ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for tools Aumente o nível de sua negociação com nossas ferramentas poderosas e insights em tempo real, tudo em um só lugar.

Omega Energia pretende construir até final de 2023 usina de 240 MW para atender contrato com Bayer

LinkedIn

A Omega Energia, do mesmo grupo da empresa de renováveis Omega Geração, deverá construir até o final de 2023 projetos eólicos ou solares no Brasil com cerca de 240 megawatts em capacidade para atender contrato fechado com a alemã Bayer.

O comunicado foi feito pela empresa (BOV:OMGE3) nesta quinta-feira (27).

A informação, confirmada pela Omega, vem após a empresa ter anunciado recentemente acordo para fornecer energia limpa a unidades da Bayer no país por dez anos.

A operação ocorre em momento em que grupos do setor de energia têm visto grande apetite de corporações por contratos de geração 100% renovável, em meio a uma preocupação cada vez maior de empresas com sustentabilidade.

O negócio prevê entrega de energia solar e/ou eólica à Bayer a partir de empreendimentos que a Omega deverá entregar até 2023, com suprimento entre 2024 e 2033.

Questionada, a Omega disse que tem avaliado dois projetos que poderiam atender a demanda da Bayer– “um solar e um eólico, de mesma capacidade”, e deverá ter uma definição até setembro, incluindo sobre a localização.

“O parque terá aproximadamente 240 megawatts”, disse a companhia em nota.

O projeto de geração será construído pela Omega Desenvolvimento, empresa coligada que tem acordo para posterior venda de seus ativos à Omega Geração a partir do início da operação comercial.

A Omega Energia disse que o contrato cobrirá o consumo da Bayer nas unidades da empresa em Uberlândia, Paracatu, Itaí, Campo Verde, Cachoeira Dourada, Petrolina, Paulínia e Belford Roxo.

A elétrica estimou que o negócio possibilitará evitar a emissão de 10 mil toneladas de CO2 durante o período do contrato.

Antes, a Bayer já havia assinado acordo com a Omega para fornecimento de energia limpa às suas unidades de Paulínia e Petrolina.

Prejuízo líquido de R$ 93,8 milhões no primeiro trimestre

A Omega Geração registrou prejuízo líquido de R$ 93,8 milhões entre janeiro e março, valor 81% maior do que o apurado um ano antes.

Já a receita líquida da companhia aumentou 91,94% de um ano para o outro, passando de R$ 192,87 milhões para R$ 370,19 milhões. Em relação ao último trimestre (R$ 393,28 milhões), a receita diminuiu -5,87%.

Informações Reuters

Deixe um comentário