Eletrobras: relator diz que propostas de mudança ao texto da MP estão de comum acordo com governo de Jair Bolsonaro

LinkedIn

O relator da medida provisória de privatização da Eletrobras (BOV:ELET3) (BOV:ELET5) (BOV:ELET6) na Câmara, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), disse que suas propostas de mudança ao texto, apresentadas nesta terça-feira, foram definidas “99% em comum acordo” com o governo do presidente Jair Bolsonaro, após longas negociações.

O relatório do parlamentar define que a desestatização estaria sujeita à contratação prévia pelo governo de novas usinas termelétricas, o que não estava previsto expressamente em uma versão preliminar divulgada anteriormente. Nascimento garantiu que essa medida teve aval do governo e que a viabilização das novas usinas deve ocorrer por meio de uma licitação já prevista para o segundo semestre.

A Câmara dos Deputados pode votar nesta quarta a medida provisória que viabiliza a privatização da estatal; a sessão do Plenário está marcada para as 13h55. O modelo de privatização prevê a emissão de novas ações a serem vendidas no mercado sem a participação da empresa, resultando na perda do controle acionário de voto mantido atualmente pela União.

VISÃO DO MERCADO

Credit Suisse

O Credit Suisse avalia que as mudanças na medida provisória trazem pontos positivos para a empresa, mas alguns negativos para o setor. O banco avalia que a versão final exclui itens controversos, que poderiam arriscar a privatização e limitar os ganhos. Isso é positivo porque aumenta a chance de aprovação, avalia o Credit.

Credit Suisse mantém recomendação neutra com preço-alvo de R$ 45,00…

Itaú BBA

O Itaú BBA afirma que tem uma visão positiva do relatório sobre a privatização da Eletrobras, apresentado pelo deputado Elmar Nascimento. O banco espera que a MP seja votada nesta quarta, e ressalta que depois deve ser ainda aprovada pelo Senado antes que expire, em 22 de junho.

Itaú BBA mantém recomendação de compra com preço-alvo de R$ 53,00…

Eletrobras (ELET3): lucro líquido de R$ 1,6 bilhão no 1T21, alta de 31%

Eletrobras fechou o primeiro trimestre com lucro líquido de R$ 1,609 bilhão, uma alta de 31% frente aos R$ 1,228 bilhão de igual período do ano passado.

Segundo a estatal, o lucro do primeiro trimestre sofreu o impacto positivo dos resultados da transmissão, em decorrência da Revisão Tarifária Periódica com efeitos a partir de julho de 2020.

O resultado da última linha do balanço poderia ser ainda melhor se não fosse pelas provisões para contingências de R$ 932 milhões, com destaque para R$ 436 milhões relativos às contingências judiciais que discutem a correção monetária de empréstimo compulsório

A receita operacional líquida atingiu R$ 8,208 bilhões no período, 8% superior ao mesmo trimestre do ano anterior. A receita operacional líquida recorrente, que engloba receita do Procel, registrou alta 8% e somou R$ 8,200 bilhões na mesma base de comparação.

Informações Infomoney

Deixe um comentário