Amazon (AMZO34) vence batalha contra a Comissão Europeia por conta de impostos de US$ 300 milhões

LinkedIn

A Amazon (NASDAQ:AMZN) venceu na quarta-feira (12) o recurso contra a Comissão Europeia, que ordenou que a gigante de tecnologia dos EUA devolva 250 milhões de euros (US$ 303 milhões) em impostos a Luxemburgo.

A Amazon também é negociada na B3 através da BDR (BOV:AMZO34).

O tribunal geral da UE disse que a comissão, o braço executivo da UE, não conseguiu provar que havia uma vantagem fiscal ilegal concedida à Amazon por Luxemburgo – onde a empresa americana tem sua subsidiária europeia.

A comissão sediada em Bruxelas havia dito em 2017 que Luxemburgo havia concedido benefícios fiscais indevidos à Amazon. A comissão disse na época que a Amazon estava autorizada a pagar quatro vezes menos impostos do que outras empresas locais sujeitas às mesmas regras nacionais. No entanto, a Amazon contestou essa avaliação.

“Saudamos a decisão do Tribunal, que está em linha com nossa posição de longa data de que seguimos todas as leis aplicáveis ​​e que a Amazon não recebeu nenhum tratamento especial”, disse um porta-voz da empresa.

A instituição pode decidir recorrer da decisão do tribunal e levar o caso ao mais alto tribunal da UE.

Foi a segunda decisão do tribunal contra a comissão em menos de um ano. Em julho, o tribunal disse que a equipe da UE, liderada por Margrethe Vestager, não conseguiu provar que o governo irlandês havia concedido uma vantagem fiscal à Apple . A comissão ordenou que a Apple reembolsasse cerca de 13 bilhões de euros em impostos não pagos em 2016.

Desde então, a comissão decidiu levar este caso ao Tribunal de Justiça Europeu, enquanto ao mesmo tempo estudava maneiras de aprimorar seu kit de ferramentas para combater o que descreve como concorrência desleal de mercado.

Nesse contexto, os legisladores europeus estão debatendo duas propostas legislativas que podem trazer mudanças radicais. De acordo com essas propostas, o objetivo da UE é aplicar medidas corretivas que levem a mudanças práticas, em vez de multar aqueles que violam constantemente as regras.

Deixe um comentário