Smartfit é notificada por dificultar cancelamentos de contratos

LinkedIn

Após reclamação de clientes, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) notificou a rede de academias Smartfit (BOV:SMFT3) por supostamente dificultar o cancelamento de contratos em meio à pandemia. A empresa tem dez dias para enviar a resposta.

De acordo com a Senacon, a Smartfit figurou como uma das mais citadas do ano no Boletim de 2021 do Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec), com 9.838 em 2020, um aumento de 3.053% ante 2019.

As principais questões que levaram a esse aumento exponencial de reclamações nos Procons de todo o país foram “problemas com contrato” e “problemas com cobrança”.

Questionada pelo Valor, a Smartfit afirmou, em nota, que “sempre cumpriu e cumprirá as leis e determinações de autoridades” e que “não é diferente na relação com os consumidores”. “Desde que as unidades foram reabertas, em julho de 2020, os alunos podem congelar seus planos pelo site, interrompendo a cobrança das mensalidades. Antes disso, a Smartfit havia interrompido unilateralmente a cobrança das mensalidades”.

O texto afirmava que atividades classificadas como essenciais por um decreto do governo federal e com faturamento superior a R$ 100 milhões deveriam buscar ativamente o cadastro no site, para evitar a judicialização em meio à pandemia de covid-19. Entre as atividades essenciais, estavam academias de esporte de todas as modalidades, obedecidas as determinações do Ministério da Saúde.

Smart Fit tem prejuízo de R$ 88,7 milhões no 4º trimestre

A Smart Fit obteve um prejuízo de R$ 88,7 milhões no 4º trimestre de 2020, de acordo com o balanço financeiro enviado ao mercado nesta quinta-feira (25).

No ano, a situação foi semelhante, acumulando um valor negativo de R$ 478,4 milhões.

A receita líquida da companhia caiu 33,3% no trimestre, atingindo R$ 385,8 milhões. No acumulado do ano, o valor também caiu 36,7%, com o total de R$ 1,2 bilhão.

O Ebitda, valor de geração de caixa da empresa, encerrou o período em R$ 7,8 milhões. A margem Ebitda foi de 2%.

“A redução de receita por região em 2020 foi proporcional às reaberturas nas regiões. O Brasil iniciou a reabertura de forma relevante em julho, com abertura média no ano de 65% das academias. No México, a abertura foi feita em momento similar ao do Brasil, ao longo do 3º tri. Na região Outros América Latina, a abertura média no período foi de 41%, com a abertura das academias na Colômbia em setembro, e as academias no Chile e Peru fechadas por quase todo período da pandemia”, informou a empresa.

 

(fonte focus)

Deixe um comentário