em parte, uma aposta em Armstrong.

Incentivos pesados

“Como somos uma empresa liderada pelo fundador, as ações ou publicidade desfavorável sobre Brian Armstrong, nosso cofundador e CEO, podem impactar adversamente nossa marca e reputação”, afirma o documento. “Essa publicidade negativa também pode ter um efeito adverso no tamanho e no engajamento de nossos clientes e pode resultar na redução da receita, o que pode ter um efeito adverso em nossos negócios, resultados operacionais e condição financeira”.

Armstrong é fortemente incentivado a manter o ímpeto. Ele recebeu um salário de US$ 1 milhão no ano passado, embora sua remuneração total ultrapassasse US$ 59 milhões com todos os seus prêmios de opções.

Em agosto, Armstrong recebeu um prêmio de desempenho de vários bilhões de dólares, dando-lhe a capacidade de comprar 9,29 milhões de opções a US$ 23,46 em 10 anos. Os prêmios são todos baseados na negociação de ações da empresa a um determinado preço por 60 dias. Com base no preço do mercado privado, cerca de três quartos do prêmio serão adquiridos em breve. A tranche mais alta é de US$ 400.

(reportagem de CNBC)

Deixe um comentário