Yduqs (YDUQ3): lucro líquido de R$ 43,2 milhões, queda de 74,3% impactado por depreciação

LinkedIn

A Yduqs, antiga Estácio, reportou lucro líquido de R$ 43,2 milhões no primeiro trimestre do ano, queda de 74,3% na comparação anual, impactada pela depreciação de ativos tecnológicos.

Cerca de metade da perda de R$ 125 milhões, no período, veio dessa depreciação, uma vez que a companhia vem investindo fortemente em tecnologia. Outra parte foi decorrente de despesa financeira por conta da dívida captada para aquisição da Adtalen (R$ 35 milhões), redução do Ebitda (R$ 25 milhões) e R$ 4 milhões em impostos.

Nos três primeiros meses do ano, a receita líquida totalizou R$ 1,082 bilhão, alta de 17,2% na base anual.

ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – somou R$ 313,1 milhões, 7,3% inferior ao mesmo período de 2020.

Em termos operacionais, a base total de alunos da YDUQS era de 716,5 mil ao final do primeiro trimestre do ano, alta de 13,3% em relação ao mesmo intervalo de 2020. Do total, a graduação tinha 248,2 mil alunos, 29,9% maior que o visto no ano anterior.

No ensino superior presencial total houve queda de 6,3% no primeiro trimestre, em relação ao mesmo período de 2020, para 286,6 mil.

No ensino a distância (EAD) total, houve alta de 29,5% no trimestre, para 417,2 mil alunos. Na graduação + flex, o aumento foi de 58,3%, para 53,4 mil alunos. No período, dívida líquida da YDUQS era de R$ 3,242 bilhões, alta de 264,9% na comparação anual, enquanto o total de caixa e disponibilidades somava R$ 2,050 bilhões, 19,5% menor que o visto no mesmo período do ano anterior.

A companhia conseguiu compensar a perda do presencial graças à estratégia adotada de investir em cursos de medicina, que é mais resiliente, ensino a digital, que se tornou opção com o isolamento, e as aquisições que ajudaram a manter a base de alunos.

Devido ao atraso nas matrículas, cujo prazo de inscrição foi até abril, neste ano, por conta do adiamento do Enem, a receita desses alunos acabou sendo contabilizada já no segundo semestre.

Por isso, a Ydqus está divulgando as estimativas de receita e Ebitda para o semestre. A projeção é de uma receita líquida entre R$ 2,2 bilhões e 2,3 bilhões, o que representa uma variação positiva entre 12% e 17%, respectivamente, sobre o primeiro semestre de 2020. Já o Ebitda estimado oscila entre R$ 630 milhões (queda de 7%) e R$ 720 milhões (alta de 6%) quando comparado ao mesmo período de 2020.

Os resultados da Yduqs (BOV:YDUQ3) referente suas operações do primeiro trimestre de 2021 foram divulgados no dia 12/05/2021. Confira o Press Release completo!

Teleconferência

O diretor presidente, Eduardo Parente Menezes, mostrou interesse em novas aquisições, com destaque para regiões em que o grupo está menos presente, além de um olhar especial para pequenas empresas com ferramentas tecnológicas importante para ser agregadas. “Buscamos regiões que estamos menos presentes”, disse.

Segundo os executivos, a ideia é crescer organicamente esse segmento, mas há muitas oportunidades no horizonte por meio de aquisições, que podem acelerar o processo.

O executivo disse ainda que a empresa olha oportunidades, mas tem disciplina de caixa e não faz “maluquices”. “Os negócios que a gente fez foram claramente muito bons”, disse.

O foco também está em empresas com ferramentas tecnológicas, como startups.

“O nosso digital não é só para o EAD. Produz conteúdo a ser distribuído em diversos canais. A gente vê empresas menores que podem nos ajudar a incorporar ferramentas, pessoas e cabeças”, disse o executivo do segundo maior grupo de ensino superior do país.

“A gente vê startups virando o olho para a gente. Segundo eles, tudo que eles querem é o nosso mercado. Ok, queremos um pedaço de vocês para dar o nosso mercado”, argumentou. Segundo Parente, conversas estão em andamento.

No braço digital, Parente reforçou ainda o plano do grupo de atingir 2 mil polos neste ano e 2,5 mil no final do ano que vem.

Parente também deu sinalizações positivas para os próximos trimestres de 2021 depois do caos provocado pela pandemia de covid-19 nos negócios.

“O primeiro trimestre é o que a gente tinha mais incertezas. Mesmo nesse mundo de incerteza a gente acertou no que estava bem e no que estava mais difícil. Temos convicção de que para frente a vida vai melhorar”, disse, apontando resultados favoráveis, como a queda no Provisão com Devedores Duvidosos.

Um dos maiores desafios e que deve se estabilizar é a captação. A empresa registrou queda de 30% no primeiro trimestre na comparação com igual período de 2020 no braço presencial. No total, a captação avançou em 7%, considerando os setores premium e o ensino digital.

“Vemos um comportamento do aluno buscando um adiamento, jogando para frente. Entendemos que tem postergação. Historicamente, depois de uma captação ruim, vem uma boa. A tendência é vir uma boa no segundo trimestre”, disse.

Ele destacou ainda que 40% dos alunos que entram nos cursos do grupo têm dois anos ou mais de formado.

A expectativa é de um cenário de captação muito bom nos cursos de medicina e no Ibmec no segundo semestre. “A expectativa é de que o EAD continue crescendo. No presencial tem um ponto de interrogação maior”, disse, mas destacou que o grupo não espera uma surpresa negativa no segundo semestre diante do avanço da vacinação.

VISÃO DO MERCADO

XP Investimentos 

Yduqs registrou uma redução de 34% na sua captação consolidada para graduação com a pressão negativa da Covid-19 no trimestre.

Além disso, como resultado de um ciclo de captação mais difícil e mais longo, a empresa gastou mais em marketing e teve maiores provisões para devedores duvidosos, devido ao ambiente macroeconômico pior também devido à pandemia. Consequentemente, a margem EBITDA ajustada caiu 7,9pp levando a uma redução de 7% no EBITDA A/A (embora, apenas 1% abaixo de nossas estimativas).

No entanto, é importante destacar que a empresa forneceu um guidance para o 1S21 com receita líquida 4% acima das nossas estimativas e EBITDA apenas 2% inferior considerando o meio do intervalo do guidance ou 5% acima considerando o topo dele.

Além disso, estamos otimistas com o ciclo de captação do 2S21 devido ao processo de vacinação em andamento e acreditamos que a situação atual não altera as perspectivas de longo prazo para a empresa, pois acreditamos que o crescimento contínuo da base de alunos (impulsionado principalmente pela EAD), aliado ao processo de amadurecimento de seu novo modelo acadêmico presencial resultará em margens maiores.

XP mantém recomendação de compra com preço alvo de R$50,70…

Deixe um comentário