Petróleo fecha em alta apesar dos temores da demanda em meio aos bloqueios na europa

LinkedIn

O petróleo se estabilizou nesta segunda-feira, já que as esperanças de uma retomada da demanda no final deste ano ajudaram a deter a ampla liquidação da semana passada, mas os preços permaneceram sob pressão, já que novos bloqueios de coronavírus europeus tornaram menos provável uma recuperação rápida.

O petróleo tipo Brent/maio fecha estável em +013%, a US$ 64,62 o barril; WTI/abril sobe 0,21%, a US$ 61,55 o barril.

Ambos os contratos caíram mais de 6% na semana passada, após registrar ganhos constantes por meses devido aos cortes na produção e uma recuperação esperada da demanda.

“O petróleo (teve) sua pior semana neste ano, à medida que crescem as preocupações com uma explosão de casos COVID-19 em toda a Europa”, disse o banco holandês ING em uma nota. “Isso ocorre em um momento em que há sinais claros de fraqueza no mercado físico de petróleo.”

Os mercados físicos estão sob pressão à medida que as refinarias em todo o mundo, incluindo a China e os Estados Unidos, iniciam as atividades de manutenção. A temporada de manutenção da refinaria chinesa deve atingir o pico em maio e começar a diminuir em junho, disseram traders, privando alguns tipos de petróleo, como os da África Ocidental, de seu principal escoamento.

Quase um terço dos franceses entraram em um bloqueio de um mês no sábado, enquanto a Alemanha planeja estender seu bloqueio para um quinto mês, de acordo com uma proposta preliminar.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, alertou hoje que a terceira onda de infecções por COVID-19 que varre a Europa pode estar se dirigindo para a Grã-Bretanha.

Embora uma ampla recuperação econômica permaneça indefinida, o presidente-executivo da Saudi Aramco, Amin Nasser, estava otimista sobre as perspectivas de longo prazo para o maior exportador de petróleo do mundo.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus aliados, juntos conhecidos como OPEP+, implementaram cortes de produção sem precedentes para equilibrar os mercados globais depois que a demanda despencou durante a pandemia de COVID-19.

(Com informações da CNBC)

Deixe um comentário